Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TELEVISÃO MEU AMOR

Notícia

As férias são uma arma

O primeiro-ministro foi de férias em plena crise emocional do País, numa altura em que se discutia o que falhou e quem são os responsáveis pela tragédia de Pedrógão e pelo assalto em Tancos
14 de julho de 2017 às 17:08

O poder e a televisão estão ligados. Qualquer líder político precisa de aparecer para impor a sua imagem. O ecrã dá-lhe palco para assegurar a prevalência dos seus argumentos. A televisão é condição essencial para o exercício da governação democrática. É isto que transforma num caso de estudo as férias de António Costa.

O chefe de Governo retirou-se de cena na semana passada, numa altura em que a crise emocional dos portugueses atingia o cúmulo, em virtude da tragédia de Pedrógão Grande e da falência do Estado, indiciada pelo furto de material militar na base de Tancos. A ausência súbita do primeiro-ministro configura um erro comunicacional gravíssimo. Será mesmo? Vejamos: tal como a política, a televisão tem horror ao vazio. O resultado da ausência de António Costa foi o triunfo momentâneo do caos e do ruído no espaço público do debate democrático. Multiplicaram-se os discursos, as acusações, os argumentos.

A cacofonia triunfou e a cacofonia é o ambiente ideal para a culpa morrer solteira, porque impede a atribuição racional de responsabilidades. As férias do primeiro-ministro desfocaram tudo. Subitamente, a polémica foi elevada à categoria de espectáculo de mau gosto, com as sucessivas trocas de acusações, as audições à porta fechada, as visitas aos locais destruídos, as pífias imagens do início do fogo prometidas, sem sentido, pela RTP, no Sexta às 9. Uma tragédia com uma dimensão humana gravíssima fulanizou-se em redor das férias de Costa. Desaparecer para confundir, e assim reinar. Seria essa a estratégia? E será que resultou?            

Mais notícias de O tal canal

Obviamente, demitam-no

Se Nuno Artur Silva está agarrado à cadeira do poder, alguém que mande a sério na RTP ponha este administrador na rua. Estamos fartos de negócios pouco transparentes.

A SIC para lá do limite

Há crianças mal comportadas, famílias desestruturadas e uma psicóloga clínica, que se propõe resolver tudo, em frente às câmaras. O resultado é emocionalmente mais violento do que um 'reality show', com 'Supernanny' debaixo de fogo.
O Grito

O Grito

É sabido que o Romantismo foi um movimento cultural que só contribuiu para atrasar o mundo. Todo o herói romântico sofre muito, seja de solidão, de desamor ou de doença. E sofre porque se entrega à sua desgraça de quem, podendo escolher entre vários destinos, se atira de cabeça para o pior de todos, como quem se atira para uma piscina vazia quando se apaixona pela pessoa errada.
Omissão

Omissão

Omissão: s.f. Acto de fugir ao que nos causa problemas; o mesmo que cobardia.

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
O fim de Júlia Pinheiro

O fim de Júlia Pinheiro

Perde sempre como apresentadora e está perdida como directora. "O Goucha vai dar-nos uma sova tremenda", diz, com um "grande sorriso". Assim vai a SIC: de mal a pior.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável