Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu Amor

Notícia

A SIC para lá do limite

Há crianças mal comportadas, famílias desestruturadas e uma psicóloga clínica, que se propõe resolver tudo, em frente às câmaras. O resultado é emocionalmente mais violento do que um 'reality show', com 'Supernanny' debaixo de fogo.
19 de janeiro de 2018 às 09:26

Confesso, logo a abrir, por escrúpulo profissional: vi o 'Supernanny' nas gravações, por obrigação que advém da responsabilidade de falar semanalmente com os leitores da 'TV Guia'. Não consegui chegar ao fim do programa. A meio, o meu incómodo era tanto, que desliguei.

Mesmo assim, parece-me pertinente partilhar algumas reflexões. Antes de mais: trata-se de um modelo internacional adquirido pela SIC em 2006, ou seja, há 12 anos. O director de Programas da altura, Francisco Penim, decidiu adiar indefinidamente a produção, e o programa nunca viu a luz do dia. Doze anos depois, foi retomado, e aí está no ar.

Trata-se de colocar Teresa Paula Marques, psicóloga clínica com 25 anos de experiência, a resolver problemas de comportamento de crianças. Na primeira parte, mostra-se a família em acção, para fazer o retrato do problema. Há, depois, o diagnóstico, feito em diálogo entre a 'Supernanny' e os adultos da família. Finalmente, a resolução dos problemas.

No primeiro episódio, a Margarida, de 7 anos, não cumpria as regras básicas, e Teresa Marques interveio. É tudo filmado, inclusive os castigos, a troca de insultos entre criança, família e psicóloga clínica, o choro e a resistência. Em resumo: o dia normal de qualquer processo de educação em família, exposto na TV por vontade, e com autorização, dos adultos.

A violência emocional vai para lá dos reality shows. Não é um formato que altere o perfil da SIC: é susceptível de o destruir. Se ainda houver algum bom senso na empresa, quando os leitores estiverem a ler esta crónica, o formato já terá sido descontinuado. 

Mais notícias de O Tal Canal

O exemplo de Cláudia Vieira

O exemplo de Cláudia Vieira

A carta de uma fã sobre a humildade da actriz da SIC devia inspirar outros colegas… que fazem um frete para tirar uma ‘selfie’ com aqueles que os ajudam a ser alguém. No Algarve, houve mesmo um que disse: “Se tiver mesmo de ser…” Que vergonha!
Mais fácil

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável