Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu Amor

Notícia

A SIC para lá do limite

Há crianças mal comportadas, famílias desestruturadas e uma psicóloga clínica, que se propõe resolver tudo, em frente às câmaras. O resultado é emocionalmente mais violento do que um 'reality show', com 'Supernanny' debaixo de fogo.
19 de janeiro de 2018 às 09:26

Confesso, logo a abrir, por escrúpulo profissional: vi o 'Supernanny' nas gravações, por obrigação que advém da responsabilidade de falar semanalmente com os leitores da 'TV Guia'. Não consegui chegar ao fim do programa. A meio, o meu incómodo era tanto, que desliguei.

Mesmo assim, parece-me pertinente partilhar algumas reflexões. Antes de mais: trata-se de um modelo internacional adquirido pela SIC em 2006, ou seja, há 12 anos. O director de Programas da altura, Francisco Penim, decidiu adiar indefinidamente a produção, e o programa nunca viu a luz do dia. Doze anos depois, foi retomado, e aí está no ar.

Trata-se de colocar Teresa Paula Marques, psicóloga clínica com 25 anos de experiência, a resolver problemas de comportamento de crianças. Na primeira parte, mostra-se a família em acção, para fazer o retrato do problema. Há, depois, o diagnóstico, feito em diálogo entre a 'Supernanny' e os adultos da família. Finalmente, a resolução dos problemas.

No primeiro episódio, a Margarida, de 7 anos, não cumpria as regras básicas, e Teresa Marques interveio. É tudo filmado, inclusive os castigos, a troca de insultos entre criança, família e psicóloga clínica, o choro e a resistência. Em resumo: o dia normal de qualquer processo de educação em família, exposto na TV por vontade, e com autorização, dos adultos.

A violência emocional vai para lá dos reality shows. Não é um formato que altere o perfil da SIC: é susceptível de o destruir. Se ainda houver algum bom senso na empresa, quando os leitores estiverem a ler esta crónica, o formato já terá sido descontinuado. 

Mais notícias de Dicionário do amor

Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.
E depois do Adeus?

E depois do Adeus?

Canal 1 voltou ao patamar anterior assim que acabou a festa. A RTP tratou com competência, mas sem brilho, um dos maiores desafios da sua História: realizar o Eurofestival em Portugal.
Conto de fadas

Conto de fadas

A três dias da boda real são ainda muitas as dúvidas sobre alguns detalhes, pormenores que fazem aumentar a expectativa de milhões de espetadores. Irá Harry utilizar aliança? A pergunta não é desfasada se considerarmos que o irmão William não optou por esse símbolo em 2011.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável