pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TELEVISÃO MEU AMOR

Notícia

Rumo ao Canal-Selecção

Segredos, bastidores e intimidades, numa espécie de Big Brother do futebol: desta vez, o programa com imagens inéditas da equipa portuguesa foi produzido pela própria Federação.
21 de julho de 2017 às 15:03

O apetite das televisões pelas imagens dos bastidores do futebol é voraz, e acentua-se quando se trata de campeões.

É o mesmo género de atração que faz o sucesso de um 'reality show': espreitar pela fechadura e ver a intimidade, descobrir os segredos, ver o Big Brother do futebol. No passado, isso já proporcionou aos portugueses programas diários, executados e emitidos durante os torneios.

Em 2012, um operador de câmara da Federação gravava imagens, entregues à SIC, que as emitia em horário nobre. Foi o primeiro teste do género, mas o 'Vamos Lá, Portugal' não foi um sucesso, limitado à escolha prévia, feita pela FPF, para proteger sensibilidades. Este volta a ser o ponto vulnerável do documentário sobre o Euro’16, que a RTP exibiu em dois dias, a seguir ao Telejornal, de novo com resultados abaixo do expectável.

Desta vez, a autoria foi da FPF, que deu um passo rumo à emancipação como produtora dos seus próprios conteúdos. O racional é simples: se os clubes têm os seus canais, qual o motivo para que a Selecção não tenha? As vantagens para o controlo das mensagens e para a rentabilização comercial são óbvias. As desvantagens também: o trabalho teve depoimentos e boas imagens, mas que se limitavam a mostrar outros ângulos do que já se tinha visto. Teve poucos bastidores, raros momentos de intimidade, e quase nenhum segredo. A excepção terá sido a revelação dos dotes de dançarino de Fernando Santos. Pouco para o que se queria ilustrar: a emoção de um triunfo, os bastidores da glória.  Criar um "canal-Selecção" pode ser um achado valioso. Porém, há, ainda, muito a percorrer.                                                                 

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável