Notícia

Exclusivo

Irene Cruz assume falhas de memória: "Se tiver Alzheimer, prefiro morrer”

Atriz de 73 anos vive atormentada com a possibilidade de ter a mesma doença que atingiu o seu progenitor. Irene Cruz dá uma entrevista à 'TV Guia' onde relata o que está a viver.
Por Carolina Pinto Ferreira | 05 de maio de 2017 às 17:07
Irene Cruz está afastada da televisão há 5 anos
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz
Irene Cruz

Irene Cruz pertence a uma geração de actores de renome e marcantes no teatro e televisão. Agora, com 73 anos, afirma que continua "a ser a mesma" mas... sem ser requisitada para trabalhos no pequeno ecrã. Porém, a idade não é algo que a assusta. "Esqueço-me de que tenho 73 anos, apesar de saber que os tenho. Não fiz plásticas nenhumas, nem uso cremes caros", começa por afirmar, orgulhosa da jovialidade que ainda transmite.

A atriz abriu as portas do seu camarim no Teatro Aberto, em Lisboa, à 'TV Guia', numa entrevista emotiva, conta como têm sido estes últimos tempos da sua vida, marcados pela falta de memória, que a tem afectado tanto no trabalho como no dia-a-dia. "A minha [memória] anda cansada, porque trabalho desde os 15 anos, e ali comecei a ter alguma temeridade." Depois, acrescenta: "Mas o pior é quando achamos que não vamos conseguir decorar ou fazer. Fui estúpida a esse ponto, de achar que não era capaz..."

Doenças malditas

"Ao início, fiquei preocupada. Mas, depois, comecei a relativizar. Trabalho desde os 15 anos, já tenho 73. Já decorei muita coisa, já fiz muitas personagens. A cabeça, aos 73, diz: ‘Aguenta aí um bocadinho, tem calma, Irene’."

E o maior medo da actriz é passar pelo mesmo drama com que viu o pai morrer: "Se tiver Alzheimer, prefiro morrer. Mas ninguém me vai matar. Mesmo que eu deixe, ninguém me vai fazer isso. É muito doloroso. Também não me apetece morrer como a minha mãe, de cancro. Ela escondia a dor para não sofrermos", desabafa.

Leia a entrevista na íntegra na 'TV Guia', que chegou às bancas esta sexta-feira.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
Camponio da beira 05.05.2017

Não há duvida que é uma doença terrivel, embora sem dores, mas mesmo assim atroz.

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável

;