Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

O inferno na Terra

As chamas continuam a ganhar a guerra perante a passividade de um governo, cujas responsabilidades, sobretudo em relação ao incêndio de Pedrógão Grande, jamais poderão ser escamoteadas.
21 de junho de 2017 às 18:34
...
O inferno na Terra

Havia acabado de editar uma peça sobre a morte do bombeiro Gonçalo Conceição, o soldado da paz que lutou até ao limite das suas forças contra o fogo que engoliu Pedrógão Grande, e já estava focado no especial de informação que arrancava, às 21:56, na CMTV.

Sinto, confesso, uma tremenda dificuldade em conseguir manter a distância necessária quando se perdem vidas humanas.

Esta tragédia, as imagens cruas que continuam a chegar à redacção, os relatos de homens e mulheres a quem a tristeza profunda levou a alma, irão marcar-me para sempre.

Faltavam cerca de 15 minutos para entrarmos no ar quando o pivot José Carlos Castro fez questão de partilhar uma das experiências mais intensas da sua carreira.

Na altura com 26 anos, o jornalista foi destacado para fazer reportagem de um incêndio violento que fustigava a vila de Pampilhosa da Serra e aquilo que foi registado nunca mais se apagou da memória. Até mesmo o cheiro a fuligem, impregnado no corpo, que o acompanhou durante vários dias.  

"Apesar de já ter chegado ao teatro das operações com os fogos praticamente controlados existem imagens que nunca mais irei esquecer." As palavras de José Carlos Castro, proferidas num tom sério, como que bloquearam o tempo e deram lugar a uma história que apenas se encontrava adormecida. 

A queda de um avião de combate ao fogo e o contacto com dois corpos carbonizados- um idoso e um menor- junto à estrada, são imagens que se mantêm intactas na memória. "E o "ronco" da floresta, o barulho que se fazia sentir devido a alguns fogos que ainda estavam ativos é imponente e inesquecível", confessou.

As reminiscências de José Carlos Castro, à luz do que continua a ser hoje o flagelo dos fogos florestais, comprova que nada mudou.

As chamas continuam a ganhar a guerra perante a passividade de um governo, cujas responsabilidades, sobretudo em relação ao incêndio de Pedrógão Grande, jamais poderão ser escamoteadas.

É tempo de emergir, em consciência, uma política séria que acabe de uma vez por todas com o inferno na Terra.

 

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável