pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

Crise? Qual Crise?

É barato e dá milhões: 'Não Há Crise!' é a solução da SIC para domingo à noite durante o mês de Agosto, e lidera o horário. E depois do Verão, será que desta vez se mantém?
11 de agosto de 2017 às 16:42

Na decisiva batalha de domingo à noite, o mês de Agosto é um desafio acrescido. Por um lado, há muito menos gente a ver televisão: domingo passado, por exemplo, o programa mais visto do dia teve apenas, em média, 890 mil espectadores. Além de as audiências serem mais baixas, o consumo do cabo dispara.

No dia referido, os canais FTA, ou seja, de acesso livre (RTP1, RTP2, SIC e TVI) representaram apenas 46,4% do consumo televisivo, quando a média anual é de 53,9%. Ou seja: fruto, sobretudo, das férias, e das consequentes deslocações da população, Agosto tem menos portugueses agarrados à televisão, e o consumo atinge o nível máximo de dispersão e fragmentação.

É neste contexto que volta a surgir o programa 'Não Há Crise!' nos serões da SIC. Este ano, baseia-se sobretudo em apanhados comprados por atacado no mercado internacional, a custo muito baixo, entrecortados por pivôs gravados num estúdio com croma simples. Os resultados são bons: a SIC lidera um horário onde, ao longo do ano, lançou formatos bem mais caros, como 'Agarra a Música', 'Just Duet' ou 'Best Bakery'. Todos sem qualquer hipótese.

Ora, acabado o Verão, os programas de apanhados resistiriam em horário nobre? A ideologia predominante nas televisões generalistas defende que se trata de formatos sem dignididade para o resto do ano. Bem sei que são baratos demais para manterem a exigência orçamental, digamos assim, mas, na verdade, com um custo tão baixo e uma produção tão simples, será que não se justifica o sacrifício da tal "ideologia predominante"?

Mais notícias de Piquete de Polícia

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.
Ódio

Ódio

Ódio: s.m. Aquilo que sentem os que nada sentem; nunca alguém apaixonado odiou alguém.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável