pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O Negativo

Está neste caso o chamado Processo da compra de sangue, baptizado com o sugestivo nome de O Negativo. Negociatas feitas com compra de sangue que, esta semana, levaram mais um punhado de médicos a ser interpelados pela Justiça.
11 de junho de 2017 às 07:00

Existem crimes, que pela sua natureza malévola, que deveriam estar catalogados, tal como no Direito brasileiro, como hediondos. Não tanto pela consequência jurídica, sobretudo pelo que encerram de imoralidade e malvadez contra a vida humana.

Está neste caso o chamado Processo da compra de sangue, baptizado com o sugestivo nome de O Negativo. Negociatas feitas com compra de sangue que, esta semana, levaram mais um punhado de médicos a ser interpelados pela Justiça.

O sangue é fonte de vida. Pelo País existem centenas de organizações de dadores voluntários, gente de generosidade sem limites, que entrega um pedaço de si para salvar os seus semelhantes. Gente de todos os estratos sociais, de todas as cores, sem distinção de credos, que estende o braço e se oferece, desta forma, para salvar vidas.

A resposta do Estado a este voluntarismo generoso é escolher bandidos, ainda que engravatados e pomposos, para comprar através de concursos públicos manipulados, de negociatas escuras, o sangue que falta nos hospitais. A generosidade dos povos contra o banditismo do Estado. Nada existe de mais cruel, de desumano, de imoral para mostrar que este Estado e os seus vários governos, não merece os cidadãos que governa.

É verdade que a Saúde merece toda atenção, que os investimentos devem ser privilegiados pois que é o sector que cura, trata e cuida de doentes. Porém, não é possível que escorram milhões e milhões de euros por este sector da vida pública com critérios mínimos de fiscalização e controle. Quer no que respeita ao sangue, quer no que respeita à grande industria farmacêutica, quer no que respeita à gestão hospitalar. É um regabofe humilhante para quem paga impostos e espera seriedade do Estado. Há meses que a PJ persegue esta ‘máfia do sangue’ e, ao que parece, com resultados. Deve começar a perseguir as outras ‘máfias’ que na Saúde roubam milhões à custa de vidas e de sofrimento alheio. É tem de começar a dizer Basta!

Mais notícias de Ana Gonçalves

Longe

Longe

Longe: adv. Aquilo que não aquece nem arrefece; se não mexe contigo: dá-lhe distância. A distância não é o espaço entre ti e um qualquer local ou pessoa – é o espaço entre ti e o que te faz seres tu. Quem não te sente não faz parte da tua gente.

FOGO RUIM

O país emudeceu de espanto ao ver as imagens de destruição, a mortandade, a aflição de tanta gente sem destino, com o passado em chamas e sem um pedaço de futuro a que se agarrar.

Bombeiro, meu herói

Nunca os vi queixarem-se de nada, mesmo quando deixam mulheres, filhos e pais para trás, sem saber se regressam ao conforto do lar. Ali não há lugar ao cansaço, ao medo, à fome nem à sede.

O fogo na RTP, SIC e TVI

A RTP1 foi a estação que reagiu melhor, no trabalho de campo e na agilidade de grelha. A TVI ganhou no sensacionalismo. Já a SIC passou ao lado da tragédia, e perdeu em toda a linha
Solistício de verão

Solistício de verão

No dia mais feliz do ano acho que sou tão feliz em Belém como na Sardenha. E nem sequer tenho de apanhar nenhum avião. Afinal, a felicidade nunca está num lugar, está sempre ou na cabeça ou no coração. E se estiver nos dois ao mesmo tempo, então é o pleno.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável