pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

O sucessor de Marcelo

Como comentador, Marques Mendes cultiva um estilo diferente do actual Presidente: mais cerebral e menos efusivo, dificilmente o veremos a oferecer um leitão ao pivô do Jornal da Noite.
07 de agosto de 2017 às 16:52

Em televisão, só há dois critérios de sucesso: ou se tem audiência, ou se tem prestígio. Não ter nem audiência nem prestígio é sinal de desastre. Bem diferente era a situação do comentador Marcelo: funcionava como uma locomotiva de audiências para a TVI, e usufruía de um elevado grau de prestígio, o qual, aliás, lhe valeu a eleição para Belém.

Terminada a carreira de Marcelo como comentador, Marques Mendes tenta reconstituir o percurso televisivo do Presidente da República (veremos, no futuro, se também ambiciona o mesmo cargo). Depois de um início no cabo, Marques Mendes passou para a SIC generalista, e ocupa o final do Jornal da Noite ao domingo, o mesmo dia da semana em que o País se habituou a ouvir o "professor Marcelo". As linhas de contacto entre os dois são mais do que simbólicas: os críticos de Marques Mendes têm-no acusado de ser uma espécie de "porta-voz" do Presidente, descodificando mensagens e dizendo em voz alta o que o chefe do Estado não pode, ou não quer dizer.

Mas Marques Mendes é um comentador diferente. Mais sóbrio. De alguma forma, mais cerebral. Menos empático que o actual Presidente. Um exemplo: dificilmente o imaginamos a oferecer um leitão da Bairrada a Clara de Sousa, em directo, como Marcelo ofereceu a Júlio Magalhães. Em contrapartida, Marques Mendes dá notícias como nenhum outro comentador televisivo, e com uma credibilidade sem par. Ele é, hoje em dia, imprescindível para o que há-de ser, no futuro, a reconstrução da informação da SIC. Assim haja inteligência estratégica suficiente na estação para manter a aposta.

Mais notícias de Piquete de polícia

Tanto Luto, Tanta Mágoa

Nunca se viu coisa assim. Tanto luto e tanta mágoa num só verão, como se mil demónios se tivessem apossado de parte do nosso país.

Eu tinha vergonha

A SIC promove uma nova novela, convida os jornalistas para o evento e só aparecem cinco actores do elenco. Cheira a falta de compromisso com a estação. Mas na RTP as coisas também não estão melhores: veja-se o caso dos Mundiais de Atletismo.

Ouro mundial sem RTP

Os feitos de Inês Henriques, a melhor do mundo nos 50 quilómetros marcha, e do campeão olímpico Nélson Évora, no triplo salto, não mereceram transmissão na televisão do Estado. Passaram no Eurosport.
O passo certo

O passo certo

Nos meus sonhos a minha casa é sempre igual. Silenciosa, romântica e serena, como o meu coração quando me apaixono. Já lá vão alguns anos desde que tal fatalidade me aconteceu.
Olha a bolinha!

Olha a bolinha!

A televisão, é por estes dias, a última escolha da grande maioria dos portugueses. O cheiro a maresia e a fragrância das estevas tomam conta dos sentidos e conduzem milhares de pessoas à praia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável