Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Ó gente da minha terra

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado.
20 de outubro de 2017 às 15:47
...
Ó gente da minha terra
Foto: Lusa
Quando enfim a chuva começou a cair, ajudando a apagar as brasas do flagelo que destruiu 493 casas, matou mais de 100 pessoas e 84 mil animais, quando enfim o Presidente falou, quando enfim a Ministra incompetente se demitiu e o primeiro-ministro sem empatia pediu desculpa ao país, quando enfim a Assembleia da República fez um minuto de silêncio, aos poucos, fomos sossegando o coração. Aqueles que o podem fazer, a quem a casa não ardeu, os familiares não morreram ou perderam o trabalho de uma vida.

Mas é impossível não pensar nos que não escaparam ao fogo e à inércia e desorganização do Estado e dos meios que devia ter lá estado a lutar e não estavam. É impossível não pensar em todos os bombeiros e cidadãos anónimos que arriscaram a vida a combater a chamas, a levar os vizinhos idosos para lugares mais seguros, a fazer tudo o que puderam para salvar o próximo. É impossível não pensar como é que num só dia, o mais perigoso do ano, por ser o
mais quente e com o vento mais forte, num golpe de magia negra estavam 500 fogos ativos ao mesmo tempo. Quem anda a brincar com Portugal?

A ausência de empatia não é apenas o grau mais elevado do egoísmo, é um sintoma de uma patologia profunda. Quem não é capaz de entender o sofrimento alheio, não é capaz de fazer nada decente na vida. Quem não sabe pedir desculpa, quem não sabe ouvir o coração, quem não quer ver as lágrimas dos outros, quem só consegue pensar nos seus interesses e no seu bem-estar, não merece o respeito do mundo, porque não respeita o mundo.

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado. O silêncio é de quem consente, de quem não enfrenta, de quem não tem coragem, de quem não tem força. O silêncio por opção é sempre sinal de fraqueza. As palavras servem para ser ditas, por mais que doam a quem as diz e a quem as ouve. E não pense quem as ouve que quem as diz não sofre.

Esta semana as minhas palavras não contam uma história de amor, em vez disso uso-as para um manifesto contra o desamor. O desamor instalado que se manifesta na apatia, na indiferença, na nossa capacidade de tantas vezes desculpar o indesculpável. A nossa maior qualidade enquanto povo é a brandura, não podemos deixar que seja também o nosso maior defeito. Não podemos deixar-nos ir no deixa andar. Temos de ser mais fortes, honrando os resilientes, os heróis nacionais do Norte e do Centro, os anónimos que aguentaram o Inferno e continuam a viver nele.

O que está a acontecer em Portugal é muito grave. Quando o poder político está mais preocupado em manter a Geringonça de pé do que em governar o país, está na hora de gritar "Basta". Não é a minha cor política que me faz escrever palavras duras, é a minha revolta enquanto cidadã e a meu orgulho em ser portuguesa, é o amor imenso e incondicional que tenho pelo meu país no qual pude crescer em paz e realizar os meus sonhos, o Portugal que apaixona o mundo e que não se sabe proteger. O país dos pastéis de nata, do CR7, da Mariza e do Siza Vieira, do Salvador e dos abraços. Não somos melhores nem piores do que os outros,
somos únicos.

Não posso calar-me quando as grandes tragédias assolam a gente da minha terra, da terra que é afinal de todos nós, e não de quem não a sabe proteger. Portugal é de todos, cada um deve pensar o que sabe fazer melhor para que Portugal não se cale.

Mais notícias de Televisão Meu amor

Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.
Redoma

Redoma

Redoma: s.f.: Único espaço do mundo que, apesar de exíguo, é infinito. Somos do tamanho do que conseguimos suportar, e mais ainda do tamanho do que conseguimos superar.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável