C-Studio

C-Studio i

O seu filho tem problemas de visão?

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, 20% das crianças têm problemas de visão que interferem com o rendimento escolar. Esteja atento aos sinais.
06 de novembro de 2019 às 15:12
O seu filho tem problemas de visão?

Estudos mostram que há mais crianças em idade escolar e pré-escolar a precisar de óculos. Um dos sintomas é a diminuição da visão, mas como as crianças pouco se queixam sobre isso, o melhor é estar atento aos sinais de má visão.

Sendo a visão o sentido mais importante para o desenvolvimento cognitivo da criança, é importante estar atento ao comportamento dos mais novos. Qualquer problema no desenvolvimento visual pode ter consequências negativas para o resto da vida. É nesta idade que se considera o período essencial para o processo de diagnóstico e tratamento.

Olho preguiçoso

Quantas vezes já vimos crianças com um dos olhos tapados? A culpada chama-se ambliopia, mais conhecida por "olho preguiçoso". É uma das situações mais comuns em idade escolar e só pode ser tratada na infância. Depois disso, o tratamento é cada vez menos eficaz.

Na ambliopia, um ou os dois olhos apresentam uma visão inferior ao normal. Se for detetada a tempo, corrige-se o erro refrativo no olho ambliope, se necessário através da oclusão do olho bom, para forçar o "preguiçoso" a trabalhar.

Olho torto

Quando o olho que vê pior tem tendência a entortar, utilizamos a expressão "olho torto". O nome próprio é estrabismo, outro problema comum nas crianças e relacionado com a ambliopia – a visão desse olho é bloqueada pelo cérebro por falta de estímulo, resultando num olho "preguiçoso".

Ver mal ao longe e mal ao perto

São dois dos problemas de visão mais associados a um mau desempenho escolar e tem tudo a ver com distâncias. Na hipermetropia, o olho está em permanente esforço para ver com nitidez. As crianças com hipermetropia sentem mais dificuldade ao perto, por exemplo, na leitura, que provoca fadiga e dores de cabeça. Já a miopia é a dificuldade em ver ao longe, o que faz com que seja frequente o semicerrar dos olhos para aumentar a acuidade visual. Ambas são corrigíveis e detetáveis através de exames oftalmológicos.

Quando estes problemas de visão de alto grau não são corrigidos, o rendimento escolar é prejudicado e o mundo da criança é limitado. Surgem as queixas de dor de cabeça, os olhos vermelhos e lacrimejantes, a fotofobia… Há também consequências no comportamento das crianças. É comum associar-se a personalidade introvertida à miopia, assim como a pouca disposição de leitura à hipermetropia e ao astigmatismo.


O primeiro rastreio visual das crianças deve ser feito entre o primeiro e o segundo ano de vida. Deve repetir-se aos quatro anos e fazer um terceiro rastreio quando entram para a escola primária. Depois disso, deve fazer-se nova avaliação de dois em dois anos.


É preciso estar atento aos sinais e sintomas de alerta (ver caixa) e consultar um especialista da visão assim que as crianças tenham comportamentos denunciantes, como aproximar-se demasiado da televisão, lacrimejar excessivamente ou ter os olhos vermelhos constantemente.



Sinais e sintomas


– Dificuldade na leitura

– Copiar do quadro com erros

– Semicerrar dos olhos ou tapar um dos olhos

– Esfregar os olhos

– Desinteresse por tarefas que exigem mais esforço visual (ler, escrever, ver televisão)

– Olhos vermelhos

– Lacrimejar

– Dor de cabeça frequente



Texto publicado originalmente em eunomeumelhor.essilor.pt, a plataforma que melhora vidas melhorando a visão. Aqui vai encontrar outros artigos de especialistas relacionados com saúde visual, luz azul, segurança rodoviária, crianças e radiação UV.

Partilhar