Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como nós

Notícia

O factor esfregona

Há três anos conheci o Paulo no refeitório do laboratório. Trabalha noutro edifício, naquele dia tinha ido à administração. Avancei sem pensar. Sentei-me à frente dele com o tabuleiro e meti conversa. A mãe dele também se chamava Isabel...
29 de setembro de 2017 às 22:02
...
O factor esfregona

Tenho de acabar com isto quanto antes. Limpar o Paulo do meu sistema. Esquecer que existe. Andar para a frente. Como se fosse possível. No meu mundo ideal, metiam-me dentro de um cilindro e criogenizavam-me até me passar a Paulite. Entrava em elipse, saltava as etapas chatas, faziam-me uma transfusão emocional e quando acordasse já estava curada. Mas como a vida não é um filme de ficção científica, tenho de fingir que não me afectou, que sou forte, que está tudo bem. Fingir cansa, acho que estou a fingir cada vez pior.

Se tivesse os miúdos a viver comigo era tudo mais fácil. Olho para o quarto vazio que eles só ocupam ao fim-de-semana e penso no absurdo que é ter filhos e viver longe deles. Mas não podia continuar a viver na Aroeira e trabalhar em Cascais. E o mercado de trabalho não está para graças. Cansei-me de fazer cinquenta quilómetros por dia, do trânsito na ponte, da sensação e apátrida cada vez que ficava em Lisboa para ir jantar fora ou beber um copo. Era tudo muito longe.

E há ainda outro quarto vazio. O quarto que imaginei com uma cama branca, uma colcha cor-de-rosa e uma casa de bonecas. O quarto da minha enteada se tivesse outra vida, a vida que projectei. Nunca teve a cama branca, nem a colcha, nem a casa de bonecas. Tem dois charriots com a roupa da estação anterior, material de desporto, skis e botas de neve, caixas de arrumação e tralhas. É um lugar horrível, porque não serve propósito nenhum, falhou o seu destino. Ou então fui eu que falhei nas minhas projeções.

Há três anos conheci o Paulo no refeitório do laboratório. Trabalha noutro edifício, naquele dia tinha ido à administração. Avancei sem pensar. Sentei-me à frente dele com o tabuleiro e meti conversa. A mãe dele também se chamava Isabel.

Aquilo pegou como o fogo em dias de vento e de calor. Poucos dias depois estávamos a caminho do Alentejo para o nosso primeiro fim-de-semana românico. Eu no meu melhor, armada em sonhadora temerária, tipo princesa da Disney, a acreditar no Dumbo e no Príncipe Filipe. O meu nome do meio não devia ser Andrade, devia ser Otária. Isabel Otária Andrade Marques

Isto aconteceu-me seis meses depois de a minha melhor amiga ter conhecido o Gonçalo. Ambos tinham outra vida, nenhum largou a primeira vida para ficar com a segunda. Tão parecidos que podiam ser gémeos.

A Maria avisou-me. "Abre os olhos, senão lixas-te. Se passares mais de seis meses nessa embrulhada, vais ficar presa durante anos. E depois é sempre a piorar. No primeiro ano és um cão, no segundo és uma esfregona. E quando pensas que não pode piorar, piora sempre. Eles não voltam a ter respeito por ti. Podem adorar-te, mas há coisas que se perdem para sempre. Olha para mim. Não queiras esta vida."

Claro que a Maria estava certa. Já não lhe abro as pernas, mas não consigo ignorar as mensagens. Se me aparecesse à porta de repente, não lhe resistia.

O grande problema não é uma pessoa ser mal tratada, o grande problema é habituar-se. É o Factor Esfregona. Só o tempo pode apagar tanto disparate.

Mais notícias de O Tal Canal

A guerra de Fátima Lopes

A guerra de Fátima Lopes

As entrevistas da apresentadora aos sábados são boas, mas depois falta-lhe tudo o resto. Enquanto reinar este amadorismo na TVI, Daniel Oliveira vai vencendo, à mesma hora, na SIC. Até com aquelas perguntas sonsas.
Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável