pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

Lúcia, a Santa do Povo

A caminho do centenário das aparições e da visita do Papa, um documentário sobre a vidente de Fátima mostra a dimensão humana de uma mulher cuja vida se cruzou com a História e com o fenómeno da fé.
21 de abril de 2017 às 10:51

Ocentenário das aparições trará o Papa Francisco a Portugal, a 12 e 13 do mês que vem. Como sempre acontece nestes momentos de enorme mobilização colectiva, os diferentes canais preparam emissões especiais, grandes reportagens, uma panóplia de meios e de conteúdos que sairá, em qualquer circunstância, em benefício de todos nós, espectadores.

São ocasiões em que a televisão mostra o que vale, e a verdade é que o nosso mercado de canais de informação, altamente competitivo, proporciona regularmente emissões de enorme qualidade. Ora, nesta contagem decrescente para a visita papal foi já emitido um documento histórico, neste caso na CMTV. No ano 2000, ao fim de décadas de clausura, Lúcia de Jesus visitou os seus locais de infância.

Sítios marcados pelo destino, que já fazem parte da memória de um povo e do património de uma religião. Sempre que saía do convento, Lúcia já era tratada como santa, rodeada por pequenas multidões que procuravam tocar-lhe, beijá--la, pedir-lhe intercessão divina. São imagens inéditas agora emitidas no documentário A Santa do Povo, um trabalho belíssimo, assinado pela jornalista Mónica Palma, que desvenda a dimensão humana de uma personagem histórica fascinante.

Nessa altura, uma conversa com o bispo de Leiria revela que a mulher que em breve será beata da Igreja Católica sofria  com medo da multidão sempre que saía à rua, lavava-se dos beijos frenéticos quando regressava, e quando ouviu falar da Rússia pensou que se tratava da burra do vizinho. Lúcia de Jesus morreu a 13 de Fevereiro de 2005.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Ó gente da minha terra

Ó gente da minha terra

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado.
Sócrates irritou-se

Sócrates irritou-se

Vítor Gonçalves preparou-se com cuidado, quer no conteúdo, quer na pose e na expressão. O principal arguido da Operação Marquês já não estava habituado a responder a um jornalista, e isso fez toda a diferença.
Aprendiz de

Aprendiz de "feiticeiro"

O relógio marcava as 03h10, quando a CMTV colocou um ponto final na emissão especial dedicada ao inferno que voltou a deixar marcas profundas e as palavras de António Costa apenas serviram para aumentar ainda mais o meu sentimento de luto.
Número

Número

Número: s.m. Aquilo que, para os cabrões, significa tudo — o que é mais uma prova de que não valem nada. Nada do que vale a pena na vida é contável.

Barcelona

O processo independentista catalão tem sofrido de ausência de razão quer da parte do governo catalão, desrespeitando leis gerais que estruturam a soberania do Estado espanhol, quer do governo central que respondeu a pontapé e à bastonada às provocações que os nacionalistas realizaram.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável