pub
Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Crime público

A violência doméstica sofrida por Bárbara Guimarães é muito mais do que um assunto da vida privada de uma figura pública. É um ato hediondo que deve ser denunciado, noticiado sem eufemismos ou pudores de qualquer espécie.
03 de novembro de 2017 às 21:05
...
Crime público

O desfecho do primeiro processo movido contra Manuel Maria Carrilho por violência doméstica- no qual apenas foram julgados acontecimentos posteriores ao divórcio-acabou por ter o desfecho que há muito presumia.

O ex-ministro da cultura foi condenado a quatro anos e meio de prisão, com pena suspensa. Muito pouco, na minha singela opinião, para quem sempre disse que nunca agrediu a ex-mulher; para quem expôs na imprensa detalhes da vida privada de Bárbara Guimarães e demonstrou total indiferença pela integridade física e psicológica dos filhos.

Resta saber qual será o veredicto da justiça em relação a um segundo processo que está a decorrer e que diz respeito a factos ocorridos durante o casamento. Acompanhei de perto todo este caso e congratulo-me com o facto de a CMTV e o Correio da Manhã, ao contrário de outros órgãos de comunicação social, nunca terem virado a cara a um crime público.

A violência doméstica sofrida por Bárbara Guimarães é muito mais do que apenas um assunto da vida privada de uma figura pública. É um ato hediondo que deve ser denunciado, noticiado sem eufemismos ou pudores de qualquer espécie. Tapar os olhos, não escrever ou falar sobre o assunto é pactuar, mesmo que de forma indireta, com selvajaria no seu estado mais puro.

Ao longo de 3 anos, ouvi, incrédulo, colegas de profissão a afirmar que este tipo de notícias não cabem em jornais ou televisões de referência. Então para que servem esses mesmos jornais e televisões de referência, que estiveram "mudos" desde o final de 2013 até agora? É impossível entender, quanto mais perdoar, um homem que utiliza a força para subjugar e diminuir uma mulher. É impensável ficar em silêncio perante um crime.

Mais notícias de Dicionário do Amor

Oco

Oco

Oco: adj. Aquele que, apesar de estar cheio de si, está irremediavelmente vazio.

Crimes e carreiras

Nenhum Inspector tem a seu cargo uma só investigação e são raras as vezes, no quadro de centenas de milhares de processos, em que se formam equipas dedicadas exclusivamente a um determinado crime, ou sequência de crimes.

Mais um desastre

A grande aposta do entretenimento da TVI para a rentrée, ‘Biggest Deal’, acabou de um dia para o outro. Fez-se um comunicado, com algumas inverdades, e siga para a frente. Assim vai a estação líder…
O fim de uma era na TVI

O fim de uma era na TVI

É o maior fracasso na carreira de Teresa Guilherme como apresentadora, mas é também sintoma da actual fragilidade da estação, que desiste de um formato original sem lutar por ele.
Miss Kevlar

Miss Kevlar

Eu e a minha imaginação galopante. Às vezes penso que tenho uma fábrica de ideias dentro da cabeça que funciona 365 dias por ano e nunca desliga. Coração blindado. Quem me dera ter ouvido isto há uns anos, talvez o meu coração estivesse menos amolgado.
Sorrir. Sempre!

Sorrir. Sempre!

"Devemos sorrir sempre! Até para as pessoas que não conhecemos e com as quais nos cruzamos na rua", dizia Fátima Lopes amiudadas vezes.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável