pub

Notícia

Polémica

Descobrimos a amiga socialite de Sócrates que andou escondida

Célia Tavares andava desaparecida mas o Ministério Público interrogou-a. Em causa estão as conversas sobre "garrafas de vinho" que acabaram "num envelope". A mulher amiga do antigo primeiro-ministro confirma ter recebido "ajuda em dinheiro". Sócrates também lhe terá proporcionado outros bens.
Por Isabel Laranjo | 17 de setembro de 2017 às 14:42
Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates ouvida pelo Ministério Público Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates Célia Tavares Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates Lígia Correia Sandra Santos
Célia Tavares, a amiga misteriosa de José Sócrates

Célia Tavares era vendedora numa boutique de luxo, frequentada pela mãe de José Sócrates, na zona do Marquês de Pombal, quando conheceu o antigo primeiro-ministro, em 2009.

A relação sempre foi intermitente e, sobretudo, discreta. A ponto de ninguém saber dela, a não ser o círculo mais chegado de Sócrates e que incluía o amigo Carlos Santos Silva, que alegadamente emprestava avultadas quantias de dinheiro a José Sócrates, o que fez espoletar todo o Caso Marquês.

A dada altura, a mulher – Célia Tavares –, que vivia de forma bastante humilde, mudou de vida. "Sempre teve a mania que era tia. Até que se despediu", conta um antigo colega de trabalho de CéliaTavares, à TVGuia. "Na altura, não entendemos bem o que é que tinha acontecido, porque ela não era má funcionária", concretiza.

José Sócrates à porta de casa em Lisboa Sandra Santos é a amiga de José Sócrates, a quem o antigo primeiro-ministro emprestava dinheiro Sandra Santos com o filho e a mãe em Lisboa. O menino fez recentemente 6 anos Sandra Santos na companhia do filho e da mãe Sandra Santos no tempo em que privava com José Sócrates
Amiga misteriosa de Sócrates

Afinal, sabe-se agora, Célia acabou por se dedicar, com mais tempo, ao curso de Direito, na Universidade de Lisboa. E, como veio agora a público, receberia supostas ajudas regulares por parte de José Sócrates.

Célia Tavares, cuja última residência conhecida situa-se na zona da Picheleira, em Lisboa, foi chamada a depor pelo Ministério Público, no âmbito do Caso Marquês. Assumiu conhecer Rita, a empregada doméstica de Maria Adelaide, mãe do antigo governante, e confessou ter-se encontrado com a mulher, em maio de 2014. Rita foi, segundo Célia, ter consigo à faculdade para lhe entregar mais "uma ajuda".

Perante isto, o inspetor Paulo Silva, também presente durante a audiência, colocou em cima da mesa o que parecia já saber de antemão. "Levar a ajuda? Era ajuda ou era alguma coisa que era preciso dar em troca?", questionou, perante o tribunal, como se pode ler em reportagem da revista 'Sábado'. Célia Tavares reafirmou ser "ajuda". "Não, era ajuda. Como assim, alguma coisa que tem que se entregar em troca?".

A carregar o vídeo ...
;

É então que surge a conversa intrigante sobre garrafas de vinho postas dentro de envelopes. "O Sr. Eng. tinha-lhe pedido 'umas garrafas de vinho'. Entregou? Tem alguma especialidade na área dos vinhos?", perguntou o inspetor. Célia Tavares mostrou-se espantada com as questões, aparentemente despropositadas, do inspetor, e foi sempre negando tudo.

Apenas reiterou que recebia dinheiro, regularmente, do amigo com quem chegou a ter intimidade.

EMPREGADA CONTRADIZ AMANTE

Rita Gomes, a empregada doméstica da mãe de Sócrates, também foi ouvida. E acabou por contradizer Célia. Afinal, não seriam garrafas de vinho.

A angolana terá ido ao tal encontro com Célia e feito a alegada troca da "ajuda" por um envelope. Quanto ao conteúdo: "Acho que eram medicamentos".

Mas a angolana insistiu: "Não abri para ver. Deu-me a impressão que..." Rosário Teixeira, o conhecido Procurador do MP, quis saber se aquele tinha sido o único encontro entre Rita e Célia. A empregada doméstica confirmou ter sido encontro único mas negou ter dado algo em troca (atal "ajuda") à estudante de Direito.

O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês
O penoso percurso de Sócrates pelo Caso Marquês

Então, para que serviria o conteúdo do envelope? O inspetor Paulo Santos questionou: "O Sr. Eng. estava doente, nesse dia?" A mulher retorquiu: "Acho que era por causa da tensão".

Célia, por sua vez, tentou justificar as conversas sobre "garrafas de vinho". "Por vezes, ao fim de semana, quando jantava com o Sr. Eng., portanto, não jantávamos fora, cá em Lisboa ou mesmo fora, também não. Comíamos em casa, por ser (...) uma figura pública. (...) fazia as compras take away e levava uma garrafa", afiançou a mulher, perante as autoridades.

Veja toda a história na edição desta semana da TV Guia já nas bancas

Mais notícias de Nacional

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável