Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Exame ao Morto

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança.
01 de fevereiro de 2018 às 21:29

Para se perceber como a Justiça não é só cega, surda e muda, esta semana ficámos a saber que também é a burocrata sem miolos que manda fazer porque manda a burocracia que se mande fazer, sem olhar para o lado, sem olhar para a vida e corre para lá dos estreitos corredores das decisões cinzentas e, como é o caso que vamos relatar, com dimensões sórdidas.

A propósito de uma acção judicial interposta por causa de uma herança, um magistrado do Tribunal de Beja pediu ao hospital da mesma cidade que procedesse ao exame psiquiátrico do indivíduo que cedeu os bens para herança. Nada de anormal até aqui. Em questões de partilhas herdadas é vulgar a contenda entre herdeiros que, vulgarmente, terminam em tribunal.

O problema é que o pedido em causa dizia respeito a um homem que tinha morrido. Dir-se-á que o tribunal não sabia. O problema é que sabia, e a serem verdade as notícias que vieram a público, no ofício onde é solicitado  o exame até se identifica o número da campa onde ele está sepultado.

Quero admitir, para bem da nossa própria sanidade mental, minha e dos leitores, que tudo não passa de um erro de português, de um pedido mal escrito, onde, talvez, aquilo que o magistrado procurasse no hospital fosse a história clínica do falecido no que respeitava ao tratamento, ou conhecimento, de que sofria de qualquer distúrbio mental.

Lanço a dúvida de propósito. Porque a não ser assim, é assustador pensar que alguém possa ser tão ignorante, tão manifestamente estúpido que acredita poder fazer um exame clínico mental a um cadáver. Porque o problema não é o morto. Somos nós. Já imaginou ter uma acção em tribunal que pode ser julgada por um estafermo desta envergadura? Foi um lapso. Só pode ser um lapso. É a minha fé, a minha convicção. Bom, eu quero que seja um lapso. E se não for?

Mais notícias de Por Detrás das Câmaras

Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.
Chegar ao Céu

Chegar ao Céu

Traição é traição, e o que mais me irrita é que foi ele que me conquistou, andou anos atrás de mim e quando lhe dei dois filhos lindo e criei as minhas enteadas como se fossem do meu sangue, descobri que afinal não era completamente certo.
Orgulhosamente só

Orgulhosamente só

O presidente que durante tanto tempo arrastou multidões, que de forma hábil conseguiu urdir um plano para (pelo menos) fazer frente às estratégias de Benfica e FC Porto, está cada vez mais só.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável