pub
Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Solistício de verão

No dia mais feliz do ano acho que sou tão feliz em Belém como na Sardenha. E nem sequer tenho de apanhar nenhum avião. Afinal, a felicidade nunca está num lugar, está sempre ou na cabeça ou no coração. E se estiver nos dois ao mesmo tempo, então é o pleno.
23 de junho de 2017 às 07:00
...
Solistício de verão
- Não se porquê, mas sou sempre feliz neste dia - disseste-me no final do jantar, ameijoas e percebes, jaquinzinhos e mousse, tudo bem regado a Planalto, que é aquele branco de valor seguro que nunca falha e cai sempre bem.

Também me estavas a cair bem na conversa, com o teu sorriso aberto e a tua camisa branca. Sempre gostei de te ver de fato escuro e de camisa branca, o cabelo curto e a barba aparada, acho que a partir dos 40 os homens devem andar quase sempre assim, fica-lhes bem a sobriedade, dá-lhes estilo, e às mulheres dá segurança.

Depois dos 40 já não temos paciência para tipos vestidos à putos, com a barba por fazer, o cabelo comprido, as calças de ganga largas e a t-shirts coçadas. Ficam com ar de mitras, ou de trolhas, e nenhuma mulher no seu perfeito juízo ambiciona a tal. Sempres foste giro, quando te conheci há uns anos já não estavas nada mal, mas parece que a idade cai bem aos homens que se fazem senhores, embora o bom caráter não se compre como um par de sapatos italianos. Personalidade e caráter não te faltam e uma coleção de namoradas também não.

Desde que te conheço já vi desfilarem quatro oficiais, porque das outras não reza a história, as aventuras das viagens, do acaso e das saídas tardias que a teu bom senso guarda na gaveta das mulheres esquecíveis.

Ao longo do jantar ainda tentaste agarrar-me a mão, mas em vez de a recolher, dei-te uma palmada e disse menos, e tu riste da minha atitude. Também te riste quando pus os óculos para escolher a sobremesa, chamaste-me professorinha e dobrei a língua para não te dizer tudo o que me apetecia ensinar-te se fosse tua namorada.

- Nunca me saíste da cabeça, és uma história mal resolvida. Há pessoas que passam na nossa vida e há outras que ficam. Nunca me esqueci de ti, depois de todos estes anos. Não te respondi porque não sei se foram dois ou quatro, o tempo nãos abe nada, o tempo não tem razão, lá diz o Jorge Palma e se alguém sabe dos assuntos do amor é com certeza ele. O sol já tinha posto, o rio demorou a escurecer, como se tivesse acumulado na superfície das águas toda a luz de muitos dias.

- Então e tu?

Podia dizer-te que o meu coração ainda estava mal colado, mas como sempre achaste que eu era uma pessoa forte, respondi:

- Eu estou ótima.

- E porque não tens ninguém?

- Porque não quero um esquema, um caso, uma aventura, um caminho sem saída, um namorado iô-iô, um sub-produto de uma relação. Se vier alguém, que seja para acrescentar valor. Se é para me cansar, de desgastar e me chatear, então o melhor é ficar quieto.

- Tu sabes que eu não vou ficar quieto, pois não?

- Vais fazer o que eu te disser para fazer, porque são as mulheres que mandam.

- E nós obedecemos.

E sorriste outra vez.

- Queres ir à Sardenha comigo? Água quente e cristalina, paisagens lindas, restaurantes e hotéis ótimos, um sossego que nem imaginas… já foste.

Nunca fui à Sardenha, toda a gente diz que é lindo. Penso duas vezes no assunto, e depois penso outra vez. E se eu disser que sim? E se me deixar ir e for feliz? E se o feitiço se quebrar a conseguir voltar a mim?

- Já estás a sorrir, isso quer dizer que sim?

Fiquei calada a olhar para o rio. Lisboa está cada vez mais bonita. No dia mais feliz do ano acho que sou tão feliz em Belém como na Sardenha. E nem sequer tenho de apanhar nenhum avião.

Afinal, a felicidade nunca está num lugar, está sempre ou na cabeça ou no coração. E se estiver nos dois ao mesmo tempo, então é o pleno.

Mais notícias de Dicionário do amor

Ofender

Ofender

Ofender: v. Aquilo que só fazes a quem te ama; quando alguém que não amas te ofende não te ofende coisa nenhuma — e é sequer pensar que o faz que é ofensivo.

Violência juvenil

É certo que a culpa é de quem matou e a eles devem ser imputada a responsabilidade criminal sobre o sucedido. Em matéria criminal, essas duas dimensões da nossa existência social é individual.
SIC e TVi24: tiros nos pés

SIC e TVi24: tiros nos pés

A SIC acaba com ‘Juntos à Tarde’, de João Baião e Rita Ferro Rodrigues, em menos de um ano. E a TVI24 quase parece a BTV… Um desastre total.
Os pesadelos da TV

Os pesadelos da TV

As séries da RTP, os reality shows da TVI e os formatos da SIC ao domingo são os principais flops do ano, na área do entretenimento e ficção. Segunda parte do balanço de 2017 na televisão portuguesa.
Não podemos deixar que os rios sequem

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.
Canais em banho-maria

Canais em banho-maria

Por razões diferentes, este foi um ano perdido, tanto para a TVI, como para a SIC. Não houve dinheiro nem ideias, e o ano acaba como começou: programação pobre e grelhas sem rasgos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável