pub
Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

Pedro Chagas Freitas: Maleita

Maleita: s.f. Ausência de feridas; não é de quem já sofreu muito que tenho pena – é de quem nunca sofreu; que bosta de existência terá tido?
17 de julho de 2017 às 00:00
...
Pedro Chagas Freitas: Maleita
Foto: iStock
Só um burro não chama burro a si mesmo com alguma regularidade.

Eu chamo. Aqui vai: burro. Burro, burro, burro, burro. BURRO. Pronto: já estou mais limpinho, mais humano. O humano carece, cada vez mais, de comprometimento com o descomprometimento: precisa de se levar menos a sério, de pensar menos que é o fim do mundo sempre que algo que não termina o mundo acontece.

Qualquer idiota se leva a sério – mas só uma criatura inteligente desvaloriza o que não a valoriza.

E é só isso: há momentos em que falhas, momentos em que estás aquém, momentos em que tudo parece ruir no interior de ti; é nesses momentos que o gajo que és aparece: se és um palerma com a puta da mania vai mesmo ruir tudo no interior de ti e jamais serás capaz de sair dos escombros com capacidade para andar; se és uma pessoa com a certeza de que não passas de mais uma pessoa vais sair do meio dos escombros a voar, se necessário, porque só quem não tem asas sabe o que custa voar – os pássaros voam como nós aspiramos a casa, simples rotina.

O pior dos defeitos é a imortalidade – até porque, bem vistas as coisas, não existe.

Mas mata. Mata mesmo. Não faltam relações, empresas – até vidas inteiras –, destruídas pelo complexo de imortalidade: o imortalismo. Aprende de uma vez por todas: vais morrer e tens de estar mortinho por viver. Por agarrares na bosta toda que te vai aparecer, e vai aparecer tanta, garanto-te, e moldá-la de maneira a ser suportável: de maneira a tu mesmo te suportares. Tens de suportar em ti aquilo que te vai fazer suportar o que te acontece – e mais ainda o que acontece em ti (e são coisas tão diferentes, tão opostas, até: quantos não viveram experiências felizes por fora e tão tristes por dentro?).

Se não és capaz de ver a tua mortalidade não és capaz de ver a tua falibilidade.

E a tua fragilidade, e a tua finitidade (sim, eu sei que não existe mas agora já está e passa a ideia: a ideia de que és finito e tens de ter consciência disso para saboreares como tens de saborear, ou pelo menos como deves saborear, o que há para saborear, capice?). Somos mais pessoas quando percebemos que faz parte de nós acabar – e faz parte de nós brincar, também, já agora. Nunca se brinca com o que magoa, quando é precisamente com o que magoa que se deve brincar.

Quando morrer quero humoristas no meu funeral, bandas de música que façam dançar. Quando morrer quero que tudo viva, que tudo continue a viver em meu redor. Era para isso que todas as mortes deveriam servir: para fazer quem está vivo viver melhor. Que haja uma utilidade dessas em cada morte, decreto eu, enquanto estou vivo.

Não é de quem tem medo de morrer que tenho pena; é de quem tem medo de viver.

Maleita: s.f. O mesmo que aprendizagem; não são os que mais estudam que mais sabem – são os que mais vivem. Quem viveu mais teve mais hipóteses de falhar mais e de se magoar mais – o que é mesmo que dizer que teve mais hipóteses de aprender mais. Não são os burros que não mudam; são os mortos.

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável