Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

Lúcia, a Santa do Povo

A caminho do centenário das aparições e da visita do Papa, um documentário sobre a vidente de Fátima mostra a dimensão humana de uma mulher cuja vida se cruzou com a História e com o fenómeno da fé.
21 de abril de 2017 às 10:51

Ocentenário das aparições trará o Papa Francisco a Portugal, a 12 e 13 do mês que vem. Como sempre acontece nestes momentos de enorme mobilização colectiva, os diferentes canais preparam emissões especiais, grandes reportagens, uma panóplia de meios e de conteúdos que sairá, em qualquer circunstância, em benefício de todos nós, espectadores.

São ocasiões em que a televisão mostra o que vale, e a verdade é que o nosso mercado de canais de informação, altamente competitivo, proporciona regularmente emissões de enorme qualidade. Ora, nesta contagem decrescente para a visita papal foi já emitido um documento histórico, neste caso na CMTV. No ano 2000, ao fim de décadas de clausura, Lúcia de Jesus visitou os seus locais de infância.

Sítios marcados pelo destino, que já fazem parte da memória de um povo e do património de uma religião. Sempre que saía do convento, Lúcia já era tratada como santa, rodeada por pequenas multidões que procuravam tocar-lhe, beijá--la, pedir-lhe intercessão divina. São imagens inéditas agora emitidas no documentário A Santa do Povo, um trabalho belíssimo, assinado pela jornalista Mónica Palma, que desvenda a dimensão humana de uma personagem histórica fascinante.

Nessa altura, uma conversa com o bispo de Leiria revela que a mulher que em breve será beata da Igreja Católica sofria  com medo da multidão sempre que saía à rua, lavava-se dos beijos frenéticos quando regressava, e quando ouviu falar da Rússia pensou que se tratava da burra do vizinho. Lúcia de Jesus morreu a 13 de Fevereiro de 2005.

Mais notícias de Televisão Meu amor

Parece que foi ontem

Parece que foi ontem

O aniversário do primeiro dos dois grandes incêndios mortais do ano passado levou o país político até ao interior de Portugal. Desta vez, as televisões, que aprenderam a lição, fizeram uma cobertura digna.
Um outro futuro

Um outro futuro

O meu bairro deixou de ser triste, tornou-se alegre, depois festivo, finalmente histérico, por isso fugi. Fugi do progresso, do bulício, da confusão. Fugi das ruas encardidas, do ruído incessante dos prédios em reconstrução, da cidade que se tornou insone e voltei para a minha casa de escritora com vista para o mar.
Razão

Razão

Razão: s.f.: Aquilo que, muitas vezes, perdemos para tentarmos ter: há tanto quem perca a razão para ter razão, que estupidez.
Um cancro na SIC

Um cancro na SIC

Que audiências teria o ‘Jornal da Noite’, com Clara de Sousa ou Rodrigo Guedes de Carvalho, se não tivesse, às 19:00, um sofrível programa, como ‘Linha Aberta’, de Hernâni Carvalho?
A novela de Bruno

A novela de Bruno

Os maiores patrocinadores e as estações de televisão que apostaram milhões no certame da Rússia estão a arder com o investimento, devido à crise que afecta o clube verde-e-branco. Drama no sporting está a abafar o mundial de futebol.
Trinta mil cavalos

Trinta mil cavalos

A adolescência da geração os filhos do 25 de Abril foi a última a dançar slow e a gravar cassetes inteiras com músicas para namorar, curtir, andar na marmelada, e claro, para dançar agarradinhos, muitas vezes em festas de garagem, com papel celofane encarnado a embrulhar os abat-jours e rondas policiais regulares de um ou dois adultos pelo perímetro para verificar se a malta não se estava a esticar. É claro que a malta se esticava, mas não era ali. Era dentro dos carros num lugar sossegado com vista para o mar, ou em casas onde os pais não estavam.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável