pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

FOGO RUIM

O país emudeceu de espanto ao ver as imagens de destruição, a mortandade, a aflição de tanta gente sem destino, com o passado em chamas e sem um pedaço de futuro a que se agarrar.
25 de junho de 2017 às 08:00

Não há palavras para descrever a tragédia de Pedrogão Grande. O País emudeceu de espanto ao ver as imagens de destruição, a mortandade, a aflição de tanta gente sem destino, com o passado em chamas e sem um pedaço de futuro a que se agarrar.

Ninguém se lembra de tragédia assim. Aliás, nunca acontecera em Portugal um incêndio que matasse tanta gente.

Quando escrevo estas linhas, ainda o inferno está instalado naquela zona do País. Ainda os mortos não foram sepultados e já começam os primeiros sinais da dança de embustes no que respeita ao apuramento de responsabilidades. A Polícia Judiciária descobriu que foi uma faísca resultante de uma trovoada que fez deflagrar a catástrofe. Desta vez não existe dedo acusador a um qualquer incendiário. Porém, sem andar sofregamente atrás da culpa e dos culpados, não se percebe como foi possível tamanho desastre, durante tantos dias, com tanto apoio internacional.

A sensação com que se fica, perante tamanha destruição e dificuldade em parar a força avassaladora do fogo, é que não estamos protegidos. A nossa Protecção Civil não sai bem nesta fotografia. Por maior que tivesse sido o zelo, sente-se, ou melhor pressente-se incapacidade de reacção organizada. Dou um exemplo. Ás tantas saiu a notícia de que caíra um avião de combate a incêndios. Até foi divulgado que o piloto era inglês. Passadas algumas horas um dos responsáveis fez uma conferencia de imprensa a desmentir o noticiado. Segundo ele, não caíra nenhum avião, embora ele tivesse decidido ao saber da notícia em enviar uma equipa de socorro e salvamento. Para onde? Se o avião não caiu, que raio foi fazer a equipa de salvamento?

Este tipo de reacção é reveladora do estado de desorientação, de confusão que atravessa as chefias desta operação de combate ao incêndio.

Se é verdade que ainda é cedo para rever responsabilidades, não se pode aceitar as declarações políticas que se esboçam para fugir a este confronto com a Vida. Para que haja um mínimo de dignidade em relação a tantos mortes.

Mais notícias de O Tal Canal

Eu tinha vergonha

A SIC promove uma nova novela, convida os jornalistas para o evento e só aparecem cinco actores do elenco. Cheira a falta de compromisso com a estação. Mas na RTP as coisas também não estão melhores: veja-se o caso dos Mundiais de Atletismo.

Ouro mundial sem RTP

Os feitos de Inês Henriques, a melhor do mundo nos 50 quilómetros marcha, e do campeão olímpico Nélson Évora, no triplo salto, não mereceram transmissão na televisão do Estado. Passaram no Eurosport.
O passo certo

O passo certo

Nos meus sonhos a minha casa é sempre igual. Silenciosa, romântica e serena, como o meu coração quando me apaixono. Já lá vão alguns anos desde que tal fatalidade me aconteceu.
Olha a bolinha!

Olha a bolinha!

A televisão, é por estes dias, a última escolha da grande maioria dos portugueses. O cheiro a maresia e a fragrância das estevas tomam conta dos sentidos e conduzem milhares de pessoas à praia.
Medo

Medo

Medo: s.m. Sinónimo de existência, sinónimo de ti. Nasces para sentir medo (é por isso que choras desde o momento em que nasces: temes desde logo o que não dominas) – mas também nasces para o derrotar. Cobarde é só aquele que nunca temeu nada.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável