pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Morrer de Estupidez

E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.
18 de junho de 2017 às 07:00

Todos os anos, por esta altura do ano, regresso a um tema que magoa tanta gente desnecessariamente e, tantas vezes, por estupidez. Refiro-me à sinistralidade rodoviária.

Vão começar as férias e, com elas, inicia-se o grande movimento de pessoas durante os próximos três meses. Gente que chega de muito longe, gente que parte, milhares em trânsito por essas estradas à procura do abraço adiado, famintos de saudade. Outros, muitos milhares, partem para as praias. Vão e voltam. Os automóveis multiplicam-se, as filas de trânsito tornam-se gigantes, as horas passam, o calor aperta. A impaciência leva à imprudência. O álcool transforma a serenidade em euforia. É a mistura explosiva.

A maioria dos acidentes tem como base esta fórmula química: levantar os pés da realidade, idealizando o papel de herói do volante, e carregar no acelerador. Deixa de haver sinais de ‘stop’, os traços contínuos desaparecem milagrosamente, as ultrapassagens são fáceis porque naquele volante vai um ás e o carro voa para a vitória sem sentido. Muitas vezes, para a morte sem sentido.

No ano passado morreram nas nossas estradas cerca de quinhentas almas. A maioria absoluta pelas razões que atrás descrevi. E, de repente, as férias tornam-se num pranto. As cores garridas do verão, num luto inexplicável, a visita à praia passa a romaria ao cemitério, por uma estrada de lágrimas onde o sofrimento comanda as mágoas.

São demasiados mortos. Ainda por cima por causas tão estúpidas. Permita-me pois, caro leitor, que lhe escreva com os olhos cheios de memórias magoadas por tantos anos já idos e por tantos mortos desnecessários. Seja prudente. Não beba se for conduzir. Entre na estrada pensando naqueles que mais ama e nos outros que, noutros automóveis, vão ao encontro daqueles que mais amam. Faça destas férias o tempo sereno da alegria. O tempo de bonança. O Código da Estrada é para ser cumprido todos os dias do ano. Incluindo as férias. Para que o seu descanso tenha o prazer de regressar a casa, bem com a vida e longe da morte. Boas férias!

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável