Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Exame ao Morto

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança.
01 de fevereiro de 2018 às 21:29

Para se perceber como a Justiça não é só cega, surda e muda, esta semana ficámos a saber que também é a burocrata sem miolos que manda fazer porque manda a burocracia que se mande fazer, sem olhar para o lado, sem olhar para a vida e corre para lá dos estreitos corredores das decisões cinzentas e, como é o caso que vamos relatar, com dimensões sórdidas.

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança. Nada de anormal até aqui. Em questões de partilhas herdadas é vulgar a contenda entre herdeiros que, vulgarmente, terminam em tribunal.

O problema é que o pedido em causa dizia respeito a um homem que tinha morrido. Dir-se-á que o tribunal não sabia. O problema é que sabia, e a serem verdade as notícias que vieram a público, no ofício onde é solicitado  o exame até se identifica o número da campa onde ele está sepultado.

Quero admitir, para bem da nossa própria sanidade mental, minha e dos leitores, que tudo não passa de um erro de português, de um pedido mal escrito, onde, talvez, aquilo que o magistrado procurasse no hospital fosse a história clínica do falecido no que respeitava ao tratamento, ou conhecimento, de que sofria de qualquer distúrbio mental.

Lanço a dúvida de propósito. Porque a não ser assim, é assustador pensar que alguém possa ser tão ignorante, tão manifestamente estúpido que acredita poder fazer um exame clínico mental a um cadáver. Porque o problema não é o morto. Somos nós. Já imaginou ter uma acção em tribunal que pode ser julgada por um estafermo desta envergadura? Foi um lapso. Só pode ser um lapso. É a minha fé, a minha convicção. Bom, eu quero que seja um lapso. E se não for?

Mais notícias de Dicionário do amor

Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.
E depois do Adeus?

E depois do Adeus?

Canal 1 voltou ao patamar anterior assim que acabou a festa. A RTP tratou com competência, mas sem brilho, um dos maiores desafios da sua História: realizar o Eurofestival em Portugal.
Conto de fadas

Conto de fadas

A três dias da boda real são ainda muitas as dúvidas sobre alguns detalhes, pormenores que fazem aumentar a expectativa de milhões de espetadores. Irá Harry utilizar aliança? A pergunta não é desfasada se considerarmos que o irmão William não optou por esse símbolo em 2011.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável