Notícia

Casas Reais

Grã-duquesa do Luxemburgo acusada maltratar funcionários, que vivem ansiosos e cheios de pressão

Um relatório oficial dá conta do mal ambiente de trabalho na casa real do Luxemburgo.
21 de fevereiro de 2020 às 19:44
Conheça a Grã-Duquesa Maria Teresa
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Maria Teresa do Luxemburgo
Depois de reveladas as más condições de trabalho dentro da casa real luxemburguesa, sabe-se agora mais detalhes sobre o estado de tensão em que vivem os trabalhadores... Tudo por causa da tirania da grã-duquesa, Maria Teresa, revela um relatório oficial do Estado.

"Os funcionários estão em constante estado de ansiedade, com medo de serem repreendidos e perderem o emprego, e sempre excessivamente cautelosos com o que dizem. Não é um local de trabalho feliz", lê-se num relatório de 44 páginas assinado pelo ex-inspetor-geral das Finanças do Luxemburgo, Jeannot Waringo, divulgado no final de janeiro. 

O antigo inspetor passou seis meses a entrevistar a equipa que gere o palácio grã-ducal, dois castelos e outras propriedades da família real. Do total de 89 funcionários a tempo inteiro, e outros 17 a tempo parcial, desde 2015 a corte perdeu 50 empregados, a maioria demitiu-se, outros saíram após o período de experiência.

"A gestão de recursos humanos levanta muitas questões. Se os trabalhadores são constantemente expostos a pressões, reais ou intuídas, o seu comprotamente pode mudar radicalmente. Vão adoecer com mais frequência e procurar emprego quanto antes", relata ainda.

...
Maria Teresa do Luxemburgo
A imprensa também divulga outros detalhes de como acontece a gestão dos recursos humanos na família real. "O pessoal está exausto e não consegue suportar as variações de humor e caprichos da grã-duquesa", diz o 'Le Quotidien', citado pela 'Sábado'. No  'The Letzebuerger Land' lê-se: "É ela quem toma as decisões e o [grão-duque] Henrique diz que sim a tudo".

Depois da divulgação do relatório, vai entrar em vigor uma nova organização da hierarquia no palácio, em que Maria Teresa foi excluída dos cargos e acabou por perder poderes.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável

;