Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

A 'Herdeira' arrasa 'Paixão'

Ao contratar Gabriela Sobral, a SIC quis clonar o sucesso da ficção da TVI. Só que o original é sempre melhor do que a cópia. A nova produção de Carnaxide é surpreendentemente frágil, e está a ter dificuldades para competir com a concorrência.
29 de setembro de 2017 às 10:03
...
A 'Herdeira' arrasa 'Paixão'

O primeiro episódio de uma novela é sempre uma boa montra de forças e fraquezas do produto. Mais uma vez, assim foi. Com menos de uma semana de diferença, SIC e TVI lançaram as novas apostas da ficção. O resultado é desastroso para Carnaxide. A nova Paixão é surpreendentemente frágil, e tem de levar urgentemente uma volta. Caso contrário, irá agravar as debilidades demonstradas desde o primeiro minuto.

É incrível como, ao fim de tantos anos de aposta da SIC na ficção nacional, a qualidade técnica das produções da TVI continua tão à frente da concorrência. Paixão revela, desde o início, problemas de captação de som e de imagem, dois itens que se julgava resolvidos na produção de telenovelas em Portugal. No que diz respeito à imagem, por exemplo, algumas cenas resultam baças. Quanto ao som, alguns diálogos têm de ser adivinhados pelos espectadores, o que é muito difícil de aceitar hoje em dia. Além da técnica, notam-se, também, problemas na narrativa.

O aparecimento da personagem de Albano Jerónimo na África do Sul, por exemplo, é inconsistente – ninguém terá visto o episódio de estreia antes de ir para o ar? Só o trabalho dos actores fica ao nível da concorrência. Quanto ao resto, mesmo com todos os cortes orçamentais na TVI, de que tem havido variadas notícias, A Herdeira mostra que está noutro patamar. Os exteriores têm uma qualidade muito superior, a fluidez da montagem potencia ao máximo a narrativa e tira o que de melhor os actores têm para dar aos espectadores.

As audiências não enganam: A Herdeira é muito melhor que Paixão. A novela da SIC tem de ser corrigida rapidamente.              

Mais notícias de O Tal Canal

A guerra de Fátima Lopes

A guerra de Fátima Lopes

As entrevistas da apresentadora aos sábados são boas, mas depois falta-lhe tudo o resto. Enquanto reinar este amadorismo na TVI, Daniel Oliveira vai vencendo, à mesma hora, na SIC. Até com aquelas perguntas sonsas.
Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável