pub
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores

Notícia

Roubar a eito!

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. E não foi o primeiro...
11 de julho de 2017 às 00:00

Esta semana o país ficou boquiaberto com dois acontecimentos. Um deles, já com história feita, em que foram detidos vários oficiais e sargentos do exército por se abotoarem com o "paiol dos melões", isto é, aproveitando os serviços de alimentação das tropas, terão enriquecido à custa de ranchos comprados ao preço da uva mijona e pagos como se fosse outro. A diferença de valor entre a comida servida e os bens alimentares realmente pagos era distribuída democraticamente pelos vários guardiões do economato. Nada de novo.

A tropa tem muitas histórias ligadas ao desvio de massa no que respeita à compra de víveres. Conta-se, até, a história de um oficial famoso que fez fortuna com especialidade em negócio de batatas... Seja como for, um acto banal. Nenhuma profissão é tão bacteriologicamente pura que não exista no seu seio gatuno ou burlão que se presta a este tipo de ordinarices.

Por outro lado, já fora da gatunice vulgar, um grupo, que se presume organizado, conseguiu assaltar verdadeiros paióis militares, levando consigo armamento suficiente para devastar uma cidade a tiro e explosões. Um caso de gravidade extrema que tem provocado a estupefacção e a ironia da imprensa nacional e estrangeira.

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. Não foi o primeiro. Nos últimos anos, aconteceu coisa idêntica, embora com menor força destrutiva, numa unidade de Comandos e, até, da sede nacional da PSP. Paióis com vigilância escassa, armas e explosivos sossegadamente expostos à determinação de ladrões de alto coturno. Segundo se diz, ao serviço do terrorismo.

Dito por outras palavras, enquanto os outros países europeus apertam os círculos de vigilância a terroristas e às logísticas que os apoiam, por cá, permitimo-nos a este escândalo inqualificável. Ah, só falta acrescentar uma coisa: temos um ministro da Defesa, mas ele próprio não sabe. Se o soubesse, há muito que tinha pedido desculpa aos portugueses e ia tratar da vidinha num outro tacho qualquer...

Mais notícias de O tal canal

Mais um desastre

A grande aposta do entretenimento da TVI para a rentrée, ‘Biggest Deal’, acabou de um dia para o outro. Fez-se um comunicado, com algumas inverdades, e siga para a frente. Assim vai a estação líder…
O fim de uma era na TVI

O fim de uma era na TVI

É o maior fracasso na carreira de Teresa Guilherme como apresentadora, mas é também sintoma da actual fragilidade da estação, que desiste de um formato original sem lutar por ele.
Miss Kevlar

Miss Kevlar

Eu e a minha imaginação galopante. Às vezes penso que tenho uma fábrica de ideias dentro da cabeça que funciona 365 dias por ano e nunca desliga. Coração blindado. Quem me dera ter ouvido isto há uns anos, talvez o meu coração estivesse menos amolgado.
Sorrir. Sempre!

Sorrir. Sempre!

"Devemos sorrir sempre! Até para as pessoas que não conhecemos e com as quais nos cruzamos na rua", dizia Fátima Lopes amiudadas vezes.

Bárbara Guimarães

Dificilmente Manuel Maria Carrilho vai escapar ao cumprimento de pena de prisão efectiva. Já condenado em dois processos com sentenças suspensas, vai liquidar a expectativa de viver as condenações por violência doméstica em liberdade.
Ocaso

Ocaso

Ocaso: s.m. Momento em que tudo se apaga no meio de nós; não precisamos de luz para ver o amor — precisamos do amor para ver a luz.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável