Notícia

Nacional

Fernando Pires: "Foi um golpe duro a morte do meu pai"

Fernando Pires relembra como foi perder o pai com apenas 17 anos mas garante que é feliz e está realizado profissionalmente.
09 de janeiro de 2017 às 20:36
Fernando Pires viveu momentos dramáticos
Fernando Pires em exclusivo.
Fernando Pires em exclusivo.
Fernando Pires em exclusivo.
Fernando Pires em exclusivo.
Fernando Pires em exclusivo.
Fernando Pires
Fernando Pires
Fernando Pires
Fernando Pires
Fernando Pires

Fernando Pires, de 31 anos de idade, garante que é feliz. Satisfeito com a sua vida profissional, ao ator só lhe falta arranjar uma namorada para dar um neto à mãe, que é a sua fã número um. Leia a entrevista que Fernando Pires deu à revista TV Guia.

Está muito feliz. É do novo ano? 
Eu sou feliz...

É sempre assim, feliz e bem-disposto?
Podem não acreditar, mas sou: sou leve, sem chatices, bem-disposto. Não sei quando é que foi a última vez que me chateei. Para me tirarem do sério, só quando o Benfica perde. Mas como tem sido raro isso acontecer [risos]... Ando sempre feliz.

A vida é para ser levada na boa?
Não vale a pena as pessoas zangarem-se, pois a vida é curta e temos que aproveitar enquanto cá estamos. As pequenas coisas, como ir almoçar a casa da minha mãe, passear com a minha cadela Zezé, gravar a novela e conviver, é que fazem a vida. Eu acredito nisso. Não é uma boa filosofia?

2016 foi um ano em grande?
São todos! Não me queixo!

Porque é que quis ser ator?
Nunca quis. Eu queria era ser jogador de futebol. Ainda quero! Se não sabem, ficam a saber que eu sou o melhor ator/futebolista do País [risos]. As pessoas é que não descobriram isso. Se o Benfica me vê, sou menino para ter que recusar a novela [risos]. Agora a sério: o meu pai era sonoplasta e trabalhava no Estúdio Mário Viegas. Naquela altura, precisavam de uma criança e ele lembrou-se que tinha uma lá em casa. E foi aí. Fiz essa peça de teatro e comecei a trabalhar como actor...

Ganhou-lhe logo o gosto?
Não sei, sei que, aos 13 anos, estava no teatro A Barraca. Para dizer a verdade, nunca vi aquilo muito a sério. Para mim, era curtir, fazer umas maluquices, cantar, estar com os amigos. Nunca vi aquilo como um trabalho. Depois, daí passei para uma série...

Não foi planeado?
Nada! Eu até me estive para licenciar em Matemática [risos].

Então?
Mesmo depois de começar a fazer o 'Querido Professor', com o Ricardo Carriço e a Alexandra Lencastre, não pensei que ia ser ator. Até porque, entretanto, o meu pai morreu e eu quis afastar-me de tudo isto. Atirei-me à faculdade, que achei que era o que devia seguir.

O que aconteceu à licenciatura?
Não a fiz [risos]. Congelei-a! Mas, durante o 'Conta-me Como Foi', como sabia que queria ter um curso, fiz uma licenciatura em Marketing e Publicidade, que vamos a ver, era muito mais fácil. Mas acabei um curso!

Disse que o seu pai morreu…
De cancro. Acontece... Mas já lá vai.

O Fernando era muito novo?
Eu tinha 17 anos.

Foi um golpe duro?
Sim, um bocado. Afastei-me, por exemplo, da representação. O desaparecimento de um pai é sempre assustador. Pior, quando é repentino. Quando descobriram que ele tinha cancro, morreu pouco depois. Foi... Não sei... Mas a vida continua!

Apesar da dor, fala do assunto com uma certa leveza…
Porque aceito a vida tal como ela é. O meu pai, se soubesse como eu estou hoje, ia estar bastante orgulhoso de mim. Também nunca fui uma pessoa de tristezas. Não faz parte de mim.

A sua mãe é a sua maior fã?
Ela não brinca com a situação. Para a minha mãe, sou o melhor ator do Mundo, o mais bonito e faço tudo bem [sorrisos]. Mas é a primeira, quando faço asneiras, a perguntar que pouca vergonha ando eu para ali a fazer. E, depois, mete-me o almoço no prato e eu como [risos].

Ela sempre foi o seu grande apoio, depois da morte do seu pai?
Antes, até. Uma coisa que ambos me ensinaram foi fazer aquilo que gosto. Senão, não ia ser feliz. E eu, neste momento, faço o que gosto e o que me fascina. E daí estar feliz e contente comigo próprio. O meu pai sabe muito bem isso, tenho a certeza.

Que balanço faz da novela 'A Impostora'?
Foi quase um ano a trabalhar. Foi um grande papel que me deram. Uma coisa completamente diferente do que estava habituado. Tinha uma vertente cómica, que nunca tinha feito, e as pessoas que me conhecem sabem que sou um bocado parvo e isso encaixou  bem com o lado cómico da personagem. Para cúmulo, o rapaz era também homossexual. Tudo muito diferente do 'psico killer' que tinha sido nos 'Jardins Proibidos'... Na novela anterior, acho que andei a matar mulheres para ver se sobravam mais homens para o Valentim [risos]. Foi tudo muito bom!

Trabalhou diretamente com António Pedro Cerdeira...
O meu Cerdeirinha! Demo-nos muito bem e acho que isso foi o mais  importante para esta personagem. Eu tinha que ter empatia com a pessoa com que ia contracenar, o que podia não ser fácil, já que nem eu nem o Cerdeira somos homossexuais. Mas correu bem...

Foi fácil terem química?
Sim, porque somos muito semelhantes na forma de encarar a vida e trabalhar. E, depois,  somos ambos bem dispostos, sem problemas, vimos tudo como uma brincadeira, e isso ajudou. E posso dizer que se ele fosse uma mulher, tinha havido para lá de química [risos].

Mas, nas cenas íntimas, foi fácil? Afinal, os dois partilharam uma cama e muitos beijos…
É sempre estranho. Mas olhava para o Cerdeira como se fosse uma modelo da Victoria's Secret e tudo se resolvia [risos].

Gravaram muitas cenas ao ar livre…
[Risos] Tivemos público e tudo. Houve um beijo em que a câmara avariou e tivemos que o repetir três vezes! Isto é verídico. E era em frente a um sinal vermelho, onde paravam os autocarros, ali ao pé do tribunal... E as pessoas a acenarem [risos]. O António Pedro, que tinha ganho o prémio do Mais Sexy Platina, do Correio da Manhã, a beijar-me, e eu, um muchacho caliente [risos].

Já foi assediado por algum homem, desde que deu vida ao Valentim?
Nada. As pessoas gozam apenas porque passei de assassino para vendedor de fruta. Nem mencionam o resto. Deve ser porque, entretanto, cortei o cabelo. Era pior nos 'Jardins Proibidos'. Um dia, uma rapariga veio ter comigo e disse-me que tinha tido pesadelos comigo. Pedi-lhe desculpa por lhe ter atrapalhado o sono [risos].

Entretanto, já está a fazer outra novela. Está para ficar na TVI?
Não me posso queixar. Acho que ninguém tomou a consciência de que eu não sou assim tão bom actor [risos]. Mas só tenho que agradecer à TVI. A verdade é esta: o papel que me deram nos 'Jardins' foi para mostrar que eu tinha jeito para a coisa e a verdade é que, desde aí, começaram a apostar em mim. E dão-me sempre coisas diferentes, o que ajuda imenso.

Fale-me de 'Ouro Verde'.
Vou fazer de Gonçalo. Comecei a gravar no Brasil, o que é mais uma razão para agradecer à TVI, por me ter permitido conhecer aquele país. Adorei aquilo! Mas o Gonçalo... É um palhação, um jovem que está sempre a brincar, mas que tem objectivos de vida. Vão ter que ver. Desta vez, sou um engatatão de mulheres. E ele não conhece a palavra não!

Pensava que ia ter tanto trabalho, sem  direito a férias?
Estou preparado para ficar sem nada para fazer. Já me aconteceu. Neste momento, as coisas estão-me a correr bem.

Se passar por um momento menos bom, sem trabalho, como é que pensa lidar com isso?
Acima de tudo, faço uma boa gestão do dinheiro que tenho ganho. Não ando à maluca a gastar. Hoje, por exemplo, tenho alguma estabilidade financeira para ficar algum tempo sem fazer nada. De qualquer maneira, não sou de baixar os braços. Quem pára, morre! Não dá num lado, dá no outro.

Mas, com três novelas seguidas, conseguiu descansar?
Entre a Impostora e Ouro Verde estive dois meses de férias. Estive na Indonésia a descansar. Há que parar qualquer coisa... Fui conhecer aquele país, fazer surf... Adoro viajar! Se há coisa para que vivo é a possibilidade de viajar e conhecer sítios novos e outras culturas. E isso faz-me feliz e vivo. Adoro!

Sonhou, após estes três projetos, ter um contrato de exclusividade?
Nem pensei nisso. Neste momento, estou bem. Tenho é que agradecer por estarem a apostar em mim.

E nunca sonhou em ir para fora?
Não. Pensando bem, agora que estive no Brasil a gravar 'A Impostora', não sei [risos]. Mas gosto muito de voltar a casa, de estar cá. Já viajei bastante e adoro Portugal.

Namorou com Jani Zhao durante mais de um ano e terminou o namoro antes de ir de férias. Ainda está solteiro?
Estou, sim senhor.

O que aconteceu para este romance terminar tão abruptamente?
As coisas levaram um termo. E atenção: nós damo-nos muito bem. Mas cada um foi para seu lado.

Está à procura de uma nova paixão?
Não, se acontecer, aconteceu. Já com a Jani foi assim, inesperado.

Como assim?
Estávamos na Festa do Avante!, com uma garrafa de moscatel na mão, entre camaradas, e pronto... Foi assim que começámos a namorar...

Já tem 31 anos. Não sente pressão da sua mãe para assentar?
Ui, por ela, já devia ter-lhe dado um neto! Mas, por este caminho, talvez lá para os 50 lhe arranje um netinho [risos]. Aprendi isso com o meu pai, que também só o foi aos 50. Mas a minha mãe sabe como eu sou. Ela acaba por perceber.

Não se vê a casar, a ter fihos?
A verdade é que nem penso nisso. Eu sei, tenho 31 anos, mas que querem? Se há pessoa que acredita no amor, sou eu. É um sentimento a que dou mesmo muito valor.

Mas não é assediado?
O normal. A culpa foi de ter feito um psicopata numa novela. Não ajuda! [risos] Talvez agora com o Gonçalo... De qualquer maneira, sou esquisito com as raparigas.

Como assim?
A minha forma de estar não é fácil para as raparigas. O meu modo de vida, achar que é tudo muito leve, mandar uma mensagem uma vez por semana, é demasiada leveza para muitas mulheres que ficam em pânico e não aceitam este meu lado assim [risos].

Então o romantismo para si está morto?
Não, nada disso. Eu até sou bem romântico, mas tudo tem que ser espontâneo, nada pensado. E a verdade é que, por enquanto, não me posso queixar. Porque sempre tive namoradas que terminaram relações sem chatices. As coisas acabam normalmente a dois... e seguimos em frente.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável