pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Morrer de Estupidez

E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.
18 de junho de 2017 às 07:00

Todos os anos, por esta altura do ano, regresso a um tema que magoa tanta gente desnecessariamente e, tantas vezes, por estupidez. Refiro-me à sinistralidade rodoviária.

Vão começar as férias e, com elas, inicia-se o grande movimento de pessoas durante os próximos três meses. Gente que chega de muito longe, gente que parte, milhares em trânsito por essas estradas à procura do abraço adiado, famintos de saudade. Outros, muitos milhares, partem para as praias. Vão e voltam. Os automóveis multiplicam-se, as filas de trânsito tornam-se gigantes, as horas passam, o calor aperta. A impaciência leva à imprudência. O álcool transforma a serenidade em euforia. É a mistura explosiva.

A maioria dos acidentes tem como base esta fórmula química: levantar os pés da realidade, idealizando o papel de herói do volante, e carregar no acelerador. Deixa de haver sinais de ‘stop’, os traços contínuos desaparecem milagrosamente, as ultrapassagens são fáceis porque naquele volante vai um ás e o carro voa para a vitória sem sentido. Muitas vezes, para a morte sem sentido.

No ano passado morreram nas nossas estradas cerca de quinhentas almas. A maioria absoluta pelas razões que atrás descrevi. E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.

São demasiados mortos. Ainda por cima por causas tão estúpidas. Permita-me pois, caro leitor, que lhe escreva com os olhos cheios de memórias magoadas por tantos anos já idos e por tantos mortos desnecessários. Seja prudente. Não beba se for conduzir. Entre na estrada pensando naqueles que mais ama e nos outros que, noutros automóveis, vão ao encontro daqueles que mais amam. Faça destas férias o tempo sereno da alegria. O tempo de bonança. O Código da Estrada é para ser cumprido todos os dias do ano. Incluindo as férias. Para que o seu descanso tenha o prazer de regressar a casa, bem com a vida e longe da morte. Boas férias!

Mais notícias de O Tal Canal

Bombeiro, meu herói

Nunca os vi queixarem-se de nada, mesmo quando deixam mulheres, filhos e pais para trás, sem saber se regressam ao conforto do lar. Ali não há lugar ao cansaço, ao medo, à fome nem à sede.

O fogo na RTP, SIC e TVI

A RTP1 foi a estação que reagiu melhor, no trabalho de campo e na agilidade de grelha. A TVI ganhou no sensacionalismo. Já a SIC passou ao lado da tragédia, e perdeu em toda a linha
Solistício de verão

Solistício de verão

No dia mais feliz do ano acho que sou tão feliz em Belém como na Sardenha. E nem sequer tenho de apanhar nenhum avião. Afinal, a felicidade nunca está num lugar, está sempre ou na cabeça ou no coração. E se estiver nos dois ao mesmo tempo, então é o pleno.

Manifesto "pró-banho" nas tuc-tuc

Pessoal sério das tuc-tuc: vamos pôr ordem nisto! Chega de condutores desmazelados, com t-shirts a precisar de ser trocadas há três dias e a querer dar baile aos "camones" em carripanas emporcalhadas. Corram com os "carochos"! Tuc-tuc digna de Lisboa é limpinha e com condutor cheiroso.
O inferno na Terra

O inferno na Terra

As chamas continuam a ganhar a guerra perante a passividade de um governo, cujas responsabilidades, sobretudo em relação ao incêndio de Pedrógão Grande, jamais poderão ser escamoteadas.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável