pub
Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como Nós

Notícia

Amigo não empata amigo

O Paulo é fixe, não tem muito jeito para a coisa mas gosta de ver filmes lamechas como eu e não se importa de me passear o cão todas as manhãs. Quem eu não gramo é o palerma do Jorge, que anda sempre pendurado em nós, porque não há gaja que lhe pegue.
27 de outubro de 2017 às 11:10
...
Amigo não empata amigo

O meu namorado cismou que quer levar o melhor amigo de férias para Marrocos. Fiquei furiosa. A última coisa que me apetecia era passar férias com o Júlio, que tem halitose, cabelo de rato e uma barriga que não é normal para um tipo de 32 anos.

O palhaço podia ter arranjado uma namorada pelo menos para os feriados, ou então alugar uma tipa qualquer. Sei que há miúdas que se deixam alugar à semana, ou se os velhos têm muito guito, ao mês, como a Lisete, filha da Gertrudes, aquela gorda do quarto andar frente em Santo António dos Cavaleiros onde moram os meus pais desde que viemos de Angola.

A Gertrudes passa a vida a dizer que ainda somos parentes, que a minha avó Noémia era prima da mãe dela, mas eu acho que é tudo tanga, a velha que é promover-se à conta da minha mãe e passear no Mercedes que o meu pai lhe deu há dois anos quando descobriu que ele andava metido com a secretária da empresa de tintas. Deve ter sido para mostrar que não se estava nas tintas. A minha mãe engoliu a traição com um cabriolet de luxo e nunca mais se falou no assunto.

A Lisete tem um grande corpo, desde miúda que se orienta bem com os gajos que vai conhecendo, deve ter sido a mãe que lhe ensinou uma ou duas coisas. Já eu, que saio ao meu pai e tenho um rabo pequeno, não podia pôr o corpo a render nem que quisesse, porque ninguém quer aviar uma carga de ossos.

Voltando ao assunto que me lixa, o meu namorado que também trabalha nos armazéns espanhóis onde eu vendo cremes anti-rugas a senhoras desocupadas e muito feias convidou-me para ir uma semana a Marrocos. Convidou não é bem assim. Pagamos tudo a meias e às prestações, como somos funcionários dos armazéns, fazem-nos descontos e um crédito fixe, descontam em dez vezes dos ordenados sem tocar no subsídio de férias nem do décimo terceiro.

O Paulo é fixe, não tem muito jeito para a coisa mas gosta de ver filmes lamechas como eu e não se importa de me passear o cão todas as manhãs. Quem eu não gramo é o palerma do Jorge, que anda sempre pendurado em nós, porque não há gaja que lhe pegue.

E o pior é que o Paulo convidou o desocupado do amigo sem me perguntar se eu achava bem ou mal e depois ainda teve a lata de dizer que nem lhe tinha passado pela cabeça que eu me importasse, porque o Jorge era o melhor amigo dele.

"Amigo não empata amigo", respondi-lhe entre dentes, mas depois arrependi-me, não fosse ele chatear-se e responder-me "se não queres vir, não venhas".

É que antes do Paulo já não tinha um namorado decente desde o décimo segundo. Só me calharam na rifa atrasados mentais com jeito para me pedir dinheiro emprestado e ainda mais jeito para nunca me pagar o que deviam.

O Paulo até é porreiro, não me vai ao cartão multibanco nem se mete com as miúdas dos armazéns, o que me chateia é ter de levar com o Jorge nas férias.

Pode ser que quando lá chegarmos, algum tuaregue gay o troque por um bando de camelos e eu me veja livre dele para sempre. Parece que se diz Cáfila a um bando de camelos. É o que penso quando vamos sair à noite a andamos de bar em bar na Rua Cor de Rosa do Cais do Sodré. A única diferença é que os camelos em Lisboa bebem cerveja, como o Jorge.

 

Mais notícias de Piquete de Polícia

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.
Ódio

Ódio

Ódio: s.m. Aquilo que sentem os que nada sentem; nunca alguém apaixonado odiou alguém.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável