Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores piquete de polícia

Notícia

Ressaca de Fátima

A explosão de uma bomba naquele recinto de fé teria lançado o caos e destruído uma bela festa religiosa e assumiria proporções mundiais.
19 de maio de 2017 às 08:00

Sabendo-se que grandes multidões são alvos apetecíveis para os terroristas, a preparação da operação, que assegurava tranquilidade às centenas de milhares de pessoas que esperava o Papa Francisco, foi um trabalho gigantesco que correu longe do olhar dos curiosos. A explosão de uma bomba naquele recinto de fé teria lançado o caos e destruído uma bela festa religiosa e assumiria proporções mundiais.

Felizmente não foi assim. Desde o encerramento das fronteiras, passando pelo controlo apertado do espaço aéreo até aos serviços de informações e policiamento de proximidade, todos os aspectos da segurança foram assegurados e, como sempre, quando as coisas correm bem, não existem notícias nem se fala deste esforço invisível.

Apenas com uma reserva. As desastradas declarações da ministra da Administração Interna, a propósito das acomodações dos militares da Guarda Republicana mobilizados para prestar serviço naquele recinto. Dormindo em colchões espalhados pelo chão de grandes pavilhões, houve da parte dos militares queixas da falta de condições pois não havia casas de banho acessíveis para perto de dois mil homens. O comentário da ministra quis ser jocoso, sugerindo que talvez estivessem sem protestos se ficassem alojados num hotel de cinco estrelas.

Não teve a resposta que merecia. Em hotéis de cinco estrelas ficam alojados ministros e não deve haver um agente policial que sonhe ascender a esse panteão de deuses, por mais medíocres que sejam. É certo que estavam numa operação de grande envergadura e responsabilidade. Porém, as condições mínimas de sobrevivência são elementares quando se trata de logística. Sobretudo de casas de banho. Ora não perceber isto, revela como voltamos sempre à velha necessidade de recordar que polícias e guardas não são bichos. Coisa que a senhora ministra parece ignorar.

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável