pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TELEVISÃO MEU AMOR

Notícia

Em defesa de Salvador

O vencedor da Eurovisão foi obrigado a pedir desculpa pela frase infeliz no Meo Arena, mas isso não apaga as qualidades, nem os defeitos, que conquistaram o coração dos portugueses
10 de julho de 2017 às 10:19

A seguir à estrondosa vitória no Festival da Eurovisão, sublinhei aqui o quão refrescante é termos uma estrela que "foge aos cânones actuais", isto é, ao comportamento prevalecente hoje em dia entre todos os que acedem ao espaço público. Salvador Sobral não suporta selfies nem redes sociais, despreza os bons sentimentos de circunstância e o politicamente correcto.

Ao anunciar, frente a um Meo Arena completamente cheio, que ia fazer experimentalismo artístico, digamos assim, com as suas manifestações orgânicas, o cantor não quis gozar com ninguém, muito menos menosprezar o público ali reunido por um genuíno impulso de solidariedade. O problema foi outro: Salvador não compreende o aplauso antes da arte, porque não partilha o conceito da cultura-espectáculo, no qual a imagem se sobrepõe e antecede qualquer conteúdo. É assim Salvador Sobral. Foi assim que triunfou na Europa, depois de ter perdido a primeira televotação popular entre nós – convém termos este facto sempre bem presente, para compreendermos o fenómeno na sua globalidade.

Todos os elementos da cadeia de valor que rodeia o cantor devem tomar boa nota do seguinte: foi este Salvador Sobral que triunfou. Não foi "outro", porque não existe "outro". Querer transformar Salvador Sobral numa estrela igual a todas as outras será a forma mais rápida de destruir o fenómeno e cortar o laço que se estabeleceu com os portugueses, sempre dispostos a dar-lhe o benefício da dúvida e a avaliar as canções novas que queira apresentar. Eis, em suma, a pergunta-chave: pode alguém ser quem não é?

Mais notícias de Dicionário do amor

Nação

Nação

Nação: s.f. Mentira usada para justificar o injustificável; nenhum território vale uma morte – há muito que estava mortinho por to dizer.

A Menina Desaparecida

Em França, os pais desesperados até contrataram um bruxo para ajudar na procura. Não merecem censura.

O mundo da magia

'Impossível' é um formato original de Luís de Matos, é emitido em directo das instalações da empresa do mágico, em Ansião, e aparece como um objecto estranho na grelha da RTP1.
Cães, gatos e alicates

Cães, gatos e alicates

Umas das últimas coisas que aprendemos na vida é a dizer não. Não quero que me ignores. Não quero que te atrases. Não quero que me respondas torto. Não quero que tenhas medo de mim. Não quero que peças aquilo que não te peço dar. Não quero ver-te hoje e não quero ter de te dizer porquê.
Bendita TV por cabo!

Bendita TV por cabo!

Já há muito que deixei de fazer parte do séquito que continua a assistir resignado aos conteúdos oferecidos pelos canais generalistas. A RTP, a SIC e a TVI perderam a magia, a capacidade de surpreender.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável