Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Separados Pela Vida

Sem artificialismos ou produções megalómanas, 'Separados Pela Vida', é um conteúdo marcado pela emoção. Pura. Aqueles cuja vida se encarregou de separar e que já muitos desistiram de juntar, têm-se reencontrado, desde o dia 1 de julho, neste programa.
14 de julho de 2017 às 13:36
...
Separados Pela Vida
Foto: cofina media

Fazer televisão de forma genuína é, nos dias que correm, uma tarefa difícil, um desafio que só pode ser enfrentado, olhos nos olhos, por quem trabalha com o único compromisso de servir os telespectadores.

O programa 'Separados Pela Vida', apresentado por Duarte Siopa, na CMTV, mais do que preencher um lugar, que há muito se encontrava abandonado na televisão portuguesa, é a prova irrefutável de que o segredo do sucesso no pequeno ecrã anda sempre de braço dado com a simplicidade.

Sem artificialismos ou produções megalómanas, 'Separados Pela Vida', é um conteúdo marcado pela emoção. Pura. Aqueles cuja vida se encarregou de separar e que já muitos desistiram de juntar, têm-se reencontrado, desde o dia 1 de julho, neste programa.

Durante 30 minutos olho para o ecrã e vejo pessoas que não tiveram receio de desafiar o destino, de enfrentar a fatalidade; vejo reportagens assertivas e que não se deixam embalar pela "lamechice".

Quando ainda vinha longe a estreia do programa fui desafiado a participar no primeiro ensaio. Depois de me sentar na cadeira do estúdio e já com as câmaras ligadas passei a vestir a pele de um homem amargo, triste e frustrado pelo facto de viver longe das filhas.

O vício do álcool e as amantes haviam destruído o mais precioso dos tesouros: a família. Mas o homem, de rosto marcado pelo arrependimento, iria ter a oportunidade de amenizar o mal que fez.

Existirá algo mais penoso do que viver sem ver, tocar e cheirar quem mais amamos? Parabéns Duarte Siopa, Isabel Cerqueira (produtora) e Ana Botto (jornalista) pela forma dedicada com que abraçaram este repto. A recompensa, essa, não tem preço nem limite.

 

Mais notícias de Dicionário do Amor

Pai

Pai

Pai: s.m. Criatura mágica, avistada apenas por filhos amados. A magia de algo, ou de alguém, está em quem a vê — e não em quem a faz.

O sexo e a Igreja

As relações e reflexões da Igreja sobre a sexualidade são dos momentos mais terríveis na história desta instituição eclesial e com a qual continua sem acertar o passo.
O Gordo vive e aperta com Cristina

O Gordo vive e aperta com Cristina

Fernando Mendes tem público, tem carisma e uma genuinidade incrível. Quem se apressou neste quase último ano a fazer-lhe um funeral estava bem enganado.

O futsal já cria heróis

Final do Europeu teve audiência digna de jogo de futebol. A chegada a Portugal dos jogadores da Selecção Nacional levou uma pequena multidão às ruas, em domingo de Carnaval, provando a capacidade de mobilização da modalidade.
Eu quero que tu sejas a minha mãe

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.
Ópio

Ópio

Ópio: s.m. Aquilo que serve para salvar os desapaixonados do tédio; só quem não ama se entedia.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável