pub
Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto pessoas como nós

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.

O apelo da vida

A grande questão nas relações amorosas não é o amor em si. Nem sequer é a ausência deste. A grande questão é se as duas pessoas envolvidas querem ou não a mesma coisa da relação, do outro e da vida.

Pessoal e intransmissível

A vertigem do amor proibido é parte integrante da condição humana, assim como o desejo, a vontade, o erotismo que envolve uma grande paixão. A grande questão é conseguir que a loucura de um amor impossível não domine a nossa vida e que a fantasia não destrua a realidade.

Miss Kevlar

Eu e a minha imaginação galopante. Às vezes penso que tenho uma fábrica de ideias dentro da cabeça que funciona 365 dias por ano e nunca desliga. Coração blindado. Quem me dera ter ouvido isto há uns anos, talvez o meu coração estivesse menos amolgado.

Meia torrada

Atração não é amor, desejo não é amor, e até mesmo o uma paixão tórrida, se não incluir entrega, estima e sentido proteção, também não é amor. Até chegarmos ao amor, temos de ter muito cuidado com as imitações.

Olho que vê, mão que pilha

Num momento estamos sentadas num bar a beber Pisco Sours e a observar o ambiente, no momento seguinte ela pode fazer um disparate qualquer que muda o rumo da noite, e, quem sabe, o seu destino. É uma repentista nata...

Amigo não empata amigo

O Paulo é fixe, não tem muito jeito para a coisa mas gosta de ver filmes lamechas como eu e não se importa de me passear o cão todas as manhãs. Quem eu não gramo é o palerma do Jorge, que anda sempre pendurado em nós, porque não há gaja que lhe pegue.

Ó gente da minha terra

Eu sei que o meu mundo é feito de palavras com as quais construo histórias, romances, crónicas e ficções e que as palavras não têm a capacidade de resolver tudo. Sempre disse que um médico faz muito mais falta do que um escritor, e agora acrescento e um bombeiro também faz, mas já aprendi que cada um de nós pode fazer a diferença se não ficar calado.

Fatias de vida

Pego no caderninho preto e sento-me na esplanada das Portas do Sol que é a minha nova cantina desde que troquei o andar na Lapa por umas águas furtadas em Alfama. Precisava de limpar os últimos anos da cabeça e do coração, portanto nada melhor do que mudar de casa quando não consegues mudar de vida.

Conversa impecável

Um dia aparece alguém que desperta a tua atenção. Alguém ligeiramente diferente, que, por uma razão desconhecida, consegue destacar-se da chusma anónima que te deixa indiferente. Começas a sair com o aquele tipo simpático, coisas simples, um chá numa esplanada, um passeio junto ao rio. Sentes-te bem na sua companhia, elaboras uma lista mental do que ele tem de bom para tentares interessar-te. E quando finalmente pensas que vale a pena investir, ele recua.

O factor esfregona

Há três anos conheci o Paulo no refeitório do laboratório. Trabalha noutro edifício, naquele dia tinha ido à administração. Avancei sem pensar. Sentei-me à frente dele com o tabuleiro e meti conversa. A mãe dele também se chamava Isabel...

'Y viva España'

Meti-me num grande alhada. Mas não é de agora. Não sei porque é que ao longo da vida as pessoas inteligentes tomam decisões estúpidas. Não tenho nada de original, sou apenas mais um idiota a cair no mesmo erro.

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável