pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

Crise? Qual Crise?

É barato e dá milhões: 'Não Há Crise!' é a solução da SIC para domingo à noite durante o mês de Agosto, e lidera o horário. E depois do Verão, será que desta vez se mantém?
11 de agosto de 2017 às 16:42

Na decisiva batalha de domingo à noite, o mês de Agosto é um desafio acrescido. Por um lado, há muito menos gente a ver televisão: domingo passado, por exemplo, o programa mais visto do dia teve apenas, em média, 890 mil espectadores. Além de as audiências serem mais baixas, o consumo do cabo dispara.

No dia referido, os canais FTA, ou seja, de acesso livre (RTP1, RTP2, SIC e TVI) representaram apenas 46,4% do consumo televisivo, quando a média anual é de 53,9%. Ou seja: fruto, sobretudo, das férias, e das consequentes deslocações da população, Agosto tem menos portugueses agarrados à televisão, e o consumo atinge o nível máximo de dispersão e fragmentação.

É neste contexto que volta a surgir o programa 'Não Há Crise!' nos serões da SIC. Este ano, baseia-se sobretudo em apanhados comprados por atacado no mercado internacional, a custo muito baixo, entrecortados por pivôs gravados num estúdio com croma simples. Os resultados são bons: a SIC lidera um horário onde, ao longo do ano, lançou formatos bem mais caros, como 'Agarra a Música', 'Just Duet' ou 'Best Bakery'. Todos sem qualquer hipótese.

Ora, acabado o Verão, os programas de apanhados resistiriam em horário nobre? A ideologia predominante nas televisões generalistas defende que se trata de formatos sem dignididade para o resto do ano. Bem sei que são baratos demais para manterem a exigência orçamental, digamos assim, mas, na verdade, com um custo tão baixo e uma produção tão simples, será que não se justifica o sacrifício da tal "ideologia predominante"?

Mais notícias de O Tal Canal

Eu tinha vergonha

A SIC promove uma nova novela, convida os jornalistas para o evento e só aparecem cinco actores do elenco. Cheira a falta de compromisso com a estação. Mas na RTP as coisas também não estão melhores: veja-se o caso dos Mundiais de Atletismo.

Ouro mundial sem RTP

Os feitos de Inês Henriques, a melhor do mundo nos 50 quilómetros marcha, e do campeão olímpico Nélson Évora, no triplo salto, não mereceram transmissão na televisão do Estado. Passaram no Eurosport.
O passo certo

O passo certo

Nos meus sonhos a minha casa é sempre igual. Silenciosa, romântica e serena, como o meu coração quando me apaixono. Já lá vão alguns anos desde que tal fatalidade me aconteceu.
Olha a bolinha!

Olha a bolinha!

A televisão, é por estes dias, a última escolha da grande maioria dos portugueses. O cheiro a maresia e a fragrância das estevas tomam conta dos sentidos e conduzem milhares de pessoas à praia.
Medo

Medo

Medo: s.m. Sinónimo de existência, sinónimo de ti. Nasces para sentir medo (é por isso que choras desde o momento em que nasces: temes desde logo o que não dominas) – mas também nasces para o derrotar. Cobarde é só aquele que nunca temeu nada.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável