Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Os verdadeiros amigos

Os amigos, tal como os canais de televisão, companheiros desde que nos conhecemos como gente, têm de ser escolhidos a dedo. Uns e outros carecem de dedicação extrema para se tornarem insubstituíveis.
05 de julho de 2017 às 18:54
...
Os verdadeiros amigos


As reflexões mais profundas que faço sobre televisão acontecem invariavelmente durante o período de férias. De comando na mão, com os sentidos em velocidade cruzeiro, dou por mim a navegar por centenas de canais, sendo muito poucos, aqueles onde aporto durante largos minutos.

Essa viagem noctívaga, acomodada pelo silêncio e a privacidade que tanto prezo fez-me pensar na amizade. Tal como na vida, em que não podemos ser verdadeiros amigos de todas as pessoas de quem gostamos, quando vemos televisão, e se assumirmos cada um dos canais como um potencial amigo, também nunca conseguimos estabelecer uma relação intensa com todos eles.

É impossível ter muitos amigos, por mais pessoas que nos rodeiem, por mais vontade que tenhamos de ser amigo de todas as pessoas de quem gostamos. O tempo e o espaço que ocupamos são finitos, cada vez mais exíguos, para o conseguirmos partilhar de forma indiscriminada.

Os amigos, tal como os canais de televisão, companheiros desde que nos conhecemos como gente, têm de ser escolhidos a dedo. Uns e outros carecem de dedicação extrema para se tornarem insubstituíveis, fiéis, interlocutores com quem partilhamos alegrias e tristezas, euforias e depressões; uns e outros têm de ser uma escolha nossa, racional, genuína.

Pouco esclarecidos são aqueles que continuam a achar que têm muitos amigos; que ainda não conseguiram fazer a destrinça entre os verdadeiros amigos e os "amigalhaços" de ocasião. E é com esta última espécie-em franco processo de reprodução-que temos de ter mais cautela.

É muito fácil separar o trigo do joio. Os amigos não são maus e desleais. É esse o preço da amizade: candura e lealdade.

Acreditem que um zapping de várias horas pode ajudar e muito nas nossas escolhas. Fui surpreendido com novas descobertas televisivas e também eliminei várias canais da box. Quanto aos amigos… Eles sabem quem são!

Mais notícias de TV Meu Amor

A SIC para lá do limite

Há crianças mal comportadas, famílias desestruturadas e uma psicóloga clínica, que se propõe resolver tudo, em frente às câmaras. O resultado é emocionalmente mais violento do que um 'reality show', com 'Supernanny' debaixo de fogo.
O Grito

O Grito

É sabido que o Romantismo foi um movimento cultural que só contribuiu para atrasar o mundo. Todo o herói romântico sofre muito, seja de solidão, de desamor ou de doença. E sofre porque se entrega à sua desgraça de quem, podendo escolher entre vários destinos, se atira de cabeça para o pior de todos, como quem se atira para uma piscina vazia quando se apaixona pela pessoa errada.
Omissão

Omissão

Omissão: s.f. Acto de fugir ao que nos causa problemas; o mesmo que cobardia.

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
O fim de Júlia Pinheiro

O fim de Júlia Pinheiro

Perde sempre como apresentadora e está perdida como directora. "O Goucha vai dar-nos uma sova tremenda", diz, com um "grande sorriso". Assim vai a SIC: de mal a pior.
Trapalhadas

Trapalhadas

Talvez tenha sido o debate televisivo mais desequilibrado da nossa democracia. Santana esmagou Rio. Isso significará que vai ganhar? Ou os debates na TV não são tão decisivos como se pensa?

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável