Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu amor

Notícia

2017: O melhor e o pior

Na programação e na Informação dos três canais generalistas, o ano teve, como sempre, bons e maus programas, mas também muitos momentos para esquecer.
22 de dezembro de 2017 às 07:00

O ano termina com dois bons momentos: Ana Leal, primeiro, e Alexandra Borges com Judite França, depois, assinam, na TVI, óptimas reportagens.

As séries informativas de Pedro Coelho, na SIC, as reportagens do Sexta às 9, na RTP-1 (sobretudo sobre os fogos), e a entrevista de Vítor Gonçalves a Sócrates também fazem parte do melhor do ano na informação generalista.

O pior foi o condicionamento da informação da TVI, alguns projectos da SIC, como a rubrica do ex-árbitro Duarte Gomes 'Ó Senhor Árbitro' ou o híbrido 'Nunca Visto', e a falta de inteligência da RTP na gestão do canal de informação.

Na programação, o pior do ano foram as séries da RTP, com 'A Criação' no topo da lista, e alguns programas, como o concurso de Alvim ('O Avô Fugiu de Casa'), as conversas de Bruno Nogueira e Esteves Cardoso (também eles 'Fugiram de Sua Casa') ou o 'Biggest Deal', da TVI.

Na categoria de melhores programas do ano estão as recentes novelas da TVI, 'A Herdeira' e 'Jogo Duplo',  o 'The Voice', da RTP, e, na SIC, o 'E Se Fosse Consigo', de Conceição Lino, e as 'Vidas Suspensas', de Ribeiro Cristóvão e Sofia Pinto Coelho.

Finalmente, houve momentos para esquecer: na RTP, a final da Taça em futebol feminino foi interrompida por um concerto, e o título mundial de Inês Henriques nos 50 quilómetros de marcha foi ignorado. Na SIC, a ridícula mascote dos 25 anos da estação não deixou saudades, e a taróloga Maria Helena, com os seus conselhos insensatos às mulheres traídas, saiu tarde demais.

Para esquecer é também o 'Futebol Mais', da TVI, que saiu da antena sem aviso prévio. 

Mais notícias de Dicionário do amor

Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.
E depois do Adeus?

E depois do Adeus?

Canal 1 voltou ao patamar anterior assim que acabou a festa. A RTP tratou com competência, mas sem brilho, um dos maiores desafios da sua História: realizar o Eurofestival em Portugal.
Conto de fadas

Conto de fadas

A três dias da boda real são ainda muitas as dúvidas sobre alguns detalhes, pormenores que fazem aumentar a expectativa de milhões de espetadores. Irá Harry utilizar aliança? A pergunta não é desfasada se considerarmos que o irmão William não optou por esse símbolo em 2011.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável