pub
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Planeta cor de rosa

Notícia

O eterno miúdo que nunca será vilão

Ronaldo é um ídolo, a quem tudo é desculpado. Tudo. Porque é o melhor do mundo e nos dá alegrias. Isso basta-nos.
01 de agosto de 2017 às 06:00

O empresário Jorge Mendes foge (alegadamente) ao fisco e, na boca do povo, passa a Ser um bandido. Um bandido cheio de dinheiro que arrastou consigo os pobres rapazes que nele confiavam e lhe asseguravam (e à sua equipa de colaboradores) os milhões que ganhavam nos clubes, nos jogos privados, nas presenças, nos acordos comerciais que fechavam, nas campanhas publicitárias, enfim, em tudo o que à sua volta mexia. 

Jorge Mendes, no seu papel de poderoso empresário, nunca se livrará da fama. Com o escândalo da fuga ao fisco em espanha, mesmo aqueles que ajudou já esqueceram tudo o que ganharam a sua conta. Agora só interessa limpar a imagem, seguir em frente e encontrar culpados para o caso - que será sempre o elo mais fraco desta cadeia. 

Mas não é isso que importa aqui.

Importa Ronaldo. 

Ronaldo chegou a tribunal na manhã do ultimo dia de Julho de 2017, acompanhado pelos amigos de casa, depois de um verão turbulento. Fechou-se no carro, passou rapidamente pela sala de audiências para se declarar inocente, para dizer que não tem nada a ver com aquilo de que falam. Por isso não está ali para ajudar na investigação. Está ali para dizer que não tem nada a ver com aquilo. 

Ronaldo é um ídolo, a quem tudo é desculpado. Tudo. Porque é o melhor do mundo e nos dá alegrias. Isso basta-nos.

Por isso estamo-nos a borrifar para o facto de ter ou não ocultados uns milhões do fisco, encaminhados por alguém que não ele (evidentemente ele tem outras coisas com que se preocupar e é para isso que paga a super agentes e empresas) para uma conta qualquer algures no planeta, ou investidos num dos muitos projectos com o seu nome. 

Ronaldo está errado? Ronaldo é vilão? De acordo com um estudo divulgado na imprensa espanhola, que a Flash recuperou antes da ida do craque a tribunal, CR7 não podia ser mais vítima. Afinal, só uma ínfima parte da população não faria aquilo de que ele é acusado (de acordo com o mesmo estudo). 

Com o seu ar de catraio, aquele estilo de vida de miúdo de casa, que sonha constituir família longa para apagar os traumas do passado (mesmo que não recorra a métodos convencionais), pródigo em mimar a mãe, os amigos do peito, o filho (claro) e decidido a mover-se num núcleo restrito de pessoas, em quem tem confiança absoluta - que orbita em seu redor e a quem isso basta - pois assim não corre riscos, Ronaldo tem a benção de todos e a sentença traçada de inocente. 

Vilões são os políticos, os que ganham dinheiro e se tornam arrogantes, os que não se rodeiam da família. Vilões são os que falam e não os que se mantém calados. 

Ronaldo, como o irmão mais velho conta sobre a família num documentário com o nome do craque, aprendeu cedo que o silêncio é a alma do negócio. Assim fez com os filhos que encomendou, com as namoradas que arranjou, e assim faz agora com a polêmica dos dinheiros. Quando tiver de pagar - se tiver - ninguém saberá. Nem sequer será doloroso. Dolorosa só está chatice de andar nas bocas do mundo por causa de um assunto destes. Nada que a mão na cabeça do presidente do clube, Florentino perez, não ajude a dissipar, e a festa que os amigos fazem, não façam esquecer rapidamente. 

Depois joga-se a bola, fazem-se uns golos à matador e já está. Quem se vai lembrar da polêmica? Isso e para os poderosos. Não para os deuses.

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável