Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
14 de janeiro de 2018 às 17:39

Conforme se vão conhecendo os factos sobre crianças adoptadas em circunstâncias que, tudo indica, foram arrepio da lei portuguesa, mais sórdido se torna o caso e maior é a repugnância pelos mecanismos de poder da auto-intitulada Igreja Universal do Reino de Deus. Notícias que revelam uma rede de tráfico de crianças baseada na mentira e na ausência de escrúpulos, explorando a fragilidade de pais e mães crentes no absurdo miraculoso da instituição.

Provoca repulsa. Porém, esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse com a complacência, para não dizer corrupção, do próprio Estado.

A maioria dos crimes, que agora têm sido divulgados, estão prescritos. Isto é, já não é possível perseguir criminalmente quem, à data, abusou do seu poder para entregar crianças, sabe-se lá a troco de quê, à IURD. Porém, é preciso que se saiba quem foi. Se ainda está em funções. Se continua a gerir crianças em risco e quais os critérios que tem tomado para que, em primeiro lugar, estejam os superiores interesses do menor adoptado.

É preciso que se saiba até onde chegou o desleixo, a ausência de critério, a prática de eventuais crimes. E, sobretudo, é preciso que se saiba se, ainda hoje, esses funcionários, ocupam posições decisórias no que respeita à gestão de crianças em crise familiar.

Em segundo lugar, é urgente que se investiguem as práticas, os processos, as finalidades empresariais da IURD. A lei da Liberdade Religiosa é muito permissiva em relação aos vários credos, com isenções de fiscalização, nomeadamente tributária, que não se aplicam ao comum das empresas e instituições. Mas não pode existir tal lei de forma a admitir, ou permitir, a prática de crimes.  Investigue-se. Já chega de crimes cometidos em nome de Deus.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Mais fácil

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.
Chegar ao Céu

Chegar ao Céu

Traição é traição, e o que mais me irrita é que foi ele que me conquistou, andou anos atrás de mim e quando lhe dei dois filhos lindo e criei as minhas enteadas como se fossem do meu sangue, descobri que afinal não era completamente certo.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável