Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

Crise? Qual Crise?

É barato e dá milhões: 'Não Há Crise!' é a solução da SIC para domingo à noite durante o mês de Agosto, e lidera o horário. E depois do Verão, será que desta vez se mantém?
11 de agosto de 2017 às 16:42

Na decisiva batalha de domingo à noite, o mês de Agosto é um desafio acrescido. Por um lado, há muito menos gente a ver televisão: domingo passado, por exemplo, o programa mais visto do dia teve apenas, em média, 890 mil espectadores. Além de as audiências serem mais baixas, o consumo do cabo dispara.

No dia referido, os canais FTA, ou seja, de acesso livre (RTP1, RTP2, SIC e TVI) representaram apenas 46,4% do consumo televisivo, quando a média anual é de 53,9%. Ou seja: fruto, sobretudo, das férias, e das consequentes deslocações da população, Agosto tem menos portugueses agarrados à televisão, e o consumo atinge o nível máximo de dispersão e fragmentação.

É neste contexto que volta a surgir o programa 'Não Há Crise!' nos serões da SIC. Este ano, baseia-se sobretudo em apanhados comprados por atacado no mercado internacional, a custo muito baixo, entrecortados por pivôs gravados num estúdio com croma simples. Os resultados são bons: a SIC lidera um horário onde, ao longo do ano, lançou formatos bem mais caros, como 'Agarra a Música', 'Just Duet' ou 'Best Bakery'. Todos sem qualquer hipótese.

Ora, acabado o Verão, os programas de apanhados resistiriam em horário nobre? A ideologia predominante nas televisões generalistas defende que se trata de formatos sem dignididade para o resto do ano. Bem sei que são baratos demais para manterem a exigência orçamental, digamos assim, mas, na verdade, com um custo tão baixo e uma produção tão simples, será que não se justifica o sacrifício da tal "ideologia predominante"?

Mais notícias de Dicionário do amor

Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.
Redoma

Redoma

Redoma: s.f.: Único espaço do mundo que, apesar de exíguo, é infinito. Somos do tamanho do que conseguimos suportar, e mais ainda do tamanho do que conseguimos superar.
A RTP ganhou o mundial

A RTP ganhou o mundial

O mês forte da competição na Rússia trouxe grandes subidas para o canal 1, e dificuldades crescentes para a SIC, que ajudou a televisão do Estado a pagar o torneio, mas pouco ou nada beneficiou com ele
És tu e tu e tu

És tu e tu e tu

Quando alguém desiste de nós, não vale a pena correr atrás, fazer piruetas, acenar com um isco, não vale a pena fazer nada a não ser aceitar e esperar. Aceitar sem culpa, esperar sem expectativas. E depois, é deixar a vida correr, ficar atento aos sinais, descansar o corpo e o coração, respeitar o luto e o pousio, até a vida dar a volta à vida.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável