Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Obrigado, Salvador

O vencedor do Festival da Eurovisão mostrou que o talento, neste caso musical, só faz sentido se estiver casado – sem aspas – com a humildade e a capacidade de ver o mundo a sério, de modo a tentar transformar o sonho em realidade.
20 de maio de 2017 às 08:00

Podia (e devia) falar de Salvador Sobral. Mais do que fazer história, por ter vencido categoricamente o Festival da Eurovisão, com a canção Amar pelos Dois, Salvador mostrou que o talento, neste caso musical, só faz sentido se estiver casado – sem aspas – com a humildade e a capacidade de ver o mundo a sério, de modo a tentar transformar o sonho em realidade. Um exemplo de como o jovem cantor está certo e de como (quase) tudo anda errado: em Kiev, usou uma camisola com a mensagem S.O.S. Refugees, alertando para este flagelo social, o de milhares de refugiados que chegam à Europa, fugidos da fome e da guerra. A organização proibiu-o de a usar mais, porque ali não entra política. Enfim, como se tudo não fosse política. "Se somos chamados humanos, e não animais, temos de ser humanitários", disse, mais tarde, Salvador. Perfeito! 

Mas não vou falar de Salvador. Vou abrir, aqui, uma excepção e falar da TV Guia, casa que me acolheu em 2001. É um orgulho, ao fim de 38 anos de vida e de duas mil edições, termos os melhores profissionais da televisão – e não só – do nosso lado, reconhecendo o trabalho que fazemos, dia após dia. As palavras de Judite Sousa, Ruy de Carvalho, Catarina Furtado, José Rodrigues dos Santos, Fátima Lopes, João Baião, Tânia Ribas, Fernando Mendes, Eunice Muñoz, Teresa Guilherme, Diogo Infante, Manuela Moura Guedes, Carlos Daniel e Alexandra Lencastre, entre outros, ou as colaborações, esta semana, de Ricardo Costa (director-geral de Informação do grupo Impresa), José Eduardo Moniz (consultor da TVI), Daniel Deusdado (director de Programas da RTP) e Octávio Ribeiro (director da CMTV) são um bom exemplo do respeito que ganhámos desde o n.º 1, marcava o calendário a data de 10 de Fevereiro de 1979. 

Considerada a Melhor Revista e Televisão, pela Meios & Publicidade, e sabendo que "há treinos todos os dias" –uma máxima que aprendi com o professor Moniz Pereira –,cá estaremos para fazer muito mais, já a partir de amanhã. Um obrigado sincero a todos, a começar por si, caro leitor. 

* O autor desta crónica escreve de acordo com a antiga ortografia

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável