Notícia

Surpresa

O passado rebelde de Maria João Luís. Das fugas para Madrid à comunidade freak na Alemanha

A adolescência e a juventude da vilã de 'Terra Brava' foram fases de rebeldia, descoberta e aventura. Chegou a rapar o cabelo, a usar fatos de macaco à operário e a viver em comunidades freak, longe de casa.
12 de dezembro de 2019 às 17:11
Maria João Luís, o talento em pessoa
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís
Maria João Luís

Está em casa dos portugueses todas as noites, na pele da vilã de 'terra Brava', na SIC. Maria João Luís, aos 56 anos de idade, é uma referência entre os atores nacionais, um percurso que começou no grupo de teatro A Barraca. Em criança já lia poesia e pensava que ia ser arquiteta.

A adolescência e a juventude foram fases de rebeldia, descoberta e aventura. Chegou a rapar o cabelo, a usar fatos de macaco à operário e a viver em comunidades freak, longe de casa, depois de ter fugido apenas com os documentos no bolso. O pai, aceitava porque a compreendia como ninguém, a mãe não continha as lágrimas.

"Não tinha consciência. Achava que o mundo era maravilhoso. Apanhei uma boleia daqui para Hamburgo com uns amigos alemães que conheci na praia em Porto Covo. Já antes tinha ido para Madrid, aos 15 anos, com uns amigos. Passaram por Vila Franca, eu andava de bicicleta e disseram-me: 'Queres vir?' Eu fui", descreve Maria João Luís à 'Sábado'.

Vivia-se o pós-25 de Abrail, de 1974. Tudo era possível, ou parecia ser, e havia uma busca incessante pela liberdade. Nessa altura, Maria João sentia-se artista, declamava poesia na rua, e estudava na escola António Arroio, em Lisboa, com o objetivo de seguir arquitetura. O teatro viria depois, quase "sem saber". Ainda se desiludiu e partiu para a Alemanha.

"Era uma freakalhada. Vivi numa comunidade. Eles viviam de subsídios de apoio do Estado. Era uma quinta enorme, apalaçada, que pertencia a um da comunidade. Havia muita arte, pensava-se, falava-se, escrevia-se. fazia performances na rua. Fiquei lá um ano", descreve. Passou um ano e as saudades bateram forte. Regressou a Portugal, ao teatro na Barraca.

Conheceu o marido, Pedro Domingos, com 26 anos. Estão juntos há 30. Maria João Luís define o dia em que se apaixonou como o "mais feliz e o mais triste" da sua vida: "Foi duro. (...) A noção de que era ali que ia ficar, ia ficar com aquele homem. de certa forma acabava aquela coisa que eu adorava, o flirt. Agora era aquele homem e ia ser aquele homem."

Leia a entrevista completa na revista 'Sábado'.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Mais Lidas

+ Lidas

Instagram

Instagram

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável

;