Paulo Abreu
Paulo Abreu O tal canal

Notícia

Obviamente, demitam-no

Se Nuno Artur Silva está agarrado à cadeira do poder, alguém que mande a sério na RTP ponha este administrador na rua. Estamos fartos de negócios pouco transparentes.
20 de janeiro de 2018 às 07:00

1. A RTP está a ferro e fogo, depois de uma notícia exclusiva da ‘TV Guia’, há duas semanas, que dava conta de mais negócios pouco transparentes na empresa, um deles a série ‘País Irmão’, nascida no berçário das Produções Fictícias, produtora que continua a pertencer a Nuno Artur Silva, administrador da estação pública e proprietário do Canal Q. O comunicado da Comissão de Trabalhadores, emitido na sexta-feira à noite, é sintomático.

"A actual RTP tem um director de Programas (Daniel Deusdado) que passou a sua produtora de vídeo para a posse da esposa, um administrador para a área dos Conteúdos (Nuno Artur Silva) que tem um canal de televisão em concorrência directa com a própria empresa, e um colaborador (Virgílio Castelo) que emite pareceres sobre a aquisição de projectos de ficção onde participa como actor. Isto poderia acontecer na BBC? Isto não é exemplo para nenhuma empresa pública em Portugal e não acontece em nenhuma estação de serviço público no mundo civilizado." 

Já se percebeu que, mesmo com uma nova polémica, baseada em factos verdadeiros, com as justificações mais disparatadas que se possa imaginar, com os trabalhadores revoltados, Nuno Artur Silva não quer deixar a cadeira do poder. Com uma administração prestes a ser reconduzida para um outro mandato, de três anos, é óbvio que alguém o deve demitir.

A RTP, a estação de todos os portugueses, e paga por todos os portugueses, merece melhor.

A começar pela transparência, coisa sempre rara no nosso país. Como escreveu, um dia, José Saramago, "não tenhamos pressa, mas não percamos tempo".

2. Ainda na RTP, que decidiu apostar em quatro mulheres para apresentar o Festival da Eurovisão da Canção, em Maio. Se Catarina Furtado me parece um nome consensual, se Sílvia Alberto e Daniela Ruah podem ajudar a formar uma boa equipa no palco, já a escolha de Filomena Cautela, quando a estação pública tem, por exemplo, Sónia Araújo e Tânia Ribas de Oliveira, duas profissionais talentosas, deixa-me sérias dúvidas. Aliás, todas, como se pode confirmar no programa 5 Para a Meia-Noite.

Mais notícias de O Tal Canal

O exemplo de Cláudia Vieira

O exemplo de Cláudia Vieira

A carta de uma fã sobre a humildade da actriz da SIC devia inspirar outros colegas… que fazem um frete para tirar uma ‘selfie’ com aqueles que os ajudam a ser alguém. No Algarve, houve mesmo um que disse: “Se tiver mesmo de ser…” Que vergonha!
Mais fácil

Mais fácil

Íris e eu passeamos e conversamos horas sem fim, como quem flutua por cima das coisas más, cada uma com o seu par de asas invisível, e no entanto tão poderoso. São as asas que nos levam onde queremos, quando queremos, para o coração de quem mais queremos.
Ma(donna) disto tudo

Ma(donna) disto tudo

Como é possível não conseguir vislumbrar que a presença de uma figura pública como Madonna, no nosso País, é benéfica? Afinal o que é mais provinciano? Ceder privilégios a uma figura pública com este perfil, ou permitir que a “nossa” "pequenez" se arvore e a amesquinhe.
Rei

Rei

Rei: s.m.: Aquele que ama e é amado. O mesmo que apaixonado.
Porquê, Fátima?

Porquê, Fátima?

Tirando o dinheiro que possa ganhar a mais, e ganha certamente, Fátima Lopes – tal como Manuel Luís Goucha – não acrescenta nada de importante ao seu currículo com a apresentação de ‘reality shows’.
Casados ou namorados?

Casados ou namorados?

SIC e TVI em guerra de 'reality shows'. Em Carnaxide, aposta-se em 'Casados à Primeira Vista'. Queluz de Baixo contra-ataca com 'First Dates'. Inesperadamente, as novelas da vida real vão ser o campo de batalha entre as duas estações.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável