Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu amor

Notícia

SIC, como foi possível?

A carreira de 'Supernnany' chegou ao fim. Ao insistir num formato que foi, objectivamente, um erro gravíssimo, Carnaxide criou condições para uma decisão judicial que, sendo justa, representa um precedente perigoso. Culpa da estação.
02 de fevereiro de 2018 às 07:00
...
SIC, como foi possível?

O mal está feito. Primeiro, ao decidir colocar em grelha a 'Supernanny', a SIC errou, porque decidiu apostar num conceito do século passado, quando, nos dias de hoje, a mobilização da sociedade em defesa de causas e das vítimas, mesmo contra os media, já é muito diferente dos tempos em que as televisões tinham lideranças iluminadas, à maneira de Rangel e Moniz.

Pior: não contente com este erro de percepção, a estação ignorou os sinais dados pelas críticas feitas à primeira emissão, e manteve o formato no ar.

Ora, o programa ultrapassava todos os limites. Sim, o dano causado à reputação do canal será problema exclusivo de Carnaxide. Já o facto de a SIC ter aberto o flanco a uma intervenção judicial sobre um programa televisivo é um gravíssimo precedente ao nível da liberdade de expressão.

Na verdade, a estação deu motivos à justiça para intervir, escudada em princípios simples, cristalinos e perceptíveis por toda a sociedade: o tribunal decidiu em nome da defesa do superior interesse das crianças. Nada mais claro, e inatacável.

Aqui chegados, é imperioso perguntar: como foi possível? Como chegou a SIC a este patamar de degradação total da responsabilidade e do reconhecimento social da estação? Como foi possível o líder histórico da empresa, Francisco Pinto Balsemão, ter ficado sozinho, a liderar uma reunião com Luís Proença e Ricardo Costa, para colocar algum bom senso na companhia? O comunicado da SIC não fala em retomar o programa. Fez bem. O melhor é aproveitar este silêncio, deixar a 'Supernanny' cair no esquecimento, e trabalhar para recuperar o prestígio do canal.

Mais notícias de Dicionário do amor

Querer

Querer

Querer: v. O que realmente comanda a vida. Quem mudou o mundo não foram os sonhadores; foram os queredores: os que quiseram tanto que acabaram por fazer mesmo o que tanto quiseram.
Esperando os incêndios

Esperando os incêndios

Começa a cheirar a verão e, com ele, os incêndios estão à porta. Entramos nesta época carregando os traumas e o horror das tragédias do ano passado.
Fátima é grande!

Fátima é grande!

As palavras da filha são claras: durante 15 anos, a apresentadora fez de mãe e de pai em casa. Quantas vezes a estrela da TVI não terá tido vontade de fugir? Pois, mas esteve sempre com os espectadores.
Somos sempre os mesmos 300

Somos sempre os mesmos 300

O Tinder, essa aplicação que aproxima ainda mais quem já esta na área. Há quem diga que já se casou, que fez amizades para a vida, tanto oiço histórias da carochinha como de engates manhosos. Nunca vou saber como funciona, mas parece que anda meio mundo por ali, a navegar no pastel de nata virtual, à procura de sexo gratuito porque não imagino que marquem encontros para ir ao Arco ver arte contemporânea.
E depois do Adeus?

E depois do Adeus?

Canal 1 voltou ao patamar anterior assim que acabou a festa. A RTP tratou com competência, mas sem brilho, um dos maiores desafios da sua História: realizar o Eurofestival em Portugal.
Conto de fadas

Conto de fadas

A três dias da boda real são ainda muitas as dúvidas sobre alguns detalhes, pormenores que fazem aumentar a expectativa de milhões de espetadores. Irá Harry utilizar aliança? A pergunta não é desfasada se considerarmos que o irmão William não optou por esse símbolo em 2011.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável