pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

O sucessor de Marcelo

Como comentador, Marques Mendes cultiva um estilo diferente do actual Presidente: mais cerebral e menos efusivo, dificilmente o veremos a oferecer um leitão ao pivô do Jornal da Noite.
07 de agosto de 2017 às 16:52

Em televisão, só há dois critérios de sucesso: ou se tem audiência, ou se tem prestígio. Não ter nem audiência nem prestígio é sinal de desastre. Bem diferente era a situação do comentador Marcelo: funcionava como uma locomotiva de audiências para a TVI, e usufruía de um elevado grau de prestígio, o qual, aliás, lhe valeu a eleição para Belém.

Terminada a carreira de Marcelo como comentador, Marques Mendes tenta reconstituir o percurso televisivo do Presidente da República (veremos, no futuro, se também ambiciona o mesmo cargo). Depois de um início no cabo, Marques Mendes passou para a SIC generalista, e ocupa o final do Jornal da Noite ao domingo, o mesmo dia da semana em que o País se habituou a ouvir o "professor Marcelo". As linhas de contacto entre os dois são mais do que simbólicas: os críticos de Marques Mendes têm-no acusado de ser uma espécie de "porta-voz" do Presidente, descodificando mensagens e dizendo em voz alta o que o chefe do Estado não pode, ou não quer dizer.

Mas Marques Mendes é um comentador diferente. Mais sóbrio. De alguma forma, mais cerebral. Menos empático que o actual Presidente. Um exemplo: dificilmente o imaginamos a oferecer um leitão da Bairrada a Clara de Sousa, em directo, como Marcelo ofereceu a Júlio Magalhães. Em contrapartida, Marques Mendes dá notícias como nenhum outro comentador televisivo, e com uma credibilidade sem par. Ele é, hoje em dia, imprescindível para o que há-de ser, no futuro, a reconstrução da informação da SIC. Assim haja inteligência estratégica suficiente na estação para manter a aposta.

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável