Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

2017 (I)

Dedico as duas últimas crónicas do ano, que está a chegar ao fim, ao balanço do que vivemos e, sobretudo, daquilo que nunca deveríamos ter vivido. Por agora, apenas três memórias.
24 de dezembro de 2017 às 07:00

Antes de evocar qualquer outro episódio, saliente-se a tragédia do fogo. Nunca em Portugal, desde que existem registos, houve coisa assim. Cento e oito mortos, mais de quinhentos mil hectares de mata e floresta ardida, centenas de empresas destruídas, centenas de habitações, milhares de cabeças de gado, põe Pedrógão Grande e, três meses depois, o tristemente célebre 15 de Outubro no topo dos acontecimentos que marcaram a vida portuguesa.

A resposta do Estado a estes eventos fatídicos foi de tal modo débil e incompetente que, pela primeira vez, foi publicamente reconhecida a frágil e miserável resposta pelo Presidente da República. Passados meses sobre os dois desastres ainda se fazem estudos, ainda se apuram responsabilidades enquanto, na maioria dos casos, as vítimas e seus familiares esperam a reacção das autoridades ao flagelo que sobre o País se abateu.

O segundo acontecimento, que pôs a nu a negligência de quem nos governa, foi o assalto ao paiol de Tancos. Com laivos anedóticos. Naquela que deveria ser uma das unidades militares mais vigiadas do país, desapareceu um sem número de armas e explosivos. Haveriam de ser descobertos meses mais tarde. Com um bónus. Os ladrões abandonaram mais material de guerra do que havia sido roubado. Pelo meio ficaram desculpas esfarrapadas. Generais promovidos e demitidos, uma grande algazarra parlamentar e, até hoje, ainda não se sabe quem foram os assaltantes.

Finalmente, a novela vergonhosa que se desenvolveu sob a tutela do ministério da Saúde e que conduziu à morte de seis pessoas e à enfermidade de um grupo bem maior, infectados com legionella, num hospital lisboeta. Gente que ali acorreu para tratar da saúde e que teve como resposta serem mortos pelo ar condicionado do hospital. Responsáveis? Não existem ou deles não se deu conta. De facto, o povo é sereno.

Feliz Natal!

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável