Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Crime público

A violência doméstica sofrida por Bárbara Guimarães é muito mais do que um assunto da vida privada de uma figura pública. É um ato hediondo que deve ser denunciado, noticiado sem eufemismos ou pudores de qualquer espécie.
03 de novembro de 2017 às 21:05
...
Crime público

O desfecho do primeiro processo movido contra Manuel Maria Carrilho por violência doméstica- no qual apenas foram julgados acontecimentos posteriores ao divórcio-acabou por ter o desfecho que há muito presumia.

O ex-ministro da cultura foi condenado a quatro anos e meio de prisão, com pena suspensa. Muito pouco, na minha singela opinião, para quem sempre disse que nunca agrediu a ex-mulher; para quem expôs na imprensa detalhes da vida privada de Bárbara Guimarães e demonstrou total indiferença pela integridade física e psicológica dos filhos.

Resta saber qual será o veredicto da justiça em relação a um segundo processo que está a decorrer e que diz respeito a factos ocorridos durante o casamento. Acompanhei de perto todo este caso e congratulo-me com o facto de a CMTV e o Correio da Manhã, ao contrário de outros órgãos de comunicação social, nunca terem virado a cara a um crime público.

A violência doméstica sofrida por Bárbara Guimarães é muito mais do que apenas um assunto da vida privada de uma figura pública. É um ato hediondo que deve ser denunciado, noticiado sem eufemismos ou pudores de qualquer espécie. Tapar os olhos, não escrever ou falar sobre o assunto é pactuar, mesmo que de forma indireta, com selvajaria no seu estado mais puro.

Ao longo de 3 anos, ouvi, incrédulo, colegas de profissão a afirmar que este tipo de notícias não cabem em jornais ou televisões de referência. Então para que servem esses mesmos jornais e televisões de referência, que estiveram "mudos" desde o final de 2013 até agora? É impossível entender, quanto mais perdoar, um homem que utiliza a força para subjugar e diminuir uma mulher. É impensável ficar em silêncio perante um crime.

Mais notícias de Dicionário do amor

Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.
Redoma

Redoma

Redoma: s.f.: Único espaço do mundo que, apesar de exíguo, é infinito. Somos do tamanho do que conseguimos suportar, e mais ainda do tamanho do que conseguimos superar.
A RTP ganhou o mundial

A RTP ganhou o mundial

O mês forte da competição na Rússia trouxe grandes subidas para o canal 1, e dificuldades crescentes para a SIC, que ajudou a televisão do Estado a pagar o torneio, mas pouco ou nada beneficiou com ele
És tu e tu e tu

És tu e tu e tu

Quando alguém desiste de nós, não vale a pena correr atrás, fazer piruetas, acenar com um isco, não vale a pena fazer nada a não ser aceitar e esperar. Aceitar sem culpa, esperar sem expectativas. E depois, é deixar a vida correr, ficar atento aos sinais, descansar o corpo e o coração, respeitar o luto e o pousio, até a vida dar a volta à vida.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável