pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Improvisa-se na SIC

César Mourão surpreende no domingo à noite. Caso consiga impor o novo formato, Carnaxide faz o “dois em um”: conquista um horário-chave, e com um produto feito em casa, muito mais barato do que qualquer modelo internacional.

O fim de uma era na TVI

É o maior fracasso na carreira de Teresa Guilherme como apresentadora, mas é também sintoma da actual fragilidade da estação, que desiste de um formato original sem lutar por ele.

Quem liberta o Benfica?

Em vez de esperar que a justiça faça o seu caminho, Pedro Guerra, um dos principais envolvidos no caso, expõe-se todas as semanas. O clube de Vieira caiu nesta armadilha e está refém do comentador da TVI24.

Generalistas afundam-se

As perdas atingem as quatro estações, no ano de 2017. No conjunto, RTP1, Canal 2, SIC e TVI têm menos 70 mil pessoas por dia. Crescimento do cabo vai continuar

O sorriso de Costa

Em política, muitas vezes a imagem é tudo, e, por isso, a televisão pode ser cruel. A forma como o chefe do Governo comentou a tragédia dos incêndios é um desses casos.  

Sócrates irritou-se

Vítor Gonçalves preparou-se com cuidado, quer no conteúdo, quer na pose e na expressão. O principal arguido da Operação Marquês já não estava habituado a responder a um jornalista, e isso fez toda a diferença.

O fim dos reality shows

Biggest Deal bate recordes negativos de audiências. O programa não convence, e Teresa Guilherme mostra que não está confortável com o formato. Isso é mortal.

E se fosse consigo?

O programa de Conceição Lino aproveita a lógica dos apanhados para provocar situações-limite. O sucesso é inegável, mas apresentá-lo como produto de informação é errado.

A 'Herdeira' arrasa 'Paixão'

Ao contratar Gabriela Sobral, a SIC quis clonar o sucesso da ficção da TVI. Só que o original é sempre melhor do que a cópia. A nova produção de Carnaxide é surpreendentemente frágil, e está a ter dificuldades para competir com a concorrência.

Presente envenenado

'Linha Aberta' é um formato que põe a nu todas as fragilidades actuais de Carnaxide, da falta de meios à crise de ideias. Não vai ser fácil reverter as audiências miseráveis da estação no acesso ao prime time.

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável