Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas como nós

Eu quero que tu sejas a minha mãe

Vou ali e já venho, não demoro nada, umas semanas, duas ou três, vais ver que passa num instante, digo ao Ramsés enquanto lhe faço festas na cabeça. O Ramsés foi uma herança da minha irmã Isabel que se apaixonou por um surfista e trocou as Avenidas Novas pelo Havai.

Fios e chocolates

O pior é o tempo que nos rouba tudo. Há meia hora os nossos filhos andavam de bibe e agora andam na universidade. Há três dias o meu pai dançava comigo na sala e agora está numa cadeira de rodas. Há cinco minutos estavas aqui e afinal passou um ano. O tempo anda sempre a pregar-nos partidas, é o Deus mais inteligente e manipulador do Universo.

Outra vez

Tenho saudades tuas, ou saudades de tudo o que fomos, não sei bem, já é tão difícil não misturar o passado com o presente e destrinçar a realidade da ficção que demoro algum tempo a sair da cama, só abandono o estado de sonho lúcido quando sinto força suficiente nas pernas para pisar firme o chão que me leva de volta ao mundo.

Correio Azul

Agora que a estação dos correios vai fechar, como vou fazer para continuar a partilhar contigo o meu mundo? Não acredito na magia do mundo virtual, não dá seriedade às missivas. Fica tudo numa nuvem, parece que o mundo está todo lá, incluindo tu e eu, perdidos para sempre num labirinto de desencontros e de indecisões.

O Grito

É sabido que o Romantismo foi um movimento cultural que só contribuiu para atrasar o mundo. Todo o herói romântico sofre muito, seja de solidão, de desamor ou de doença. E sofre porque se entrega à sua desgraça de quem, podendo escolher entre vários destinos, se atira de cabeça para o pior de todos, como quem se atira para uma piscina vazia quando se apaixona pela pessoa errada.

Um belo exemplar

Tu eras o miúdo mais esperto do ano, não necessariamente o mais brilhante nas notas das pautas. Aos 19 anos já sabias que a vida nunca se aprende na universidade e tinhas sempre mais que fazer. As miúdas ficavam loucas por ti.

Os palhaços também dormem

Aquele sorriso cola-se ao meu, enquanto vou dizendo sempre mais disparates e quando damos por isso estamos os dois enlaçados nas memórias de pai e filha que sempre se amaram.

Quadrilha

A Rita baixou ainda mais a cabeça. Talvez estivesse a chorar, porque vi os seus ombros a estremecer como se um comboio tivesse passado por ela demasiado perto. Há homens que são como os comboios, fazem-nos estremecer quando passam, e se por acaso descarrilam, é o caos.

Feliz Natal, Sr. Interno

Gosto de me sentar ali a teu ladinho num tempo sem tempo, nunca vou com os minutos contados, tenho mais que fazer do que deixar que o mundo lá fora me corte o tempo que é para ti.

Infelizes para sempre

Dez anos depois está sentado na minha sala a beber chá. Pergunto-lhe como está a vida, a mulher, os dois filhos. Responde com um sorriso triste, "todos os dias penso numa maneira de me divorciar".

Não podemos deixar que os rios sequem

Tudo muda depois de um furacão. Às vezes para sempre. Como naquela ilha, uma das mais belas do mundo, onde sonhei levar-te um dia, Caye Caulker, no Belize, esse paraíso entre o México e a Guatemala.

O apelo da vida

A grande questão nas relações amorosas não é o amor em si. Nem sequer é a ausência deste. A grande questão é se as duas pessoas envolvidas querem ou não a mesma coisa da relação, do outro e da vida.

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável