Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
14 de janeiro de 2018 às 17:39

Conforme se vão conhecendo os factos sobre crianças adoptadas em circunstâncias que, tudo indica, foram arrepio da lei portuguesa, mais sórdido se torna o caso e maior é a repugnância pelos mecanismos de poder da auto-intitulada Igreja Universal do Reino de Deus. Notícias que revelam uma rede de tráfico de crianças baseada na mentira e na ausência de escrúpulos, explorando a fragilidade de pais e mães crentes no absurdo miraculoso da instituição.

Provoca repulsa. Porém, esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse com a complacência, para não dizer corrupção, do próprio Estado.

A maioria dos crimes, que agora têm sido divulgados, estão prescritos. Isto é, já não é possível perseguir criminalmente quem, à data, abusou do seu poder para entregar crianças, sabe-se lá a troco de quê, à IURD. Porém, é preciso que se saiba quem foi. Se ainda está em funções. Se continua a gerir crianças em risco e quais os critérios que tem tomado para que, em primeiro lugar, estejam os superiores interesses do menor adoptado.

É preciso que se saiba até onde chegou o desleixo, a ausência de critério, a prática de eventuais crimes. E, sobretudo, é preciso que se saiba se, ainda hoje, esses funcionários, ocupam posições decisórias no que respeita à gestão de crianças em crise familiar.

Em segundo lugar, é urgente que se investiguem as práticas, os processos, as finalidades empresariais da IURD. A lei da Liberdade Religiosa é muito permissiva em relação aos vários credos, com isenções de fiscalização, nomeadamente tributária, que não se aplicam ao comum das empresas e instituições. Mas não pode existir tal lei de forma a admitir, ou permitir, a prática de crimes.  Investigue-se. Já chega de crimes cometidos em nome de Deus.

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável