Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu Amor

Notícia

Vantagem para a RTP

Num ano cheio de notícias de grande impacto, os três generalistas reagiram bem, com algumas excepções. Já no cabo, as estações passaram a agir como se se preparassem para fechar os canais de notícias.
15 de dezembro de 2017 às 07:00

O ano começou com o Telejornal a ganhar à concorrência. Com alinhamentos mais escorreitos, o noticiário da RTP1 beneficiou de uma conjuntura de grelha favorável. A vantagem, histórica, revelou-se circunstancial, pois não resistiu ao reforço da TVI, às 7 da tarde. Quando o "gordo" fraquejou, o Telejornal caiu. Mas isso não tira mérito à informação da RTP, única área da empresa que dá cartas. 2017 teve duas notícias principais: os mais de 100 mortos nos fogos, e a acusação, inédita, a um antigo Primeiro-Ministro.

A RTP foi quem melhor aliou eficácia e independência. Deixou a SIC para trás, tecnologicamente antiquada e sem qualquer agilidade, e superiorizou-se, também, à TVI, mostrando independência que a estação de Queluz não pode ostentar, porque está capturada por interesses anti-jornalísticos. Nos fogos, a RTP foi a generalista que chegou primeiro a mais sítios. Mostrou, porém, o mesmo desprezo que SIC e TVI pela informação no cabo. As estações agem como se estivessem para fechar os canais de notícias, sujeitando-os a um apagão vergonhoso em situações de alerta nacional. A falha nos incêndios repetiu-se na tempestade do fim de semana passado.

Mais uma vez, só a CMTV informou em permanência. Já o caso Sócrates reforçou a percepção de independência da RTP, em contraponto, sobretudo, com a TVI. Nesta matéria, destacou-se um entrevistador que amadurece: Vítor Gonçalves. Por fim, boa nota para Pedro Coelho, Ana Leal e o Sexta às 9: jornalismo de qualidade nos três canais generalistas, Para a semana, o melhor e o pior da televisão portuguesa, em 2017.

Mais notícias de Televisão Meu amor

Embaixador do futebol

Embaixador do futebol

Só mesmo uma conferência de imprensa de CR7 seria capaz de desviar as atenções globais  da consagração da equipa francesa, nova bicampeã do mundo, pelas ruas de Paris.
Verão cinzento

Verão cinzento

Precisamos de parar para pensar. Precisamos de parar para mudar o que ainda vamos a tempo de mudar. E fazer dessa mudança um hábito diário. Dizer boa tarde quando entramos num elevador. Conversar com a senhora que lava as escadas do prédio. Visitar aquele familiar que mora longe. Dormir sem o telemóvel na cabeceira. Mandar menos e mensagens e dar mais abraços. Enviar menos emojis e mais poesia. Usar mais o dom da palavra que é o poder que temos sobre o mundo. Ter mais tempo para os outros. Ouvir mais o coração.
Refazer

Refazer

Refazer: v.: O mesmo que viver. Quem nunca teve de se refazer nunca soube o que era viver.
Resgate em directo

Resgate em directo

O drama das 12 crianças e do seu treinador, retirados do labirinto de uma gruta pelos esforços dos mergulhadores, foi um evento global que emocionou o mundo através da televisão.
Bolas de Berlim

Bolas de Berlim

Era uma senhora típica do Estado Novo: para fora vivia para o marido, a casa e os filhos, por dentro implodia de tédio, sem a capacidade de entender porque sentia tanta neura. Na época usava-se o termo neurasténica, uma espécie de genérico para as maleitas do espírito e do coração femininos.
Redoma

Redoma

Redoma: s.f.: Único espaço do mundo que, apesar de exíguo, é infinito. Somos do tamanho do que conseguimos suportar, e mais ainda do tamanho do que conseguimos superar.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável