pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Morrer de Estupidez

E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.
18 de junho de 2017 às 07:00

Todos os anos, por esta altura do ano, regresso a um tema que magoa tanta gente desnecessariamente e, tantas vezes, por estupidez. Refiro-me à sinistralidade rodoviária.

Vão começar as férias e, com elas, inicia-se o grande movimento de pessoas durante os próximos três meses. Gente que chega de muito longe, gente que parte, milhares em trânsito por essas estradas à procura do abraço adiado, famintos de saudade. Outros, muitos milhares, partem para as praias. Vão e voltam. Os automóveis multiplicam-se, as filas de trânsito tornam-se gigantes, as horas passam, o calor aperta. A impaciência leva à imprudência. O álcool transforma a serenidade em euforia. É a mistura explosiva.

A maioria dos acidentes tem como base esta fórmula química: levantar os pés da realidade, idealizando o papel de herói do volante, e carregar no acelerador. Deixa de haver sinais de ‘stop’, os traços contínuos desaparecem milagrosamente, as ultrapassagens são fáceis porque naquele volante vai um ás e o carro voa para a vitória sem sentido. Muitas vezes, para a morte sem sentido.

No ano passado morreram nas nossas estradas cerca de quinhentas almas. A maioria absoluta pelas razões que atrás descrevi. E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.

São demasiados mortos. Ainda por cima por causas tão estúpidas. Permita-me pois, caro leitor, que lhe escreva com os olhos cheios de memórias magoadas por tantos anos já idos e por tantos mortos desnecessários. Seja prudente. Não beba se for conduzir. Entre na estrada pensando naqueles que mais ama e nos outros que, noutros automóveis, vão ao encontro daqueles que mais amam. Faça destas férias o tempo sereno da alegria. O tempo de bonança. O Código da Estrada é para ser cumprido todos os dias do ano. Incluindo as férias. Para que o seu descanso tenha o prazer de regressar a casa, bem com a vida e longe da morte. Boas férias!

Mais notícias de Piquete de Polícia

A tragédia

A tragédia

É que quatro meses depois, em Pedrógão Grande contam-se pelos dedos da mão os sinais de recuperação. Nem os fundos de solidariedade criado com o dinheiro que generosamente oferecemos ainda não havia chegado às vítimas.
Coitado de Sócrates

Coitado de Sócrates

São de jornalistas, profissionais e isentos, que sabem fazer perguntas. Daquelas que interessam.
Ó gente da minha terra

Ó gente da minha terra

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado.
Sócrates irritou-se

Sócrates irritou-se

Vítor Gonçalves preparou-se com cuidado, quer no conteúdo, quer na pose e na expressão. O principal arguido da Operação Marquês já não estava habituado a responder a um jornalista, e isso fez toda a diferença.
Aprendiz de

Aprendiz de "feiticeiro"

O relógio marcava as 03h10, quando a CMTV colocou um ponto final na emissão especial dedicada ao inferno que voltou a deixar marcas profundas e as palavras de António Costa apenas serviram para aumentar ainda mais o meu sentimento de luto.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável