Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O Negativo

Está neste caso o chamado Processo da compra de sangue, baptizado com o sugestivo nome de O Negativo. Negociatas feitas com compra de sangue que, esta semana, levaram mais um punhado de médicos a ser interpelados pela Justiça.
11 de junho de 2017 às 07:00

Existem crimes, que pela sua natureza malévola, que deveriam estar catalogados, tal como no Direito brasileiro, como hediondos. Não tanto pela consequência jurídica, sobretudo pelo que encerram de imoralidade e malvadez contra a vida humana.

Está neste caso o chamado Processo da compra de sangue, baptizado com o sugestivo nome de O Negativo. Negociatas feitas com compra de sangue que, esta semana, levaram mais um punhado de médicos a ser interpelados pela Justiça.

O sangue é fonte de vida. Pelo País existem centenas de organizações de dadores voluntários, gente de generosidade sem limites, que entrega um pedaço de si para salvar os seus semelhantes. Gente de todos os estratos sociais, de todas as cores, sem distinção de credos, que estende o braço e se oferece, desta forma, para salvar vidas.

A resposta do Estado a este voluntarismo generoso é escolher bandidos, ainda que engravatados e pomposos, para comprar através de concursos públicos manipulados, de negociatas escuras, o sangue que falta nos hospitais. A generosidade dos povos contra o banditismo do Estado. Nada existe de mais cruel, de desumano, de imoral para mostrar que este Estado e os seus vários governos, não merece os cidadãos que governa.

É verdade que a Saúde merece toda atenção, que os investimentos devem ser privilegiados pois que é o sector que cura, trata e cuida de doentes. Porém, não é possível que escorram milhões e milhões de euros por este sector da vida pública com critérios mínimos de fiscalização e controle. Quer no que respeita ao sangue, quer no que respeita à grande industria farmacêutica, quer no que respeita à gestão hospitalar. É um regabofe humilhante para quem paga impostos e espera seriedade do Estado. Há meses que a PJ persegue esta ‘máfia do sangue’ e, ao que parece, com resultados. Deve começar a perseguir as outras ‘máfias’ que na Saúde roubam milhões à custa de vidas e de sofrimento alheio. É tem de começar a dizer Basta!

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável