pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TELEVISÃO MEU AMOR

Notícia

Em defesa de Salvador

O vencedor da Eurovisão foi obrigado a pedir desculpa pela frase infeliz no Meo Arena, mas isso não apaga as qualidades, nem os defeitos, que conquistaram o coração dos portugueses
10 de julho de 2017 às 10:19

A seguir à estrondosa vitória no Festival da Eurovisão, sublinhei aqui o quão refrescante é termos uma estrela que "foge aos cânones actuais", isto é, ao comportamento prevalecente hoje em dia entre todos os que acedem ao espaço público. Salvador Sobral não suporta selfies nem redes sociais, despreza os bons sentimentos de circunstância e o politicamente correcto.

Ao anunciar, frente a um Meo Arena completamente cheio, que ia fazer experimentalismo artístico, digamos assim, com as suas manifestações orgânicas, o cantor não quis gozar com ninguém, muito menos menosprezar o público ali reunido por um genuíno impulso de solidariedade. O problema foi outro: Salvador não compreende o aplauso antes da arte, porque não partilha o conceito da cultura-espectáculo, no qual a imagem se sobrepõe e antecede qualquer conteúdo. É assim Salvador Sobral. Foi assim que triunfou na Europa, depois de ter perdido a primeira televotação popular entre nós – convém termos este facto sempre bem presente, para compreendermos o fenómeno na sua globalidade.

Todos os elementos da cadeia de valor que rodeia o cantor devem tomar boa nota do seguinte: foi este Salvador Sobral que triunfou. Não foi "outro", porque não existe "outro". Querer transformar Salvador Sobral numa estrela igual a todas as outras será a forma mais rápida de destruir o fenómeno e cortar o laço que se estabeleceu com os portugueses, sempre dispostos a dar-lhe o benefício da dúvida e a avaliar as canções novas que queira apresentar. Eis, em suma, a pergunta-chave: pode alguém ser quem não é?

Mais notícias de Ana Gonçalves

Mar

Mar

Mar: s.m. Sinónimo perfeito de equilíbrio – e sinónimo perfeito de desequilíbrio; somos no interior da vida a areia no interior do mar: sabemos tão pouco de para onde vamos, e mesmo assim vamos, enrolados uns nos outros se pudermos, e soubermos, até que algum silêncio nos desassossegue do susto. Mas antes um navio afundado do que um que está sempre estacionado.

Humilhação

Não Há Crise, a nova aposta da SIC para os domingos à noite, prendeu mais 300 mil espectadores em relação à final de Just Duet. Confirma-se: João Manzarra é um erro de casting.

Rumo ao Canal-Selecção

Segredos, bastidores e intimidades, numa espécie de Big Brother do futebol: desta vez, o programa com imagens inéditas da equipa portuguesa foi produzido pela própria Federação.
O rapaz da lancheira

O rapaz da lancheira

Todas as grandes histórias de amor passam por um banco de jardim, desde a paixão dos meus pais até ao 'Notting Hill'. Há sempre um rapaz tímido, uma rapariga decidida, há sempre confidências e sorrisos, abraços adiados e beijos desejados.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável