Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores

Notícia

Roubar a eito!

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. E não foi o primeiro...
11 de julho de 2017 às 00:00

Esta semana o país ficou boquiaberto com dois acontecimentos. Um deles, já com história feita, em que foram detidos vários oficiais e sargentos do exército por se abotoarem com o "paiol dos melões", isto é, aproveitando os serviços de alimentação das tropas, terão enriquecido à custa de ranchos comprados ao preço da uva mijona e pagos como se fosse outro. A diferença de valor entre a comida servida e os bens alimentares realmente pagos era distribuída democraticamente pelos vários guardiões do economato. Nada de novo.

A tropa tem muitas histórias ligadas ao desvio de massa no que respeita à compra de víveres. Conta-se, até, a história de um oficial famoso que fez fortuna com especialidade em negócio de batatas... Seja como for, um acto banal. Nenhuma profissão é tão bacteriologicamente pura que não exista no seu seio gatuno ou burlão que se presta a este tipo de ordinarices.

Por outro lado, já fora da gatunice vulgar, um grupo, que se presume organizado, conseguiu assaltar verdadeiros paióis militares, levando consigo armamento suficiente para devastar uma cidade a tiro e explosões. Um caso de gravidade extrema que tem provocado a estupefacção e a ironia da imprensa nacional e estrangeira.

Este assalto é um punhal apontado aos níveis de responsabilidade, de segurança, de consciência de usar armas ao serviço do Estado. Não foi o primeiro. Nos últimos anos, aconteceu coisa idêntica, embora com menor força destrutiva, numa unidade de Comandos e, até, da sede nacional da PSP. Paióis com vigilância escassa, armas e explosivos sossegadamente expostos à determinação de ladrões de alto coturno. Segundo se diz, ao serviço do terrorismo.

Dito por outras palavras, enquanto os outros países europeus apertam os círculos de vigilância a terroristas e às logísticas que os apoiam, por cá, permitimo-nos a este escândalo inqualificável. Ah, só falta acrescentar uma coisa: temos um ministro da Defesa, mas ele próprio não sabe. Se o soubesse, há muito que tinha pedido desculpa aos portugueses e ia tratar da vidinha num outro tacho qualquer...

Mais notícias de O tal canal

Obviamente, demitam-no

Se Nuno Artur Silva está agarrado à cadeira do poder, alguém que mande a sério na RTP ponha este administrador na rua. Estamos fartos de negócios pouco transparentes.

A SIC para lá do limite

Há crianças mal comportadas, famílias desestruturadas e uma psicóloga clínica, que se propõe resolver tudo, em frente às câmaras. O resultado é emocionalmente mais violento do que um 'reality show', com 'Supernanny' debaixo de fogo.
O Grito

O Grito

É sabido que o Romantismo foi um movimento cultural que só contribuiu para atrasar o mundo. Todo o herói romântico sofre muito, seja de solidão, de desamor ou de doença. E sofre porque se entrega à sua desgraça de quem, podendo escolher entre vários destinos, se atira de cabeça para o pior de todos, como quem se atira para uma piscina vazia quando se apaixona pela pessoa errada.
Omissão

Omissão

Omissão: s.f. Acto de fugir ao que nos causa problemas; o mesmo que cobardia.

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
O fim de Júlia Pinheiro

O fim de Júlia Pinheiro

Perde sempre como apresentadora e está perdida como directora. "O Goucha vai dar-nos uma sova tremenda", diz, com um "grande sorriso". Assim vai a SIC: de mal a pior.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável