Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Planeta cor-de-rosa

Notícia

Querido Presidente...

Serve esta carta para lhe dizer que gosto de si. E que já estava com saudades de o ver com esse boné horrível, com esses calções sempre iguais, esse ar descontraído e de bem com a vida, a caminhar pelo areal...
08 de agosto de 2017 às 19:01
Querido Presidente, 

Faz de conta que esta é uma cartinha, daquelas escritas como quando éramos meninos e queríamos passar recados especiais a quem gostávamos e estava longe. Faz de conta que é um postal de verão, colocado num marco do correio de uma cidade qualquer perdida, de um vilarejo com praia por perto, já com uma nódoa de gelado e o empastelado dos dedos como calor que se sente por aqui. 

Querido Presidente Marcelo, 
dizia, 
Serve esta carta para lhe dizer que gosto de si. E que já estava com saudades de o ver com esse boné horrível, com esses calções sempre iguais, esse ar descontraído e de bem com a vida, a caminhar pelo areal, a beber água na palhota do Gigi e a dar uns valentes mergulhos na água quentinha rodeado de crianças. As mesmas crianças que cumprimentou uns minutos antes e que o seguiram como fazem com os avôs deles.

Gosto de ter um presidente assim: livre. Gosto que goste do mar, da praia, que não tenha medo das pessoas, nem interprete papéis que parecem bem ou mal. Eu sei, está a borrifar-se para essas convenções sociais todas, para o alegado protocolo, para as criticas (elas existem sempre, seja qual for a sua forma de estar). Sabe aquela frase que diz que os ricos quando o são verdadeiramente não precisam de ostentar nada, e as pessoas cultas não têm de passar a vida a puxar dos galões, e os influentes nunca chegam a impor-se... porque já são "visíveis" e fundamentais naturalmente... então, assim é o presidente Marcelo. Não precisa ser, ou parecer... porque já é. E isso é bom!

Lembro-me de me cruzar com dirigentes e chefes de Estado que estendiam a mão em festas e romarias sem olhar uma única pessoa nos olhos. Ficava com a sensação de que quando abandonavam aqueles locais deviam tomar banho em álcool etílico para tirar os micróbios dos pobrezinhos. Lembro-me de ter vontade de desinfectar a mão que me foi apertada (apertada, não, tocada de forma leve e enojada) quando saía de junto deles e sentia como eles deviam odiar tudo aquilo... o povo, a "gentalha" que os elegeu...

Pois a verdade é que com o presidente é diferente. Aperta, abraça, olha nos olhos, sorri e segue caminho. Chega. E isso faz todos felizes. Depois dá os seus mergulhos, come uma maçã, uma sandocha, lê a papelada na praia (como eu o percebo...), ajeita o boné e só não dorme uma soneca porque desconfio que não dorme há anos. Aliás, ando desconfiada que o presidente não é deste mundo: é extraterrestre! Porquê? Por tudo!
Já expliquei nestas linhas todas de carta que já vai longa.
Mas, se quiser, um destes dias explico-lhe pessoalmente. Quando a gente se cruzar aí pela praia, ou à saída da missa em Cascais, ou se calhar no Brasil, sei lá, aquela espécie de (sua e minha, julgo...) segunda casa.

E aí, posso cantar aquela até música da Elis e explicar a minha teoria:
"Alô. Alô marciano,
aqui quem fala é da Terra,
pra variar estamos em guerra, você não imagina a loucura
o ser humano tá na maior fissura porque
tá cada vez mais down the high society..."

Verdade ou não?
A gente depois fala! Agora também vou dar um mergulho, Presidente, que a terra vista do mar é mais bonita.
Beijinhos,
Luísa. 

Mais notícias de Televisão Meu amor

Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.
Redoma

Redoma

Redoma: s.f.: Único espaço do mundo que, apesar de exíguo, é infinito. Somos do tamanho do que conseguimos suportar, e mais ainda do tamanho do que conseguimos superar.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável