pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

O fim dos reality shows

Biggest Deal bate recordes negativos de audiências. O programa não convence, e Teresa Guilherme mostra que não está confortável com o formato. Isso é mortal.
13 de outubro de 2017 às 16:35

Biggest Deal rompe o elo fundamental de confiança entre os espectadores e os reality shows. O novo programa de Teresa Guilherme afasta-se demasiado da ilusão de realidade na qual se baseia o sucesso do género. Tudo começou com o Big Brother, apresentado, à época, como o espectáculo da vida real.

A ideia básica era colocar uma série de pessoas anónimas a viverem a sua vida do dia-a-dia, recriada num espaço fechado, e transformar tudo isso num programa de televisão. O segredo era simples: quanto mais próximo da vida do dia-a-dia, melhor. Só que, como todos nós sabemos, a vida quotidiana é feita de ócio e aborrecimento. Foi preciso introduzir provas e situações inesperadas, que gerassem tensão e atrito entre os concorrentes, para manter a atenção dos espectadores. Nesse momento deu-se o primeiro passo para afastar os reality da realidade, num equilíbrio instável. Até que chegou Biggest Deal.

A irrealidade de juntar uma série de "famosos", como se costuma dizer, no mesmo espaço, para tratarem dos seus negócios, é tão acentuada que não cria o mínimo laço emocional com os espectadores. Ou seja: os reality shows deram um passo rumo ao abismo da irrealidade absoluta, e isso será a sua morte.

Na primeira semana, a desculpa foi as eleições e o futebol. Na segunda, foi a Selecção e o resto. Mas os resultados são demasiado maus, num produto que costumava arrastar tudo atrás de si, sem precisar de desculpas. Pior: Teresa Guilherme mostra que não está confortável. E quando um apresentador não adere, é impossível chegar ao sucesso em televisão. Big problem!               

Mais notícias de Piquete de Polícia

A IURD

É conhecida a história obscena da Igreja Universal do Reino de Deus e do seu pontífice Macedo. A Igreja dos milagres e dos negócios.
Infelizes para sempre

Infelizes para sempre

Dez anos depois está sentado na minha sala a beber chá. Pergunto-lhe como está a vida, a mulher, os dois filhos. Responde com um sorriso triste, "todos os dias penso numa maneira de me divorciar".

Vantagem para a RTP

Num ano cheio de notícias de grande impacto, os três generalistas reagiram bem, com algumas excepções. Já no cabo, as estações passaram a agir como se se preparassem para fechar os canais de notícias.
É tempo de sonhar...

É tempo de sonhar...

Ai, se eu pudesse voltar a sonhar como dantes, mesmo que fosse a preto e branco. A magia da televisão vai crescendo por estes dias e atinge de forma indiscriminada milhões de pessoas que acabam por ser acometidas pelas mesmas reminiscências.
Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável