'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

A batalha da meia-noite

A emissão de um magazine social na antena generalista está a criar dificuldades à concorrência no chamado late night, logo a seguir ao horário nobre. A TVI parece que não estava à espera deste desafio.
24 de agosto de 2018 às 13:42
...
Liliana Campos

Quando um canal generalista quer subir rapidamente a performance diária é no chamado late night que aposta em primeiro lugar, ou seja, logo a seguir ao horário nobre, da meia-noite em diante. Trata-se de uma parte do dia em que as televisões generalistas costumam apostar menos, quer porque o grosso da receita já está feita, quer porque este horário tem um ocupante fortíssimo e que está cada vez mais forte. Trata-se do cabo, precisamente, que deixa pouca margem de manobra às generalistas, quer através dos canais de informação, que fazem da meia-noite um dos períodos-chave da respetiva aposta, quer através dos canais de séries e filmes, dependentes do público noctívago, já para não falar do consumo de programas gravados.

Ora, se não é um período central para as televisões generalistas, é curioso que seja aqui que a SIC tenha criado a primeira dificuldade à TVI, e acentuado a crise da RTP1, ao colocar na antena generalista o Passadeira Vermelha, que tem liderado e contribuído todos os dias para aproximar os valores de Carnaxide dos de Queluz de baixo. O formato de Liliana Campos é de baixíssimo orçamento, baseia-se numa apresentadora eficaz, num comentador da área social com uma imagem incomparável, Cláudio Ramos, e numa ou outra polémica que tende a acentuar a curiosidade do público.

Até ao momento, a TVI não encontrou antídoto, e mostra-se desorientada com este desafio inesperado. A SIC pode ter perdido share comercial com esta aposta, e perdeu, com certeza. Mas, pelos vistos, essa deixou de ser a prioridade. Isso abre todo um mundo novo para Carnaxide.                          

Derrota surpreendente
Fixe o leitor este número e esta data: sábado, 13,6%. Foi o share com que a TVI perdeu o dia, e com estrondo. É o pior do canal, em anos, e num dia sem qualquer evento desportivo. A SIC ganhou com vantagem surpreendente. Sinal, que não deve ser ignorado, de que algo está a mexer. Veremos até que ponto. 

Touradas no canal 1 da RTP
É de elogiar a decisão de emitir uma corrida de touros, em horário nobre. Só uma visão distorcida da sociedade e do serviço público pode levar alguém a defender que as touradas sejam banidas da RTP. Um rápido visionamento diz-me que a transmissão foi competente, com resultados razoáveis para a RTP1. 

Sporting tv: o debate
Já por alturas do duelo Bruno-Madeira Rodrigues, há ano e meio, aqui tinha escrito que a Sporting TV não é o palco ideal para os debates eleitorais. Quando muito, o canal de um clube deve retransmitir debates de outras estações. Em causa está o impacto reduzido dos canais dos clubes, e também a necessidade de garantir isenção. Este último tema não se aplica este ano: a isenção esteve garantida pela multiplicação de candidatos. Já o impacto reduzido, aí está para o provar: o debate a 7 na Sporting TV teve 22 mil e 690 espectadores, 0,23% de audiência. A quem interessa isto?

As pontes também caem
A realidade é espantosa. Acontecimentos impensáveis, que atribuiríamos a maus guiões se os víssemos na ficção, sucedem-se, e apanham-nos a todos desprevenidos. A queda de uma ponte em Itália é um desses momentos de pasmo inicial, que persiste até assimilarmos que é mesmo real, aconteceu mesmo. Nas nossas televisões, o pretexto foi aproveitado, e bem, para analisar o estado das obras em Portugal.

Mais notícias de Grelha da Semana

Chuva de milhões

Chuva de milhões

A criação de uma nova taxa de 2 euros em todos os contratos de fornecimento de televisão por cabo vai criar uma receita adicional de 8,6 milhões de euros, que se destinará na totalidade ao serviço público. Quando uma empresa é deficitária significa que gasta mais que o dinheiro que obtém. Na vida real e entre os privados, sempre que há um défice de operação deste género, a única solução viável é reestruturar o funcionamento. Neste caso, tratando-se de uma empresa do Estado, a solução foi encontrar novas vias de financiamento.
O melhor apresentador

O melhor apresentador

Fernando Mendes está de pedra e cal na RTP1, com quem renova mais uma vez. Ele é, hoje em dia, verdadeiramente, o espírito do serviço público. Apresenta com ritmo, com graça, com inteligência, e com afeto. Os quatro ingredientes que fazem com que parte da população organize as suas rotinas de maneira a estar em frente ao ecrã da RTP1 todos os dias, às 7 da tarde.
27 segundos

27 segundos

Em suma, os Globos de Ouro da SIC deste ano tinham tudo para ser um grande show. Porém, tiveram também um erro técnico infantil. A certo ponto, o espetáculo parou e durante 27 longos segundos todo o País pôde ver cabos e um técnico a falar ao telemóvel. A partir daí toda a equipa se enervou. É inglório uma estação passar meses a preparar tudo, para tudo se desvanecer em 27 segundos. Serão estes 27 segundos que ficarão na memoria.
Filme de suspense

Filme de suspense

A crise grave que o canal público está a atravessar prejudicou o desempenho nas eleições autárquicas, visto que o canal 1 ficou claramente em último, a grande distância das concorrentes privadas. Está a consolidar-se a ideia de que a RTP já não conta para a liga principal de televisão, o que é injusto sobretudo para o pivô, José Rodrigues dos Santos.
Uma bazuca eleitoral

Uma bazuca eleitoral

O facto verdadeiramente novo e interessante é a divulgação de uma imensidade de propostas, candidatos e discursos muito locais, através da proliferação de vídeos e de transmissões em direto nas redes sociais. Tais vídeos e transmissões em direto têm sempre um impacto limitado, quer porque chegam a pouca gente, quer porque a generalidade dos portugueses gosta de ver as redes sociais, mas não confia nelas, e bem.
Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.

Mais Lidas

+ Lidas