pub
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues

Notícia

Um Verão com CR7

Com mais crianças em casa, o cabo vai continuar a subir. Nas generalistas, a RTP1 vai ter dois meses de ouro por causa da Selecção, e isso vai acentuar o nervosismo na SIC.
09 de junho de 2017 às 15:12

O Verão chega com as audiências dos 3 canais em sinal aberto estabilizadas, mas todos com enormes desafios pela frente. Vamos por partes: a TVI está inamovível na liderança. De janeiro a maio, oscilou sempre entre os 21 e os 22 pontos de share diário mensal.

Conquistado o horário das 19 horas, o grande desafio para Queluz de Baixo é, agora, combater o desgaste das noites de domingo, com o fim do Pesadelo na Cozinha (que se despediu com mais um recorde no último episódio).

A tarefa está facilitada pela fraqueza da SIC neste horário. Já no day time, a liderança da TVI está menos sólida, com fragilidades na manhã, devido à nova aventura de Cristina Ferreira, e a tarde a aguentar bem, mas sem arrasar. Para a RTP, o Verão vai trazer nova barrigada de jogos da Selecção, e isso vai mexer com as audiências.

Em junho e julho, o canal 1 da RTP terá, pelo menos, duas dezenas de jogos, sendo que, no mínimo, quatro deles terão a equipa de Portugal, quer na Letónia, onde se joga o apuramento para o Mundial, quer na Rússia, onde CR7 e companhia vão jogar a Taça das Confederações. A RTP1, que já atravessou enormes dificuldades em 2017, teve em maio o melhor resultado do ano, com 13,7% de share médio diário.

Com tanto futebol, a televisão do Estado não conseguirá chegar à liderança, mas vai continuar a crescer nos próximos meses, até morder os calcanhares à SIC. Isso acentuará o nervosismo em Carnaxide. Vem aí um Verão em cheio para Ronaldo, mas sem grandes novidades televisivas: desgaste das generalistas, crecimento do cabo. As grandes revoluções nos canais só chegam em setembro. 

Mais notícias de Dicionário do Amor

Nunca

Nunca

Nunca: adv. Aquilo que, apesar de definitivo, tende a não ser eterno. Nunca sintas nunca.
A tragédia

A tragédia

É que quatro meses depois, em Pedrógão Grande contam-se pelos dedos da mão os sinais de recuperação. Nem os fundos de solidariedade criado com o dinheiro que generosamente oferecemos ainda não havia chegado às vítimas.
Coitado de Sócrates

Coitado de Sócrates

As duas perguntas finais ao antigo primeiro-ministro não são perguntas do Correio da Manhã. São de jornalistas, profissionais e isentos, que sabem fazer perguntas. Daquelas que interessam.
Ó gente da minha terra

Ó gente da minha terra

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado.
Sócrates irritou-se

Sócrates irritou-se

Vítor Gonçalves preparou-se com cuidado, quer no conteúdo, quer na pose e na expressão. O principal arguido da Operação Marquês já não estava habituado a responder a um jornalista, e isso fez toda a diferença.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável