Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores

Notícia

Roubar a eito!

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. E não foi o primeiro...
11 de julho de 2017 às 00:00

Esta semana o país ficou boquiaberto com dois acontecimentos. Um deles, já com história feita, em que foram detidos vários oficiais e sargentos do exército por se abotoarem com o "paiol dos melões", isto é, aproveitando os serviços de alimentação das tropas, terão enriquecido à custa de ranchos comprados ao preço da uva mijona e pagos como se fosse outro. A diferença de valor entre a comida servida e os bens alimentares realmente pagos era distribuída democraticamente pelos vários guardiões do economato. Nada de novo.

A tropa tem muitas histórias ligadas ao desvio de massa no que respeita à compra de víveres. Conta-se, até, a história de um oficial famoso que fez fortuna com especialidade em negócio de batatas... Seja como for, um acto banal. Nenhuma profissão é tão bacteriologicamente pura que não exista no seu seio gatuno ou burlão que se presta a este tipo de ordinarices.

Por outro lado, já fora da gatunice vulgar, um grupo, que se presume organizado, conseguiu assaltar verdadeiros paióis militares, levando consigo armamento suficiente para devastar uma cidade a tiro e explosões. Um caso de gravidade extrema que tem provocado a estupefacção e a ironia da imprensa nacional e estrangeira.

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. Não foi o primeiro. Nos últimos anos, aconteceu coisa idêntica, embora com menor força destrutiva, numa unidade de Comandos e, até, da sede nacional da PSP. Paióis com vigilância escassa, armas e explosivos sossegadamente expostos à determinação de ladrões de alto coturno. Segundo se diz, ao serviço do terrorismo.

Dito por outras palavras, enquanto os outros países europeus apertam os círculos de vigilância a terroristas e às logísticas que os apoiam, por cá, permitimo-nos a este escândalo inqualificável. Ah, só falta acrescentar uma coisa: temos um ministro da Defesa, mas ele próprio não sabe. Se o soubesse, há muito que tinha pedido desculpa aos portugueses e ia tratar da vidinha num outro tacho qualquer...

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Vestidos compridos e outros fantasmas

Vestidos compridos e outros fantasmas

O problema com a beleza é que nos tolda em relação à verdadeira essência humana. Nunca ninguém conseguiu provar cientificamente que as pessoas bonitas são boas pessoas. Pelo contrário, a vida vai, não raro, mostrando que o oposto prevalece. Conheço verdadeiros diabretes com cara de anjo, cabelos ondulados à princesa da Disney e sorrisos cândidos próprios de quem não parte um prato.
A milícia de Alcochete

A milícia de Alcochete

A imagem de um conjunto de jovens encapuzados, a correr de forma agressiva na direcção da câmara, tem uma tal força e impacto que alterou a relação da sociedade com a violência no desporto.
Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável