Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

ANO NOVO!

Que 2018 nos traga mais paz, sabedoria e conforto. É o que lhe desejo, caro leitor, neste tempo de renovação da esperança.
07 de janeiro de 2018 às 08:01

Virar a página de cada ano, possui uma carga simbólica de tal modo intensa, que se festeja a aparência do renovar da Vida. Passadas as festas, tudo volta à simplicidade dos dias, às rotinas quotidianas, o regresso à mesma labuta e aos mesmos quotidianos. Por maiores e mais exuberantes que sejam os votos que se cruzam, os êxitos que desejamos para nós e para os amigos, as felicidades repetidas em milhões de sms’s e de postais, o tempo devolve-nos com alguma crueza a realidade sem enfeites, nem prendas. E o País continua, inexorável, com as mesmas dificuldades e desafios para vencer.

O Presidente da República pediu-nos, particularmente a quem nos governa, a reinvenção de Portugal. Confesso que não percebi como imagina que se reinvente um País onde são tão frágeis os sinais de coesão, onde o Estado é, ainda, mais frágil que os cidadãos. Compreendo a nobreza do pedido, temos que não tenha eco nas práticas de 2018. Ninguém sabe como se reinventa o combate ao flagelo dos incêndios quando as estruturas são as mesmas, os homens são os mesmos, o sentido de responsabilidade é o mesmo. Não sei como se reinventa uma Justiça célere, um sentimento de segurança mais forte com os mesmos tribunais encharcados de processos, com as mesmas polícias escassas de homens e sem dinheiro para reparar carros, para investir em meios, inventando em 2018 como o fazia em 2017, verdadeiros fazedores de milagres. Não sei como se reinventará a reinserção de reclusos com cadeias atulhadas, sem horizonte no que respeita à integração futura dos reclusos de hoje.

Não sei como tudo isto se fará quando as cabeças que nos governam hoje, pensam como pensavam o ano passado, há dois, dez anos, presos ao vínculo premente de não perder o poder em vez de o usar para a grande reinvenção que Portugal precisa há décadas. Mas gostava de saber. Por isso, transportando este pessimismo impenitente, que faça um esforço para acreditar que é possível. Que 2018 nos traga mais paz, sabedoria e conforto. É o que lhe desejo, caro leitor, neste tempo de renovação da esperança. Feliz 2018.

Mais notícias de O Tal Canal

O exemplo de Cláudia Vieira

O exemplo de Cláudia Vieira

A carta de uma fã sobre a humildade da actriz da SIC devia inspirar outros colegas… que fazem um frete para tirar uma ‘selfie’ com aqueles que os ajudam a ser alguém. No Algarve, houve mesmo um que disse: “Se tiver mesmo de ser…” Que vergonha!
Mais fácil

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável