Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

2017 (I)

Dedico as duas últimas crónicas do ano, que está a chegar ao fim, ao balanço do que vivemos e, sobretudo, daquilo que nunca deveríamos ter vivido. Por agora, apenas três memórias.
24 de dezembro de 2017 às 07:00

Antes de evocar qualquer outro episódio, saliente-se a tragédia do fogo. Nunca em Portugal, desde que existem registos, houve coisa assim. Cento e oito mortos, mais de quinhentos mil hectares de mata e floresta ardida, centenas de empresas destruídas, centenas de habitações, milhares de cabeças de gado, põe Pedrógão Grande e, três meses depois, o tristemente célebre 15 de Outubro no topo dos acontecimentos que marcaram a vida portuguesa.

A resposta do Estado a estes eventos fatídicos foi de tal modo débil e incompetente que, pela primeira vez, foi publicamente reconhecida a frágil e miserável resposta pelo Presidente da República. Passados meses sobre os dois desastres ainda se fazem estudos, ainda se apuram responsabilidades enquanto, na maioria dos casos, as vítimas e seus familiares esperam a reacção das autoridades ao flagelo que sobre o País se abateu.

O segundo acontecimento, que pôs a nu a negligência de quem nos governa, foi o assalto ao paiol de Tancos. Com laivos anedóticos. Naquela que deveria ser uma das unidades militares mais vigiadas do país, desapareceu um sem número de armas e explosivos. Haveriam de ser descobertos meses mais tarde. Com um bónus. Os ladrões abandonaram mais material de guerra do que havia sido roubado. Pelo meio ficaram desculpas esfarrapadas. Generais promovidos e demitidos, uma grande algazarra parlamentar e, até hoje, ainda não se sabe quem foram os assaltantes.

Finalmente, a novela vergonhosa que se desenvolveu sob a tutela do ministério da Saúde e que conduziu à morte de seis pessoas e à enfermidade de um grupo bem maior, infectados com legionella, num hospital lisboeta. Gente que ali acorreu para tratar da saúde e que teve como resposta serem mortos pelo ar condicionado do hospital. Responsáveis? Não existem ou deles não se deu conta. De facto, o povo é sereno.

Feliz Natal!

Mais notícias de Dicionário do amor

Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.
E depois do Adeus?

E depois do Adeus?

Canal 1 voltou ao patamar anterior assim que acabou a festa. A RTP tratou com competência, mas sem brilho, um dos maiores desafios da sua História: realizar o Eurofestival em Portugal.
Conto de fadas

Conto de fadas

A três dias da boda real são ainda muitas as dúvidas sobre alguns detalhes, pormenores que fazem aumentar a expectativa de milhões de espetadores. Irá Harry utilizar aliança? A pergunta não é desfasada se considerarmos que o irmão William não optou por esse símbolo em 2011.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável