pub
Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

A arte de falar mal

Não vou perder tempo a adjetivar a verborreia de Maria Vieira, quase sempre vertida através das redes sociais e, segundo rumores cada vez mais sólidos, pensada por terceiros.
20 de julho de 2017 às 00:05
A arte de falar mal

Falar mal do próximo é atualmente a prática mais comum. O escárnio e o ataque gratuito, seja em relação a um familiar, amigo, ou colega de profissão, já há muito que se conseguiu sobrepor ao elogio e à frontalidade.

São pessoas como a atriz Maria Vieira, uma figura de proa no mundo da representação, que promovem e tornam viral a pandemia.

As gargalhadas que em tempos me provocava, fruto de um talento inquestionável, têm-se gradualmente transformado em tristeza e ao mesmo tempo estupefação, graças à inclemência com que ataca os outros, na maior parte das vezes sustentada em critérios frágeis e desajustados.

Depois de figuras como Ana Bola, Diogo Morgado, Dolores Aveiro, Salvador Sobral, Marcelo Rebelo de Sousa, entre outras, a última vítima da atriz nas redes sociais foi Eduardo Madeira, outro grande nome da ficção e do humor nacionais.

Não vou perder tempo a adjectivar a verborreia de Maria Vieira, quase sempre vertida através das redes sociais e, segundo rumores cada vez mais sólidos, pensada por terceiros.

Fico com a clara sensação de que quando acorda, a sua primeira introspecção começa logo com a seguinte pergunta: De quem vou falar mal hoje? Gostaria de ler, ver e ouvir a Maria Vieira a falar mais de si, dos seus projetos, ao invés, de ficar intoxicado com textos impregnados de veneno.

A vida tem-me ensinado que o maledicente sofre de profunda inferioridade, não suporta o brilho das outras pessoas. Por não ter luz própria, só consegue brilhar roubando a luz dos outros. É tempo de parar Maria Vieira. A sua arte, a arte que a celebrizou, é tudo menos a de falar mal.

Mais notícias de O Tal Canal

Eu tinha vergonha

A SIC promove uma nova novela, convida os jornalistas para o evento e só aparecem cinco actores do elenco. Cheira a falta de compromisso com a estação. Mas na RTP as coisas também não estão melhores: veja-se o caso dos Mundiais de Atletismo.

Ouro mundial sem RTP

Os feitos de Inês Henriques, a melhor do mundo nos 50 quilómetros marcha, e do campeão olímpico Nélson Évora, no triplo salto, não mereceram transmissão na televisão do Estado. Passaram no Eurosport.
O passo certo

O passo certo

Nos meus sonhos a minha casa é sempre igual. Silenciosa, romântica e serena, como o meu coração quando me apaixono. Já lá vão alguns anos desde que tal fatalidade me aconteceu.
Olha a bolinha!

Olha a bolinha!

A televisão, é por estes dias, a última escolha da grande maioria dos portugueses. O cheiro a maresia e a fragrância das estevas tomam conta dos sentidos e conduzem milhares de pessoas à praia.
Medo

Medo

Medo: s.m. Sinónimo de existência, sinónimo de ti. Nasces para sentir medo (é por isso que choras desde o momento em que nasces: temes desde logo o que não dominas) – mas também nasces para o derrotar. Cobarde é só aquele que nunca temeu nada.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável