Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Crimes e clubes

Os mails, os vouchers, a compra de árbitros, as cartilhas, a linguagem de rufia de alguns dos intervenientes, a fadistice vadia que cruza esta miserável barafunda só tem um objectivo: mobilizar argumentos para justificar as derrotas.
04 de fevereiro de 2018 às 08:00

As notícias de supostos escândalos em torno do futebol começam a ser tão exagerados, tão empolados pelos séquitos de comentadores ao serviço dos vários clubes, com argumentações que nada têm a ver com a causa criminal mas com a natureza do carácter de cada protagonista, tornou-se num ruído tão insuportável que, era capaz de jurar, tudo vai acabar no fundo de um armário com arquivamento de queixas. Os emails, os vouchers, a compra de árbitros, as cartilhas, a linguagem de rufia de alguns dos intervenientes, a fadistice vadia que cruza esta miserável barafunda só terá um objectivo: mobilizar argumentos para justificar derrotas desportivas.

O que daqui sai é obsceno. E a obscenidade não é produtora de Justiça. O que daqui sai, desta gritaria própria de batalhas medievais, é o descrédito do próprio futebol. O que daqui sai é a crescente falta de interesse no jogo jogado, naquele onde vale a pena ver estrelas a brilhar, para se perderem as energias com planetas sem importância no sistema desportivo.

Já com pouca paciência para ler ou escutar notícias sobre as colossais vigarices realizadas por estes, por aqueles, pelos outros, julgo que é capaz de ter chegado o momento das próprias instituições judiciais se afastarem deste lupanar onde fervilha a mentira, a intriga, o ciúme, o despeito e onde os factos que surgem como eventuais crimes não são sustentados em prova e os poucos que parecem tê-la não passam de bagatelas penais.

Não encontro javardice igual nos jornais e televisões de outros países europeus, onde as figuras centrais são, de um modo geral, atletas, jogadores e as suas qualidades, que decidem campeonatos e taças pela qualidade desportiva. Aqui, parece que tudo se joga no terreno de quem é que enviou mais mails ou de quem insultou mais e melhor o adversário. Enoja!

O futebol é coisa bem diferente, jogo bonito!, do qual nos vamos esquecendo, enquanto se chafurda neste pântano malcheiroso.

Mais notícias de O Tal Canal

O exemplo de Cláudia Vieira

O exemplo de Cláudia Vieira

A carta de uma fã sobre a humildade da actriz da SIC devia inspirar outros colegas… que fazem um frete para tirar uma ‘selfie’ com aqueles que os ajudam a ser alguém. No Algarve, houve mesmo um que disse: “Se tiver mesmo de ser…” Que vergonha!
Mais fácil

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável