'

Notícia

Drama

Relato dramático de Dino d'Santiago! Infância vivida numa barraca, entre fome, ratos e baratas!

A vida incrível do cantor algarvio de raízes cabo-verdianas dava um filme... para mostrar a todos que é possível vencer!
05 de novembro de 2022 às 18:47
Dino D'Santiago, o músico que cresceu rodeado de pobreza e miséria
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago
Dino D'Santiago

Dino d’Santiago, de 40 anos de idade, foi o convidado de Daniel Oliveira, em ‘Alta Definição’, da SIC, este sábado. O músico algarvio com raízes cabo-verdianas falou abertamente da miséria na infância, passada no Bairro dos Pescadores, em Quarteira: "Tínhamos os iogurtes contados. O fiambre, se houvesse, também. Era tudo tão contado que lembro-me dos roncares da barriga. E, às vezes, sentia vergonha, se estivesse na escola… Sentia mais vergonha quando as roupas tinham as marcas do xixi ou das fezes dos ratos. O que me dava mais vergonha era estares na sala de aula, abrias a mochila e saía de lá de dentro uma barata."

Emocionado, mas com um discurso maduro e muito inteligente, o jurado do 'The Voice Portugal, da RTP1, acrescentou mais episódios da sua vida, que jamais esquecerá: "A água do mar entrava dentro das nossas casas e nós até disso fazíamos brincadeira. Depois vinha a porcaria toda", como os "ratos, as baratas, as osgas".

"A vida era aquilo. Não tínhamos água potável. O meu primeiro banho de banheira foi aos 15 anos. Tínhamos de ir buscar a água potável à bica. Eram três bicas para servir milhares de pessoas. Puxávamos mangueiras e, quando ela já estava ali há mais tempo, cortavam a tua mangueira e tinhas de fazer remendos. Depois, tínhamos de ficar de vigia na bica. Éramos crianças e claro que tínhamos medo", confessa Dino, que vivia numa barraca.

A infância da estrela musical passou de perto pelo mundo da droga: "Tínhamos toxicodependentes no bairro dos Pescadores, muita gente de famílias que vinham de Lisboa e iam morar para o bairro. Vivíamos entre os traficantes, as pessoas que compravam os produtos, os trabalhadores que edificavam Vila Moura… Crescemos no meio dessa combustão de sonhadores... Ali eram as pessoas que não conseguiram vingar os seus sonhos, estavam todas no mesmo patamar, no mesmo lugar. Como é que podíamos ambicionar mais?"


Saber mais sobre

Vai gostar de

você vai gostar de...

Mais Lidas

+ Lidas