pub
Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

A arte de falar mal

Não vou perder tempo a adjetivar a verborreia de Maria Vieira, quase sempre vertida através das redes sociais e, segundo rumores cada vez mais sólidos, pensada por terceiros.
20 de julho de 2017 às 00:05
...
A arte de falar mal

Falar mal do próximo é atualmente a prática mais comum. O escárnio e o ataque gratuito, seja em relação a um familiar, amigo, ou colega de profissão, já há muito que se conseguiu sobrepor ao elogio e à frontalidade.

São pessoas como a atriz Maria Vieira, uma figura de proa no mundo da representação, que promovem e tornam viral a pandemia.

As gargalhadas que em tempos me provocava, fruto de um talento inquestionável, têm-se gradualmente transformado em tristeza e ao mesmo tempo estupefação, graças à inclemência com que ataca os outros, na maior parte das vezes sustentada em critérios frágeis e desajustados.

Depois de figuras como Ana Bola, Diogo Morgado, Dolores Aveiro, Salvador Sobral, Marcelo Rebelo de Sousa, entre outras, a última vítima da atriz nas redes sociais foi Eduardo Madeira, outro grande nome da ficção e do humor nacionais.

Não vou perder tempo a adjectivar a verborreia de Maria Vieira, quase sempre vertida através das redes sociais e, segundo rumores cada vez mais sólidos, pensada por terceiros.

Fico com a clara sensação de que quando acorda, a sua primeira introspecção começa logo com a seguinte pergunta: De quem vou falar mal hoje? Gostaria de ler, ver e ouvir a Maria Vieira a falar mais de si, dos seus projetos, ao invés, de ficar intoxicado com textos impregnados de veneno.

A vida tem-me ensinado que o maledicente sofre de profunda inferioridade, não suporta o brilho das outras pessoas. Por não ter luz própria, só consegue brilhar roubando a luz dos outros. É tempo de parar Maria Vieira. A sua arte, a arte que a celebrizou, é tudo menos a de falar mal.

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável