'

Notícia

Polémica

Luís Osório arrasador com Cinha Jardim: "Que horror, que vergonha, que nojo"

O escritor e jornalista crítica duramente a comentadora do 'Big Brother' que considera ser uma "pessoa estranha, incompreensível e particularmente obscena". Aproveita também para dar uma "tacada" à TVI.
23 de setembro de 2021 às 08:36
Ainda se recorda como era Cinha Jardim? Uma brasa...
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Cinha Jardim
Luís Osório não deixa "pedra sobre pedra" na sua apreciação a Cinha Jardim. Arrasador, escreve o escritor e jornalista sobre a comentadora do 'Big Brother' e os seus supostos comentários racistas: "Cinha Jardim que já foi namorada de Pedro Santana Lopes e mais umas quantas coisas menos relevantes, continua a fazer comentários na TVI sobre tudo o que acontece na casa dos segredos onde rapazes e raparigas nos oferecem o melhor de si para que um dia, se tudo correr mal no planeta, o "criador" não se arrepender quando resolver encomendar a nossa alma ao esquecimento", começa por escrever no Facebook.

E continua a fazer uma introdução, antes de "ir ao que interessa": "Cinha Jardim é filha de Jorge Jardim, durante muitos anos um homem de confiança de Salazar em África. Um pai que enriqueceu e construiu um império em Moçambique. Cinha cresceu no orgulho de ser filha de um homem que era um aventureiro e um vencedor, um homem pragmático que fez o que foi preciso em nome de uma ideia de Império que só podia confluir num Portugal do "Minho a Timor"", avança.

Chega, então, ao cerne da questão: "Na televisão, nos seus sempre elucidativos comentários, Cinha Jardim disse assim a propósito de um qualquer cozinhado da casa de segredos: "Em minha casa não há douradinhos, pretinhos ou escurinhos". Disse-o como se fosse uma piada. Não é a primeira vez – há uns largos meses, chamou de pretinho um concorrente de uma outra edição da casa. E quando aconteceu a polémica de Marega – o ataque racista de que foi alvo – Cinha Jardim também foi muito clara sobre o que lhe vai dentro da cabeça", atirou o escritor.

"Não gosto de uma certa ditadura do politicamente correto, mas parece-me ofensivo que um canal de televisão pactue com pessoas que veiculam discursos racistas e uma linguagem ordinária que agride qualquer pessoa bem formada. Se na semana passada critiquei a "socialite" que defendia que algumas praias deveriam ser pagas para serem mais bem frequentadas, esta semana não poderia deixar de escrever sobre esta pessoa que aos meus olhos é estranha, incompreensível e particularmente obscena", opinou Osório.

Mas há mais: "Sobretudo vindo de uma pessoa que tanto fala de Deus e da Igreja Católica quando define o que é a sua vida.
Como é possível? Como é que ela justificará a existência dos "pretinhos" à luz dos ensinamentos de Jesus Cristo? Só me parece que existe uma hipótese, é a única que encontro – para ela, e para outros racistas crentes, os negros não são filhos de Deus. Provavelmente deveriam estar na selva com os outros macacos. Que horror, que vergonha, que nojo", rematou o jornalista. 

Vai gostar de

você vai gostar de...

Mais Lidas

+ Lidas

Newsletter

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba diariamente todas as noticias de forma confortável
Subscrever