pub
Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

Pedro Chagas Freitas: Medir

Medir: v. Determinar até onde vais por amor; se és capaz de medir o que amas então não amas coisa nenhuma.
07 de agosto de 2017 às 09:11
Pedro Chagas Freitas: Medir

Transformo-me em mim através de ti.

Sou a força que tenho quando te tenho. Os outros podem pensar que são palavras vãs, declarações pueris, mas que sabem os outros do que é nosso? Nunca gostei de seguir só por seguir, de fazer só por fazer. Se penso logo amo, e é assim que
existo. Não preciso de validação, só de emoção, de uma casta de emoção que só se encontra quando se ama assim – quando te amo assim.

Antes de ti podia até amar mas não sabia o que era o amor.

Ensinaste-me a sentir melhor, a olhar para todos os lados do que a vida me dá e a escolher o mais interessante, o mais feliz. Por vezes custa, chega uma camada de depressão, uma fiada de tristeza, mas tu e eu sabemos, como todas as pessoas se
não sabem deveriam saber, que só as boas pessoas ficam deprimidas, e que são as melhores pessoas que mais erram.

É quando chego ao final do dia e não identifico nenhum erro que tenha cometido que percebo que errei em alguma coisa.

Somos pessoas porque erramos, o resto vem por acréscimo. Contigo não temo errar, foi essa a primeira lição que este nós me deu. Antes de ti receava a falha como se receasse a violência, como se a falha magoasse fundo – mas a falha acontece porque houve a tentativa, porque houve a criatividade, porque houve a ousadia. Quem faz sempre mais do mesmo não erra mas também não é.

Nunca será. Ser tem que ver com hesitar, tem que ver com tremer, tem que ver com chorar, tem que ver com euforia, com salto, com dança, com queda. Ser tem que ver com entregar: entregar tudo, all in, no momento da entrega. Antes de ti talvez
me entregasse toda mas nunca me senti toda.

Somos do tamanho dos medos que somos capazes de curar em nós.

E amamos nesse tamanho também. Mede-se o amor pelos medos que é capaz de superar, em si, por si, lado a lado, sem cessar. O nosso começou com tudo para acabar e ainda persevera, herói como só ele. Nada nos unia, éramos de mundos diferentes, mas o que faz um mundo não é quem vive nele – é quem ama nele. E é para isso, em primeira instância e em todas as instâncias, sejamos honestos, que o mundo existe: para que alguém, muitos alguéns, amem em si.

É isso o que fazemos, todos os dias, com a sensação de que não custa nada por mais que tantas vezes custe tanto. Mas quando dói entender, quando dói ceder, quando dói acreditar, basta pensar no que seria não entender, não ceder, não acreditar para
se perceber que quando se ama não existe segunda opção: ou amas ou amas, e escolhes sempre amar.

Se me pedissem para escolher entre perder-te ou morrer, responderia que a pergunta era obviamente redundante, e corria para te abraçar.

Apanhas-me, por favor?

Medir: v. Estimar a extensão do que te abala; se estás com quem não te estremece de cima a baixo, estimo bem que o mandes bugiar. A percentagem de pessoas apaixonadas que são imunes a estremecimentos provocados por quem amam é, segundo as últimas estimativas, de zero por cento, mais coisa menos coisa.

Mais notícias de Pessoas como nós

O passo certo

O passo certo

Nos meus sonhos a minha casa é sempre igual. Silenciosa, romântica e serena, como o meu coração quando me apaixono. Já lá vão alguns anos desde que tal fatalidade me aconteceu.
Olha a bolinha!

Olha a bolinha!

A televisão, é por estes dias, a última escolha da grande maioria dos portugueses. O cheiro a maresia e a fragrância das estevas tomam conta dos sentidos e conduzem milhares de pessoas à praia.
Medo

Medo

Medo: s.m. Sinónimo de existência, sinónimo de ti. Nasces para sentir medo (é por isso que choras desde o momento em que nasces: temes desde logo o que não dominas) – mas também nasces para o derrotar. Cobarde é só aquele que nunca temeu nada.

Crimes de férias

As férias são o momento mais desejado por alguém que trabalha. Venho alertar o leitor, não pode significar desatenção. Porque neste período os ladrões não param. Usam as férias para redobrar assaltos.

Estrelas só no céu

Diogo Amaral estreou-se como actor, em 2001, na TVI, com quem tinha um contrato de exclusividade. A estação queria-o agora numa nova novela e ele, há um ano de férias, recusou. Os responsáveis puseram-no na rua. Acho muito bem.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável