pub
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Planeta cor-de-rosa

Notícia

Querido Presidente...

Serve esta carta para lhe dizer que gosto de si. E que já estava com saudades de o ver com esse boné horrível, com esses calções sempre iguais, esse ar descontraído e de bem com a vida, a caminhar pelo areal...
08 de agosto de 2017 às 19:01
Querido Presidente, 

Faz de conta que esta é uma cartinha, daquelas escritas como quando éramos meninos e queríamos passar recados especiais a quem gostávamos e estava longe. Faz de conta que é um postal de verão, colocado num marco do correio de uma cidade qualquer perdida, de um vilarejo com praia por perto, já com uma nódoa de gelado e o empastelado dos dedos como calor que se sente por aqui. 

Querido Presidente Marcelo, 
dizia, 
Serve esta carta para lhe dizer que gosto de si. E que já estava com saudades de o ver com esse boné horrível, com esses calções sempre iguais, esse ar descontraído e de bem com a vida, a caminhar pelo areal, a beber água na palhota do Gigi e a dar uns valentes mergulhos na água quentinha rodeado de crianças. As mesmas crianças que cumprimentou uns minutos antes e que o seguiram como fazem com os avôs deles.

Gosto de ter um presidente assim: livre. Gosto que goste do mar, da praia, que não tenha medo das pessoas, nem interprete papéis que parecem bem ou mal. Eu sei, está a borrifar-se para essas convenções sociais todas, para o alegado protocolo, para as criticas (elas existem sempre, seja qual for a sua forma de estar). Sabe aquela frase que diz que os ricos quando o são verdadeiramente não precisam de ostentar nada, e as pessoas cultas não têm de passar a vida a puxar dos galões, e os influentes nunca chegam a impor-se... porque já são "visíveis" e fundamentais naturalmente... então, assim é o presidente Marcelo. Não precisa ser, ou parecer... porque já é. E isso é bom!

Lembro-me de me cruzar com dirigentes e chefes de Estado que estendiam a mão em festas e romarias sem olhar uma única pessoa nos olhos. Ficava com a sensação de que quando abandonavam aqueles locais deviam tomar banho em álcool etílico para tirar os micróbios dos pobrezinhos. Lembro-me de ter vontade de desinfectar a mão que me foi apertada (apertada, não, tocada de forma leve e enojada) quando saía de junto deles e sentia como eles deviam odiar tudo aquilo... o povo, a "gentalha" que os elegeu...

Pois a verdade é que com o presidente é diferente. Aperta, abraça, olha nos olhos, sorri e segue caminho. Chega. E isso faz todos felizes. Depois dá os seus mergulhos, come uma maçã, uma sandocha, lê a papelada na praia (como eu o percebo...), ajeita o boné e só não dorme uma soneca porque desconfio que não dorme há anos. Aliás, ando desconfiada que o presidente não é deste mundo: é extraterrestre! Porquê? Por tudo!
Já expliquei nestas linhas todas de carta que já vai longa.
Mas, se quiser, um destes dias explico-lhe pessoalmente. Quando a gente se cruzar aí pela praia, ou à saída da missa em Cascais, ou se calhar no Brasil, sei lá, aquela espécie de (sua e minha, julgo...) segunda casa.

E aí, posso cantar aquela até música da Elis e explicar a minha teoria:
"Alô. Alô marciano,
aqui quem fala é da Terra,
pra variar estamos em guerra, você não imagina a loucura
o ser humano tá na maior fissura porque
tá cada vez mais down the high society..."

Verdade ou não?
A gente depois fala! Agora também vou dar um mergulho, Presidente, que a terra vista do mar é mais bonita.
Beijinhos,
Luísa. 

Mais notícias de Por detrás das câmaras

É tempo de sonhar...

É tempo de sonhar...

Ai, se eu pudesse voltar a sonhar como dantes, mesmo que fosse a preto e branco. A magia da televisão vai crescendo por estes dias e atinge de forma indiscriminada milhões de pessoas que acabam por ser acometidas pelas mesmas reminiscências.
Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável