Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do Amor

Notícia

Pedro Chagas Freitas: Maleita

Maleita: s.f. Ausência de feridas; não é de quem já sofreu muito que tenho pena – é de quem nunca sofreu; que bosta de existência terá tido?
17 de julho de 2017 às 00:00
...
Pedro Chagas Freitas: Maleita
Foto: iStock
Só um burro não chama burro a si mesmo com alguma regularidade.

Eu chamo. Aqui vai: burro. Burro, burro, burro, burro. BURRO. Pronto: já estou mais limpinho, mais humano. O humano carece, cada vez mais, de comprometimento com o descomprometimento: precisa de se levar menos a sério, de pensar menos que é o fim do mundo sempre que algo que não termina o mundo acontece.

Qualquer idiota se leva a sério – mas só uma criatura inteligente desvaloriza o que não a valoriza.

E é só isso: há momentos em que falhas, momentos em que estás aquém, momentos em que tudo parece ruir no interior de ti; é nesses momentos que o gajo que és aparece: se és um palerma com a puta da mania vai mesmo ruir tudo no interior de ti e jamais serás capaz de sair dos escombros com capacidade para andar; se és uma pessoa com a certeza de que não passas de mais uma pessoa vais sair do meio dos escombros a voar, se necessário, porque só quem não tem asas sabe o que custa voar – os pássaros voam como nós aspiramos a casa, simples rotina.

O pior dos defeitos é a imortalidade – até porque, bem vistas as coisas, não existe.

Mas mata. Mata mesmo. Não faltam relações, empresas – até vidas inteiras –, destruídas pelo complexo de imortalidade: o imortalismo. Aprende de uma vez por todas: vais morrer e tens de estar mortinho por viver. Por agarrares na bosta toda que te vai aparecer, e vai aparecer tanta, garanto-te, e moldá-la de maneira a ser suportável: de maneira a tu mesmo te suportares. Tens de suportar em ti aquilo que te vai fazer suportar o que te acontece – e mais ainda o que acontece em ti (e são coisas tão diferentes, tão opostas, até: quantos não viveram experiências felizes por fora e tão tristes por dentro?).

Se não és capaz de ver a tua mortalidade não és capaz de ver a tua falibilidade.

E a tua fragilidade, e a tua finitidade (sim, eu sei que não existe mas agora já está e passa a ideia: a ideia de que és finito e tens de ter consciência disso para saboreares como tens de saborear, ou pelo menos como deves saborear, o que há para saborear, capice?). Somos mais pessoas quando percebemos que faz parte de nós acabar – e faz parte de nós brincar, também, já agora. Nunca se brinca com o que magoa, quando é precisamente com o que magoa que se deve brincar.

Quando morrer quero humoristas no meu funeral, bandas de música que façam dançar. Quando morrer quero que tudo viva, que tudo continue a viver em meu redor. Era para isso que todas as mortes deveriam servir: para fazer quem está vivo viver melhor. Que haja uma utilidade dessas em cada morte, decreto eu, enquanto estou vivo.

Não é de quem tem medo de morrer que tenho pena; é de quem tem medo de viver.

Maleita: s.f. O mesmo que aprendizagem; não são os que mais estudam que mais sabem – são os que mais vivem. Quem viveu mais teve mais hipóteses de falhar mais e de se magoar mais – o que é mesmo que dizer que teve mais hipóteses de aprender mais. Não são os burros que não mudam; são os mortos.

Mais notícias de Piquete de Polícia

Tancos, outra vez

Tancos, outra vez

O furto de armas em Tancos fez estragos na estrutura militar, levantou forte polémica, obrigou generais a explicarem-se, outros a demitirem-se, e a um ministro da Defesa, sem jeito para a função, justificar o injustificável.
A guerra de Fátima Lopes

A guerra de Fátima Lopes

As entrevistas da apresentadora aos sábados são boas, mas depois falta-lhe tudo o resto. Enquanto reinar este amadorismo na TVI, Daniel Oliveira vai vencendo, à mesma hora, na SIC. Até com aquelas perguntas sonsas.
Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável