pub
Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Obrigado, Salvador

O vencedor do Festival da Eurovisão mostrou que o talento, neste caso musical, só faz sentido se estiver casado – sem aspas – com a humildade e a capacidade de ver o mundo a sério, de modo a tentar transformar o sonho em realidade.
20 de maio de 2017 às 08:00

Podia (e devia) falar de Salvador Sobral. Mais do que fazer história, por ter vencido categoricamente o Festival da Eurovisão, com a canção Amar pelos Dois, Salvador mostrou que o talento, neste caso musical, só faz sentido se estiver casado – sem aspas – com a humildade e a capacidade de ver o mundo a sério, de modo a tentar transformar o sonho em realidade. Um exemplo de como o jovem cantor está certo e de como (quase) tudo anda errado: em Kiev, usou uma camisola com a mensagem S.O.S. Refugees, alertando para este flagelo social, o de milhares de refugiados que chegam à Europa, fugidos da fome e da guerra. A organização proibiu-o de a usar mais, porque ali não entra política. Enfim, como se tudo não fosse política. "Se somos chamados humanos, e não animais, temos de ser humanitários", disse, mais tarde, Salvador. Perfeito! 

Mas não vou falar de Salvador. Vou abrir, aqui, uma excepção e falar da TV Guia, casa que me acolheu em 2001. É um orgulho, ao fim de 38 anos de vida e de duas mil edições, termos os melhores profissionais da televisão – e não só – do nosso lado, reconhecendo o trabalho que fazemos, dia após dia. As palavras de Judite Sousa, Ruy de Carvalho, Catarina Furtado, José Rodrigues dos Santos, Fátima Lopes, João Baião, Tânia Ribas, Fernando Mendes, Eunice Muñoz, Teresa Guilherme, Diogo Infante, Manuela Moura Guedes, Carlos Daniel e Alexandra Lencastre, entre outros, ou as colaborações, esta semana, de Ricardo Costa (director-geral de Informação do grupo Impresa), José Eduardo Moniz (consultor da TVI), Daniel Deusdado (director de Programas da RTP) e Octávio Ribeiro (director da CMTV) são um bom exemplo do respeito que ganhámos desde o n.º 1, marcava o calendário a data de 10 de Fevereiro de 1979. 

Considerada a Melhor Revista e Televisão, pela Meios & Publicidade, e sabendo que "há treinos todos os dias" –uma máxima que aprendi com o professor Moniz Pereira –,cá estaremos para fazer muito mais, já a partir de amanhã. Um obrigado sincero a todos, a começar por si, caro leitor. 

* O autor desta crónica escreve de acordo com a antiga ortografia

Mais notícias de Dicionário do Amor

Oco

Oco

Oco: adj. Aquele que, apesar de estar cheio de si, está irremediavelmente vazio.

Crimes e carreiras

Nenhum Inspector tem a seu cargo uma só investigação e são raras as vezes, no quadro de centenas de milhares de processos, em que se formam equipas dedicadas exclusivamente a um determinado crime, ou sequência de crimes.

Mais um desastre

A grande aposta do entretenimento da TVI para a rentrée, ‘Biggest Deal’, acabou de um dia para o outro. Fez-se um comunicado, com algumas inverdades, e siga para a frente. Assim vai a estação líder…
O fim de uma era na TVI

O fim de uma era na TVI

É o maior fracasso na carreira de Teresa Guilherme como apresentadora, mas é também sintoma da actual fragilidade da estação, que desiste de um formato original sem lutar por ele.
Miss Kevlar

Miss Kevlar

Eu e a minha imaginação galopante. Às vezes penso que tenho uma fábrica de ideias dentro da cabeça que funciona 365 dias por ano e nunca desliga. Coração blindado. Quem me dera ter ouvido isto há uns anos, talvez o meu coração estivesse menos amolgado.
Sorrir. Sempre!

Sorrir. Sempre!

"Devemos sorrir sempre! Até para as pessoas que não conhecemos e com as quais nos cruzamos na rua", dizia Fátima Lopes amiudadas vezes.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável