Notícia

Investigação FLASH!

Ligações perigosas na noite do Porto

Sempre que há novo caso de violência na noite do Porto, o coração de Sónia Araújo bate mais forte. É que o carro do marido foi destruído, por um 'cocktail molotov', e o caso nunca foi resolvido. Na altura suspeitou-se de retaliações ligadas ao caso "Noite Branca". Esta semana, dois homens, com amigos ligados a esse caso, violaram uma rapariga numa discoteca.
Por Isabel Laranjo | 13 de fevereiro de 2017 às 18:39
Ligações Perigosas
Vítor Martins, marido de Sónia Araújo, viu o seu carro explodir sem explicação. Suspeita-se que possa ter sido uma vingança ligada ao caso "Noite Branca"
Sónia Araújo no Porto
O veículo de luxo do marido de Sónia Araújo ficou completamente destruído. Os suspeitos lançaram uma garrafa em chamas para cima do carro e fugiram do local, sem deixar rasto
Antero Henrique é réu no mesmo processo e suspeito de ter contratado serviços de segurança ilegal para Pinto da Costa. Seria sempre através de Antero que os serviços da SPDE e de Eduardo Silva seriam requisitados
Sónia Araújo, na cidade do Porto, com os Clérigos em fundo
Pinto da Costa com o segurança Edu, sócio da empresa SPDE, que surge mesmo atrás do líder portista e lhe faria segurança ilegal
O 'barman' do bar Vice-Versa, em Gaia, é um dos suspeitos da violação, na noite de 27 de novembro. O rapaz é amigo de Natalino Correia, irmão de Ilídio Correia, segurança morto por Bruno Pidá, no auge do caso "Noite Branca"
Sónia Araújo
Bruno Pidá, que foi condenado pelo assassinato de Ilídio Correia, irmão do amigo dos alegados violadores
Os irmãos de Ilídio Correia sempre juraram vingança pela sua morte. Natalino vê, agora, o seu nome associado ao caso de violação no bar Vice Versa, em Gaia
Sónia Araújo
Sónia Araújo
Sónia Araújo
A explosão do carro de luxo de Vítor Martins, marido da apresentadora da RTP, Sónia Araújo, nunca ficou esclarecido.

O carro explodiu na noite de 1 de fevereiro de 2010. O empresário, que tinha negócios na noite, vinha do Estádio do Dragão, onde tinha assistido a um jogo com o joalheiro Eugénio Campos.

Sem que nada o fizesse esperar, uma garrafa em fogo foi atirada contra o veículo, causando a explosão. Falou-se que Vítor Martins poderia estar a sofrer retaliações devido ao "Jogo da Bolha", esquema em pirâmide, que envolvia muito dinheiro.

Por outro lado, suspeitou-se também que o marido de Sónia Araújo poderia estar, de algum modo, ligado às empresas de segurança envolvidas no processo "Noite Branca".

A carregar o vídeo ...
Há cerca de uma semana, uma  jovem de 26 anos bebeu um shot, ao final da noite, após uma festa africana, no bar Vice-Versa, em Vila Nova de Gaia. Pouco depois estava a ter sexo com o porteiro e o 'barman'. Os dois homens foram presos, suspeitos de violação. A rapariga alega ter sido drogada. Os suspeitos dizem que foi a jovem a sugerir "sexo a três".

OS AMIGOS DA "NOITE BRANCA" E O SEGURANÇA DE PINTO DA COSTA

Paulo e Marcos, os suspeitos, não têm cadastro. Contudo, têm amigos com historial na justiça. Um deles é Natalino Correia, irmão de Ilídio Correia, morto por Bruno 'Pidá'. Foi em novembro de 2007, quando uma onda de violência alastrou pela noite do Porto.

'Pidá', que foi condenado a 23 anos de prisão, é amigo de Eduardo Silva, dono da empresa de segurança SPDE. 

Aqui, as ligações perigosas começam a estreitar-se. Eduardo Silva foi visto a fazer segurança privada a Jorge Nuno Pinto da Costa, trabalho para o qual não estaria legalmente habilitado.

Eduardo terá sido contratado através de Antero Henrique, antigo administrador da SAD do FCP. 

Antero Henrique foi, também ele, investigado no âmbito da onda de violência das noites do Porto e pelas tais suspeitas de contratar serviços de segurança ilegais e com propósitos intimidatórios, para alguns jogadores do clube.

Antero viu-se, assim, envolvido na "Operação Fénix" e até a sua casa foi alvo de buscas. Ali, segundo o jornal "Correio da Manhã", terão sido apreendidos 70 mil euros. Este último caso remonta a 2015.

Ou seja, desde 2007 que a violência envolvendo os negócios da noite não tem parado, na cidade. E, consigo, acaba por arrastar nomes conhecidos.

Por esclarecer continua o assassinato do empresário Aurélio Palha, à porta da conhecida discoteca Chic, entretanto fechada. A casa foi palco de inúmeras festas de encerramento de eventos importantes como, por exemplo, o Portugal Fashion. 

O bar Vice-Versa, onde a rapariga de 26 anos foi violada, na noite de 27 de novembro de 2016 - tendo vindo agora o caso a público - chegou a ser apontado como propriedade de Natalino Correia. Afinal, o irmão do homem assassinado por Bruno 'Pidá' garante ser, apenas, frequentador assíduo da casa. E até mostra indignação pelo sucedido. "Se estão presos é porque é verdade. Gosto deles, mas eu tenho uma filha e, se alguém lhe fizesse isso, eu próprio os entregava. Não prestam", afirma Correia, renegando assim os dois amigos.

Este não foi o primeiro caso de violação denunciado naquele bar. Na madrugada de 29 de dezembro outra jovem apresentou queixa por situação semelhante. A Polícia Judiciária está a investigar estes novos casos de violência e crime na noite do Porto, bem como todas as suas ligações, e não descarta a hipótese de haver mais vítimas que, por algum motivo, não tenham apresentado queixa. 

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável