Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Exame ao Morto

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança.
01 de fevereiro de 2018 às 21:29

Para se perceber como a Justiça não é só cega, surda e muda, esta semana ficámos a saber que também é a burocrata sem miolos que manda fazer porque manda a burocracia que se mande fazer, sem olhar para o lado, sem olhar para a vida e corre para lá dos estreitos corredores das decisões cinzentas e, como é o caso que vamos relatar, com dimensões sórdidas.

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança. Nada de anormal até aqui. Em questões de partilhas herdadas é vulgar a contenda entre herdeiros que, vulgarmente, terminam em tribunal.

O problema é que o pedido em causa dizia respeito a um homem que tinha morrido. Dir-se-á que o tribunal não sabia. O problema é que sabia, e a serem verdade as notícias que vieram a público, no ofício onde é solicitado  o exame até se identifica o número da campa onde ele está sepultado.

Quero admitir, para bem da nossa própria sanidade mental, minha e dos leitores, que tudo não passa de um erro de português, de um pedido mal escrito, onde, talvez, aquilo que o magistrado procurasse no hospital fosse a história clínica do falecido no que respeitava ao tratamento, ou conhecimento, de que sofria de qualquer distúrbio mental.

Lanço a dúvida de propósito. Porque a não ser assim, é assustador pensar que alguém possa ser tão ignorante, tão manifestamente estúpido que acredita poder fazer um exame clínico mental a um cadáver. Porque o problema não é o morto. Somos nós. Já imaginou ter uma acção em tribunal que pode ser julgada por um estafermo desta envergadura? Foi um lapso. Só pode ser um lapso. É a minha fé, a minha convicção. Bom, eu quero que seja um lapso. E se não for?

Mais notícias de Piquete de Polícia

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Temporal

Quem passou por esta semana com tanta investigação, tanta discussão sobre julgamentos, justiça, poderosos e tantos donos disto tudo, fica com a ideia de uma País a saque.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável